A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

23/09/2013 13:36

Quando o patrimônio supera a renda

Por Daniel Ávila (*)

Dois dados muito simples podem revelar muito sobre o momento financeiro do cidadão: patrimônio e renda. As necessidades são muito parecidas, variando de acordo com o momento de vida. As perguntas mais usuais são: Como melhorar o desempenho das aplicações pessoais? Como ter uma rentabilidade justa? Onde encontrar um interlocutor qualificado para falar sobre finanças e planejamento patrimonial?

Para aqueles entre 30 e 45 anos, é nítido como a renda mensal é muito mais importante que o patrimônio, ainda em construção. As economias acumuladas já correspondem a algumas vezes o ganho do mês, mas a manutenção ou aumento da renda ainda é o grande objetivo.

Entre os 45 e 55 anos, esta linha é muito tênue. Nesta fase, já foi adquirido o imóvel que provavelmente será a moradia por muitos anos, o cargo na empresa já é de direção ou o próprio negócio já passou a ser lucrativo e os filhos estão entrando na faculdade e começando suas carreiras. Neste momento, os dilemas começam a ficar mais presentes e a preocupação com o futuro financeiro começa a incomodar.

A partir dos 55 anos é quando normalmente a balança se inverte. Os filhos já começam a se tornar financeiramente independentes, os pais já passaram por quase 20 anos de economia de um bom salário, bônus ou dividendos e rentabilidade, fazendo com que o patrimônio passe a ser mais importante que a renda mensal.

Nesta etapa, muitos profissionais já começam a se programar para, na próxima década, deixarem as empresas onde fizeram carreira ou sair do operacional das empresas que construíram e planejam como será a vida com uma rotina mais tranquila, mas com muito conhecimento acumulado. Uns se dedicam somente a gerenciar os bens da família e o patrimônio pessoal; outros prestam consultoria e conseguem uma geração contínua de renda. E os mais aventureiros, os incansáveis, envolvem-se em novos empreendimentos, engajando- se em novos projetos e negócios.

Falamos isto não por tese ou hipótese, mas porque já ouvimos cada uma dessas histórias relatadas diariamente pelo público que busca orientação financeira na internet. A possibilidade de divulgar informações de maneira rápida, transparente e barata deveria provocar uma reflexão sobre o mercado de investimentos. Há uma grande parte das classes A e B, absolutamente desatendida no segmento de planejamento patrimonial.

Não é raro encontrar investidores que conhecem mais de gestão de portfólio que o próprio assessor de investimentos. E grande parte do problema está na expectativa para o atendimento pessoal que oferecem nas áreas de alta renda dos bancos de varejo ou em muitos “family offices”. Neste momento em que o patrimônio é a garantia da manutenção do padrão de vida dessas famílias, esse atendimento insatisfatório carrega uma certa ironia e causa muita preocupação.

É uma ironia pois este é o público que pode pagar por um bom restaurante e ser bem atendido. É o público que compra um carro de acordo com seus desejos e fica satisfeito, pois pode pagar pelo modelo adequado ao seu grau de exigência. É um público que paga um pouco mais caro e se hospeda em hotéis de melhor qualidade. Porém, esse público não encontra a mesma comodidade no setor financeiro, justamente o setor de serviços que deveria ajudá-lo a manter o padrão de vida.

E qual o traço comum entre todos estes investidores? São pessoas que nunca negligenciaram o conhecimento e o trabalho: são mais exigentes que a média, em vários aspectos. Por isso ficam frustrados ao encontrar um profissional cuja qualidade dos trajes é inversamente proporcional ao conhecimento.

Este público valorizou estudos e trabalho, até conquistar uma posição de destaque na carreira ou no próprio negócio. É para estes clientes que o sistema de atendimento para investimentos não está resolvido. Para aqueles cujo patrimônio já é ou será a garantia de um padrão de vida estável e bem administrado.

Trata-se de um público altamente exigente, cuja relação patrimônio/renda passa a ser o principal foco de atenção e para o qual o modelo vigente não oferece um atendimento qualificado, simplesmente por não existir profissionais suficientes para suprir esta demanda. E ainda que existissem, o custo inviabilizaria o negócio. Não seria possível construir uma nova indústria de serviços com os valores e os métodos do passado, como a excessiva pessoalidade do atendimento.

Um dos caminhos possíveis é desenvolver soluções e processos baseados na internet, que ofereçam informação clara e objetiva sobre este mercado. Os termos, as variáveis e implicações das decisões financeiras precisam ser desmistificados, precisam entrar no cotidiano das famílias. Pois quando o patrimônio passa a ser mais relevante que a própria renda, e os anos de trabalho passados precisam suportar os anos vindouros de aposentadoria, estamos diante de uma nova necessidade e de um novo mercado. Essa não é mais uma realidade de poucos.

(*) Daniel Ávila é empresário e diretor da Vérios Investimentos e do site www.comparacaodefundos.com

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions