A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

25/09/2015 10:29

Quanto você está disposto a lutar e esperar por um sonho ou objetivo?

Por Emanuel Gutierrez Steffen (*)

Abordar e discutir o valor pessoal dos desejos pode facilmente passar de um papo amistoso para uma armadilha perigosa. Tudo que envolve sentimentos, emoções e sensações costuma transformar e distorcer decisões com muita rapidez. O certo, do ponto de vista racional, logo vira “chatice” e “implicância” quando afloram as emoções.Adicione “ao caldo” o dinheiro e chegamos ao ponto crítico do planejamento financeiro de muitos brasileiros. Por que esperar, quando é possível comprar parcelado, pagar “suavemente” e sair com o produto na hora? A lógica “uso agora, pago devagar” tem apelo, resume o que era complicado (esperar, juntar dinheiro e negociar) em uma ação corriqueira: comprar usando o crédito, de forma rápida e objetiva.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

Esses dias alguém me chamou a atenção para o comportamento das pessoas em um dia típico de passeio e compras: todas pareciam felizes, tagarelas, repletas de sacolas nas mãos e brilho nos olhos. Impossível dizer, porém, quais (e quantas) delas estão endividadas – essa informação não é perceptível como a obesidade, por exemplo.

Logo, o consumo é farto porque é fácil e traz uma sensação imediata de euforia, mas sem a cobrança da sociedade quando há exagero. Ninguém olha para você e diz “Ei, você está endividado, melhor não comprar hein”, como quem diz “Você está gordinho, melhor praticar exercício e comer menos”. Então você compra e guarda seus problemas financeiros em uma caixa preta. Ninguém sabe onde ela fica, nem o que há dentro dela, só você. Algo tipo “eu mereço, eu posso”.Dá para imaginar como esse ciclo “sou-tenho-pareço-apareço” gera ansiedade em níveis cada vez mais elevados? Suspeito que a raiz da questão não está nas discussões específicas sobre a economia, na mudança do quadro social ou na renda crescente. O problema tem origem na educação do cidadão e no âmbito pessoal/familiar em torno da definição de sucesso, felicidade e qualidade de vida.

No passado, quando a velocidade dos acontecimentos era muito menor, era também natural ser mais paciente, saber esperar. O simples ato de se corresponder com alguém exigia tempo, espera e dedicação – as cartas demoravam dias, até semanas para chegarem.
O mesmo acontecia com as decisões econômicas. O acesso ao consumo era limitado e precisava ser discutido. As prioridades tinham que ser eleitas e o tempo usado com sabedoria para que as metas pudessem ser atingidas. Em suma, era preciso esperar; era preciso compreender que algumas coisas eram mais importantes que outras.

Ouço com frequência que hoje é muito mais fácil realizar sonhos. O que faz o brasileiro que sonha ter um carro? Cria coragem e vai até uma loja especializada, só isso. Ora, você chama isso de sonhar? Então me desculpe, mas há algo errado no sentido da meta alcançada, no verdadeiro desejo. Passamos a sonhar raso, fácil, como que para abrandar a dureza da vida que nos cerca. Faz sentido, mas não me convence.

Logo passamos a nos enganar, crendo e fazendo crer que a vida é só isso. Ter carro, casa, TV nova, celular moderno e roupa cara. Somos felizes porque podemos ter tudo agora? Abrir mão do legado, do futuro, não assusta: para muitos, a vida é muito boa, o consumo abre [

A frustração? A paciência? A construção de patrimônio? As prioridades? Qualidade de vida? Tudo isso é papo furado, vindo de alguém que levou dez anos para comprar seu primeiro (e único) óculos Oakley. Vocês conseguem imaginar meu luxo com essas lentes? Para uns, um consumo banal; para mim, um sonho, um passo importante para uma vida repleta de mais sonhos, mas livre de dívidas, ansiedade e competição – não quero saber quem dos meus amigos comprou um desses primeiro ou qual deles tem mais óculos desta marca.

Confesso que eu geralmente tenho acesso às novidades com cinco anos de atraso. Quando as alcanço, muita coisa já mudou. Mas continuo feliz, realizado porque tenho tudo o que quero sem depender de ninguém. Isso mesmo, tenho tudo que quero, no devido tempo e com a devida prioridade. Entendo que adiar consumo para focar em qualidade de vida não significa ser sovina; trata-se, isso sim, de alimentar, com dedicação e paciência, verdadeiros sonhos. Recomendo a todos essa sensação.E você, quanto tempo está disposto a esperar e aproveitar para construir seu caminho e realizar seus sonhos? Ou prefere manter-se no piloto automático e esperar que as coisas mudem e melhorem sem esforço?

Fonte:dinheirama.com
Disclaimer – A informação contida nestes artigos, ou em qualquer outra publicação relacionada com o nome do autor, não constitui orientação direta ou indicação de produtos de investimentos. Antes de começar a operar no SFN - Sistema Financeiro Nacional o leitor deverá aprofundar seus conhecimentos, buscando auxílio de profissionais habilitados para análise de seu perfil específico. Portanto, fica o autor isento de qualquer responsabilidade pelos atos cometidos de terceiros e suas consequências.

(*) Emanuel Gutierrez Steffen, criador do portal www.mayel.com.br

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



O brasileiro não é um exemplo a ser seguido. É meio feio falar mal de nós mesmos e nós normalmente resistimos a isso por estarmos tão iludidos quanto ao nosso título, mas a verdade é que se alguém quer vencer na vida, deve se inspirar em autores não brasileiros que tem "mindset" bem diferente.

Aqui é uma ideologia de fracassado, aqui no Brasil o que se nota é que todos reclamam mas todos só ligam pra si mesmo, ninguém tem simpatia com o próximo e ainda reverbera a Lei de Gerson graças a um comercial.

Questionar se devemos esperar ou realizar um sonho é a mesma coisa que se perguntar se devemos viver.
As pessoas julgam, porque são vazias e invejosas, principalmente aqui, então abandone os brasileiros e a vida vai melhorar.
 
Cyro Escobar Ribeiro Neto em 25/09/2015 11:07:43
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions