A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

16/02/2013 08:18

Questão persistente

Por Ruy Martins Altenfelder Silva

Quase metade dos brasileiros acima dos 25 anos de idade não tem o ensino fundamental completo ou, o que é pior, não possui nenhum grau de instrução. O dado, estarrecedor e preocupante, acaba de ser divulgado pelo IBGE, com base no Censo de 2010 e, de lá para cá, a situação não deve ter sofrido alteração para melhor, dado o prazo de uma ou duas décadas para que medidas produzam efeitos significativos no nível de escolaridade da população. Traduzido em pessoas, esse percentual significa que 54,5 milhões não concluíram sequer os nove anos do ciclo fundamental. E outros 16,2 milhões (14,1% dessa população) foram à frente, concluíram o fundamental, mas não terminaram o ensino médio.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Em resumo, perto de 71 milhões de brasileiros, na melhor das hipóteses e com as exceções de praxe, apresentam sérias deficiências de escrita, leitura e aritmética básica – o que, se não os alija do mercado de trabalho, corta pela raiz as probabilidades de ascensão profissional e consequente aumento sustentável de renda.

Quando o recorte do Censo de 2010 se estreita para a faixa jovem (de 20 a 24 anos), o cenário ganha tintas menos escuras, mas não menos preocupantes, apesar dos avanços registrados nas duas últimas décadas. Nesse segmento, um quarto dos jovens sequer concluiu o ensino fundamental e outros 22,5% não terminaram o ciclo médio. Somem-se ao quadro outras distorções apontadas pelo Censo, como a média insuficiente de 7,7 anos de estudo; os 30% dos alunos do fundamental com idade para estar no médio; e a elevadíssima taxa de evasão, que coloca 36,5% dos jovens entre 18 e 24 anos fora da escola, e eis que surgem dúvidas pertinentes.

Por exemplo, com a baixa escolaridade de boa parte da população, como o País poderá ingressar numa fase de desenvolvimento sustentável? Ou como metade dos brasileiros poderá aspirar a uma vida melhor e a um futuro mais promissor, visto não ostentar as competências e habilidades mínimas requeridas para usufruto dos benefícios da atual era do conhecimento? E por aí se poderia ir, com o cenário educacional suscitando mais e mais dúvidas. Melhor que questionar, entretanto, é arregaçar as mangas e, enquanto o Brasil não elege efetivamente o ensino como a prioridade das prioridades nacionais, cada um deverá prestar sua contribuição para atenuar a perversa desigualdade educacional.

É isso que o CIEE vem fazendo, com uma série de programas gratuitos que visam preencher lacunas deixadas pelo sistema de ensino, tanto no campo da alfabetização de adultos, quanto na melhor formação dos estudantes, com cursos, palestras, publicações, educação à distância e outras ações de responsabilidade cidadã.

*Ruy Martins Altenfelder Silva é presidente do Conselho de Administração do CIEE, da Academia Paulista de Letras Jurídicas e do Conselho Superior de Estudos Avançados/ Consea (Fiesp/IRS).

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



Falta chamar atenção para outro fato: este estudo do IBGE é apenas quantitativa: "quantos encerreram o ensino fundamental". Mas deixa de lado a questão qualitativa: "quantos que passaram pelo ensino fundamental são capazes de não somente ler um texto, mas também **entede-lo**"... Ou seja: não toma em conta o analfabetismo funcional.
Uma população mal instruido NUNCA vai mandar a economia do pais para frente, mas continua reelegendo politicos corruptos. É obvio porque este quadro não muda...
O gasto com educação em Brasil é 5,4% do PIB, perto dos 5,5% gasto em Alemanha. Mas enquanto este dinheiro é gasto com merendeiras, comida para os alunos, e uniformes escolares (todo, muitas vezes, superfaturado), e não é gasto em escolas, livros, professores e computadores, nada adianta.
 
Marcos da Silva em 16/02/2013 11:39:11
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions