A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

25/09/2014 13:59

Recuperar o terreno perdido

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

A globalização se fez calcada no imediatismo da minimização dos custos e maximização dos lucros, desconsiderando os aspectos humanos e a sustentabilidade urbana, nivelando tudo por baixo. Cada país e cada povo precisa se movimentar e ter assegurados os meios de subsistência condigna, o que não tem recebido a atenção por parte dos investidores.

Algumas corporações começam a despertar para sua responsabilidade com a sociedade, posto que os governos se envolveram em interesses particulares, descuidando de sua tarefa e do futuro que se insinua ameaçador com a limitação dos recursos, consumo sem disciplina, população se expandindo. É imperioso o desenvolvimento de sérios estudos avançados sobre os erros que estamos cometendo, pois se trata do futuro, nosso e dos nossos descendentes, que está em jogo.

A fase é de crescimento pífio. Após a crise de 2008, muitas pessoas não conseguiram retornar aos postos de trabalho destruídos. Segundo a OIT, o número de desempregados se situa ao redor de 200 milhões, e até 2019 poderá alcançar 213 milhões. No Brasil, o crescimento é baixo e os déficits aumentam; temos atraso em muitos setores. Estamos enfrentando dificuldades na indústria, no setor de energia, na produção de etanol, nos desmandos na Petrobras. Quando houve um plano econômico voltado para o progresso do Brasil e sua população? Educadores já falaram do atraso no preparo dos jovens. Médicos mostraram a precariedade alimentar das crianças.

Ficamos por baixo e agora enfrentamos a renhida competição global. O empresário Dimas Zanon é bem o exemplo da situação: a capacidade de produção da Difran, empresa que fundou em 1985, era de 300 mil peças por dia, e empregava 420 funcionários. Hoje são 130 funcionários para uma produção máxima de 100 mil peças. Segundo o empresário, boa parte dos problemas da indústria de autopeças se deve ao elevado custo Brasil e à "nefasta" política cambial, que tira a competitividade do produto nacional e abre espaço para peças vindas do exterior, especialmente da China.

O economista Delfim Netto, em artigo publicado no jornal Valor Econômico, esclareceu que “o uso exagerado da taxa de câmbio (e preços públicos) para controlar a inflação (que destruiu o setor de biocombustível e a Petrobras) roubou US$ 230 bilhões de demanda do setor manufatureiro entre 2010 e 2014, que foi substituído por importações. A indústria perdeu suas condições isonômicas de competição: uma carga tributária absurda, que é desonerada ficticiamente; a maior taxa de juros real do mundo; um custo de energia e insumos alto e crescente; um irracional sistema de tarifas efetivas; uma política comercial frouxa e prisioneira de compromissos regionais problemáticos; a ausência de um regime de "draw-back" verde e amarelo e, por último, e ainda mais importante, uma política cambial errática a serviço do combate à inflação”. Como recuperar o terreno perdido?

A sociedade tem vivido de uma forma lamentável e artificial, inventada pelo homem e seus interesses materiais, descuidando do real sentido da vida. Perdemos o conhecimento do que é natural; tudo passou a girar em torno do dinheiro, relegando tudo o mais a plano secundário, inclusive os valores humanos. A paz, o progresso e a alegria teriam de ser naturais numa existência dedicada à evolução da humanidade.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions