A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2017

18/08/2014 09:50

Reforma política e corrupção

Por Célio Pezza (*)

As reformas políticas necessárias ao Brasil vêm sendo discutidas há mais de 15 anos sem que a classe política chegue a um final. Isso porque não interessa ao político brasileiro uma reforma que possa dar um fim ao regime contraditório atual. Vejamos alguns itens dessa reforma:

Veja Mais
Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna
Sobre a liberação da venda de terras para estrangeiros no Brasil

Quantidade de partidos: Existem, atualmente, no Brasil 32 partidos registrados no TSE. Essa quantidade só serve para confundir o eleitor e fazer conchavos entre os partidos. No Japão, por exemplo, temos 03 partidos, na Suécia temos 07, no Canadá temos 05, na Itália tempos 08, na Alemanha temos 06 que fazem parte da Assembléia Parlamentar e mais 06 minoritários, nos EUA temos 02 maiores (Democratas e Republicanos) e mais 04 que concorrem para a Presidência, e assim por diante. Aqui, temos 32! Se perguntarmos a um candidato qualquer, duvido que ele saiba o nome de todos e quem é seu Presidente Nacional. O problema começa aí, na quantidade de partidos.
Continuando, temos o problema dos financiamentos das campanhas, que atualmente podem ser por recursos públicos e privados através de doações. Ora, uma doação de uma empresa significa corrupção, pois, no futuro, o dinheiro investido terá que retornar com muitas vantagens. O correto seria não mais ser permitido o uso de dinheiro de terceiros para as campanhas.

Fim do voto proporcional e implantação do voto distrital, onde o eleitor conhece o candidato. Os políticos que não querem o voto distrital são exatamente aqueles que não querem prestar contas à população.

Fim do foro privilegiado para políticos, pois, hoje, quando um político rouba do povo, entra numa fila enorme de julgamentos nos Tribunais Superiores (foro privilegiado) e acaba nem sendo julgado. Hoje, a média de julgamentos não chega a 5%. O resultado é que o político ladrão acaba saindo impune. Eles se acham como os reis de antigamente, onde nada acontecia contra eles.

Essa vergonhosa impunidade tem que acabar. Teríamos também que ampliar o Ficha Limpa, não só para candidatos, mas também para os que já estão eleitos e também para os dirigentes partidários, que movimentam milhões do Fundo Público dos Partidos, que é um dinheiro nosso, que o governo dá aos partidos a título de despesas de campanhas.

Temos também que cortar as mordomias de políticos, onde além das verbas extras para tudo, ainda contam com um batalhão de serviçais. Enfim, o combate à corrupção se inicia na mudança do modelo político do país.

(*) Célio Pezza é colunista, escritor e autor de diversos livros, entre eles: As Sete Portas, Ariane, A Palavra Perdida e o seu mais recente A Nova Terra - Recomeço. Saiba mais em www.facebook.com/celio.pezza

 

Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna
A estratégia permitiu que vitórias impossíveis pudessem acontecer ao longo da história. São vários os casos de pequenos exércitos vencerem batalhas c...
Sobre a liberação da venda de terras para estrangeiros no Brasil
Terra, capital e trabalho compõem a clássica tríade dos fatores de produção que embasam as análises e cálculos econômicos desde a Economia Política, ...
Inclusão bancária no Brasil
O sistema bancário brasileiro atravessa um momento de aceleração na prestação dos serviços bancários, resultado da estabilidade econômica dos últimos...
Como é saber escutar no mundo digital
A maioria das pessoas sabe ou pelo menos já leu em alguma mensagem que para se comunicar adequadamente é preciso aprender a escutar. Sim, escutar sem...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions