A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

24/06/2011 07:05

Representação política na democracia brasileira contemporânea

Por Eurico Antônio Gonzales Cursino dos Santos (*)

Nosso país debate hoje a crise de sua representação política. Muito são os diagnósticos, outras tantas as propostas de solução, mas o fato sobre o qual todos estão de acordo é o do distanciamento entre o eleitor e os seus representantes. Como reaproximá-los? A melhor solução, a meu ver, é partir da constatação de que nossas habilidades como eleitores estão sendo mal preparadas. Nosso treinamento para a democracia poderia, e deveria, ser muito melhor. Mas como?

A democracia, diferentemente da aristocracia (governo dos nobres) ou da hierocracia (governo dos religiosos), não pode ser aprendida com o estudo de doutrinas e o treinamento nos bancos escolares. Ela não é teórica. A democracia só pode ser aprendida na prática. Mas o voto que elege representantes (hoje sentido pela maioria dos eleitores como a emissão de um cheque em branco) não precisa ser a única prática democrática capaz de ensinar os brasileiros a guiar-se pelos meandros da democracia. Não.

O eleitor pode, e deve, ser chamado de modo regular (ou vai-se à escola apenas esporadicamente?) para decidir diretamente sobre questões públicas diversas (não apenas as muito decisivas e relevantes), de modo a sentir, na prática, o peso da responsabilidade das decisões de interesse público. Tal prática, e apenas ela, pode gerar o cidadão realmente competente, que sabe, por experiência própria, a dificuldade de produzir boas decisões e percebe, pela força da necessidade, que só bem formado e informado pode tomar decisões boas para si e para os outros. Note-se que a exclusividade da representação desonera o cidadão de aprender com a força da necessidade. Mau método...

É nesse sentido que argumento pelo uso mais freqüente, e, principalmente, sistemático, de institutos como o plebiscito e, com ainda melhor razão, o referendo.

Como é sabido, no plebiscito o eleitorado pronuncia-se antes da feitura, pelos representantes, da lei em questão. Não se foge muito da lógica do cheque em branco, embora haja um envolvimento mais sério e real com o processo. Mas no referendo o eleitor acompanha, via imprensa, toda a discussão, realizada por seus representantes, acerca do tema, mas quem decide, afinal, é ele. Ele não é mero espectador do debate, mas seu fiador último e, assim, interessado nele de outra maneira, muito mais consistente e densa.

Do mesmo modo, os debates, e a cobertura de imprensa, mudam de natureza. Os debates entre os representantes têm de ganhar outro padrão de clareza quanto aos fins e aos meios que se pretende utilizar, e a cobertura da imprensa deixa de ser a mera produção de notícias para transformar-se no veículo do debate entre os tomadores de decisões. De notícias vagas, para eleitores vagamente interessados, passa-se à imprescindível veiculação de subsídios para quem vai precisar acertar em sua decisão.

Mas, de qualquer forma, seja pela via do plebiscito, seja pela do referendo, a idéia que eu gostaria de defender aqui é a da necessidade de que nosso sistema democrático combine as práticas da representação política com as da participação política direta. A representação é imprescindível, pois os cidadãos precisam trabalhar e precisam de representantes que estudem os temas em profundidade, inclusive com o auxilio de especialistas. Mas é igualmente importante a prática da participação política direta, que envolve eleitores e representantes sob o mesmo status: o de tomadores de decisões públicas.

Deve-se notar que o que se propõe é, simultaneamente, um novo método para compor a totalidade das decisões políticas e uma pedagogia da democracia, desembocando ambos em um salto de qualidade na legitimidade de nossa sociedade política.

No mundo todo, cresce sem parar, desde os anos 1980, o uso de plebiscitos e referendos como instrumentos regulares dos processos políticos. E isso não precisa ser apenas no plano federal, mas pode ocorrer no plano estadual e, principalmente, no municipal. Não devemos procurar “escapar” à participação popular mais substantiva em nossos processos decisórios. Essa é uma maré montante e por sinal muito bem-vinda.

Estamos em um bom momento para discutir um desenho institucional que reúna eleitores e representantes em uma divisão do trabalho político, atribuindo a cada um funções mais aperfeiçoadas e que garantam não apenas boas decisões, mas decisões progressivamente melhores (a escola da democracia é a prática, e não é para aprimorar as capacidades das pessoas que servem as escolas?) e que gozem de um novo tipo de legitimidade, contemporâneo e voltado para o futuro.

(*) Eurico Antônio Gonzales Cursino dos Santos é professor do Departamento de Sociologia, da Universidade de Brasília e consultor legislativo (licenciado) do Senado Federal para a área de sistemas políticos e direitos da cidadania.

Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...
Embarque comprometido
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há quase dois anos vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Só e...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions