A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

08/11/2016 07:47

Rezas e simpatias populares

Por Heitor Freire (*)

O nosso imaginário é rico em crendices. Colocamos muito da nossa crença nas histórias populares ou lendas, e isso foi gradativamente enriquecido pelas culturas que aqui se homogeneizaram, como a cultura africana e a indígena.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

A religião entra como um elemento de grande relevância que assume o papel central das lendas populares, pois o apego à religião faz com que as coisas tenham um toque divino.

Como muito bem pontificou Shakespeare: “Há mais coisas entre o céu e a terra do que imagina a nossa vã filosofia”.

Não há nada mais fascinante do que as histórias populares. Além de serem simples e de grande contexto histórico, tais histórias remetem a um tempo onde o imaginário popular era comparável à crença antiga das forças divinas exercidas na natureza.

Aos meus 24 anos eu era totalmente cético: ou a coisa existia ou não. Não havia meio- termo. Até que o imponderável de souza se fez presente. Aconteceu assim: morávamos em Ponta Porã. A nossa filha número um, Valéria, então com 1 ano, teve disenteria e vômito. Levamos ela ao médico, que prescreveu a medicação para casos dessa espécie. Criança dessa idade se desidrata com muita rapidez.

A minha sogra disse que deveríamos levá-la a uma benzedeira. Eu fui contra. Do alto da minha “sabedoria”, aos 24 anos, determinei que o médico é que sabia o que deveríamos fazer e fui contra levá-la para benzedeira pois isso era superstição. Fui ao trabalho, no Banco do Brasil. Quando saí do banco, voltei para casa. Lá chegando encontrei a Valéria totalmente recuperada. Peguei-a no colo, agradecendo intimamente ao médico.

Aí então a Rosaria me contou o que havia acontecido. A dona Armanda, minha sogra, “seqüestrou” a Valéria e a levou a uma benzedeira que, com uma oração, curou a nossa menina. Ela estava com coalho virado (é fácil identificar esta situação: um pé fica encolhido, além, naturalmente, dos vômitos etc.) – que acontece quando os pais, irresponsavelmente, querendo fazer graça brincam de jogar a criança para o alto – isso só se resolve com benção.

Tive que me curvar à evidência dos fatos. A partir daí tornei-me fã e divulgador das benzedeiras. Como aprendi e confirmei a eficácia das “simpatias”, tenho no meu site (www.heitorfeire.com.br) uma seção de “Dicas” onde publico as que eu conheço e cuja eficácia confirmei.

Selecionei algumas: Contra cobra e animais peçonhentos, deve se repetir a frase: São Bento na pia, São Bento no altar, bicho mau baixa a cabeça, para “mim” passar. O pessoal de fazenda, antigos, conhecem e praticam.

Para não ser mordido por cachorro, deve se dizer assim: “Sán Roque, Sán Roque, mire tu perro que no me toque”. (em espanhol, que foi como eu aprendi, e posso testemunhar que funciona mesmo). O cachorro se afasta sem saber o que aconteceu.

Para objetos perdidos, repetir em voz alta: “São Longuinho, São Longuinho, me ajude a encontrar (aí se diz o que sumiu) que eu darei três pulinhos”. Ao encontrar o objeto perdido, deve-se dar mesmo os pulinhos, que é a maneira de agradecer. Simpatia para labirintite: Pegar 7 folhas verdes de mangueira e colocá-las dentro do travesseiro, na parte de baixo.

A cada dia, de manhã, verificar as folhas que perderam o verde, substituindo-as por outras novas. Repetir por: 7 dias. Ao fim do período, acaba a labirintite. Jogar as folhas remanescentes em um curso d’água.

Para trazer namorado de volta: Colocar uma menina de dois ou três anos embaixo de uma mesa, e fazê-la chamar o fujão: “Volta Fulano (Nome do namorado); Volta, Fulano; Volta, Fulano. A minha cunhada Isabel que o diga. Quando a criança não quer ou não pode urinar: Isso acontece porque existe um bloqueio físico ou mental.

A simpatia que eu conheço e que faziamos em casa com nossas filhas, consiste no seguinte: Levar a criança ao banheiro e fazê-la sentar no vaso. Em seguida abrir a torneira da pia, deixando a água escorrer. Em poucos momentos o xixi desce.

Como tirar cisco dos olhos: Fazer o pedido seguinte: “Santa Luzia passou por aqui com seu cavalinho comendo capim”. Repetir por três vezes. Ao mesmo tempo, passar a mão suavemente sobre o olho que tenha o cisco. “Yo no creo em brujarias, pero que las hay, hay”.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions