A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

21/05/2013 13:58

Setor elétrico: reclamar melhora o serviço?

Por Heitor Scalambrini Costa (*)

Segundo o mais recente relatório da Ouvidoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o número de reclamações de consumidores é o maior já registrado desde 2005, ano de criação da Ouvidoria. Lembrando que a responsabilidade pelo controle da qualidade do serviço de distribuição é do órgão regulador que, em princípio, conta com instrumentos que tanto podem penalizar como premiar as distribuidoras.

Veja Mais
Hoje eu me lembrei...
Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda

Entre as principais queixas, a que se refere à interrupção no fornecimento de energia dobrou em 2012, em relação a 2011. O que mostra claramente a ineficiência e a piora das concessionárias no atendimento e na qualidade dos serviços prestados a seus clientes.

Sem dúvida, recorrer à Ouvidoria da Aneel (telefone 167) é ainda um serviço pouco utilizado. Em 2012 foram feitas somente 84.720 reclamações, de um total de 72 milhões de unidades consumidoras. Para alguns, como resultado das informações repassadas à agência pelos reclamantes, usar mais a Ouvidoria poderia trazer benefícios ao consumidor com a melhoria da qualidade do serviço.

A ação cidadã de cobrar sempre por um melhor serviço, neste caso, essencial e muito caro, deve ser incentivada e facilitada à população. Todavia, é plenamente justificada esta pouca procura aos órgãos de controle e fiscalização pelo descrédito dessas entidades. Lamentavelmente, como resultado das reclamações, não tem acontecido a desejada melhoria do serviço. Reclamações têm aumentado nos últimos anos e os serviços, piorado.

A penalização das empresas, quando acontece, é sempre com anúncios bombásticos e midiáticos, com a aplicação de multas. Mas raramente executadas efetivamente, pois o recolhimento aos cofres públicos são protelados, com inúmeros meios jurídicos à disposição das companhias. Em contrapartida, os benefícios e a premiação das distribuidoras são constantes. Para este setor, o Brasil é o paraíso, um capitalismo sem risco, tais os benefícios que as empresas distribuidoras auferem.

Com contratos bastante favoráveis da época da privatização, as distribuidoras, em troca da remuneração do capital aplicado, teriam a obrigação de oferecer um serviço confiável e de qualidade. Mas nada disso está ocorrendo, como aponta o Índice Aneel de Satisfação do Consumidor (Iasc) divulgado no início do ano. Notas de 0 a 100 são dadas pelos consumidores das 63 empresas concessionárias de distribuição de eletricidade. Na média, a avaliação piorou, passando de 64,41, em 2011, para 61,51, em 2012.

Em Pernambuco, a situação local é um exemplo do que está acontecendo nacionalmente com relação à deterioração dos serviços elétricos prestados à população. Segundo o ranking Iasc, a Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) caiu da 4ª colocação, em 2011, para a 16ª, entre as 32 maiores empresas distribuidoras do país.

Deste o início deste ano, as interrupções no fornecimento elétrico, chamados de “apaguinhos”, tornaram-se constantes em todo o estado. O que levou a empresa a ser apelidada jocosamente de “vaga-lume”.

O mais preocupante para o usuário pernambucano foi a conclusão do recente relatório divulgado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) apontando a incapacidade (falta de infraestrutura e de pessoal) da Agência de Regulação de Pernambuco (Arpe) em fiscalizar e monitorar a Celpe. É um convênio com a Aneel que delega à Arpe a fiscalização e o monitoramento dos serviços elétricos prestados à população.

Mesmo o consumidor tendo acesso aos valores apurados e às metas dos indicadores de duração (DEC) e da frequência (FEC) das interrupções no fornecimento de eletricidade de sua residência, que vêm estampado na conta de luz, persistem inúmeras dúvidas sobre a eficácia desses instrumentos de controle de qualidade. Em Pernambuco, mesmo com o funcionamento “vaga-lume” da concessionária, tais índices são imutáveis, segundo reclamos informais.

Caberia, sim, a quem de direito, verificar por que as mudanças nos valores apurados para a duração e a frequência individual de interrupções não são representados na conta de luz, mesmo acontecendo naquele mês um aumento da duração e da frequência na falta de eletricidade em relação ao mês anterior.

O que está em jogo é a credibilidade de tais índices, que em última instância, permitiria ao consumidor ser ressarcido caso ultrapassassem as metas estipuladas pela Aneel.

Portanto, reclamar, teoricamente, ajudaria em muito melhorar o serviço público em geral, inclusive o fornecimento de eletricidade. Mas a questão é que o “buraco” é mais em baixo.

(*) Heitor Scalambrini Costa é professor da Universidade Federal de Pernambuco, graduado em Física, mestre em Ciências e Tecnologias Nucleares e doutor em Energética.

Hoje eu me lembrei...
Nestes tempos conturbados que estamos vivendo, em que muitos buscam um culpado para eximir-se de suas responsabilidades, em que nos esquecemos que no...
Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda
O ano começou com uma bomba relógio, que já ‘tic-tateava’ há muitos anos, explodindo. As rebeliões em presídios de todo o Brasil deixaram mais de 120...
Mais um ano difícil
A economia brasileira inicia 2017 com a combinação de otimismo moderado e preocupação. A perspectiva levemente otimista se fundamenta na expectativa ...
A atuação das empresas na era do talentismo
No atual cenário em que vivemos, com crise financeira em diversos países, catástrofes ambientais e diferenças sociais, engana-se quem acredita que es...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions