A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

20/09/2014 15:46

Sugestões para os novos governantes

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

O Brasil é campeão em número de partidos políticos, muitos dos quais geram evasão da responsabilidade, na medida em que cada um culpa o outro pelo atraso. Qual o compromisso dos candidatos com a melhora geral? Nossos pontos críticos: o secular descuido com as novas gerações; saneamento; atraso nas obras que foram mal planejadas, por vezes interrompidas. Impostos e taxas de juros escorchantes.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

A ausência de estadistas e a extravagância das taxas de juros já deram seus resultados. Somos os piores em saúde, educação, segurança, saneamento, infraestrutura. Com mais juros e menos estadistas, o Brasil acaba abrindo as portas para as palavras de Chico Xavier (1910-2002) sobre o retalhamento do país para potências estrangeiras, conforme a entrevista que o médium concedeu para a Folha Espírita, em 27 de dezembro de 1992, para o programa Portal de Luz da TV Aberta, que foi ao ar em junho de 2011.

Os burocratas têm demonstrado sua incompetência administrativa e falta de patriotismo, pois o que mais lhes interessa são as ambições pessoais e garantir a permanência no poder nas próximas eleições. Lamentavelmente acumulamos um grande atraso em muitos setores, sendo o mais dramático o da educação e preparo para a vida. Grande parcela da população não consegue ler e escrever corretamente, e, além disso, é carente em noções básicas de nutrição, higiene e saúde, e planejamento familiar. A balança comercial está deficitária com mais importações do que exportações. A taxa de juros é uma das maiores. Há tendência de que as remessas de lucros entrem num crescente. Haja dólares para atender a tudo isso.

Melhor seria reduzir a interferência do Estado, mas para isso as empresas deveriam ampliar sua participação nos programas de melhoria de condições gerais de vida, como algumas que já estão dando início a essa atividade, percebendo que além de buscar o lucro, elas também são responsáveis para contribuir com a inclusão e a sustentabilidade, dando destaque ao preparo das novas gerações a partir da primeira infância. As empresas globais precisam ter também o foco regional dentro de suas responsabilidades e governança.

O século 21 cristalizou as mais negativas tendências como a ganância egoística, individualismo, o apego aos valores materiais, intolerâncias, miopia, ânsia por dominar e sobressair, a falta de consideração e respeito, afetando profundamente as relações pessoais, os negócios e os governos nas mais acirradas competições. Tudo isso poderá levar a vida na Terra às mais caóticas condições na progressiva aceleração das consequências devido à falta de uma ética humana e ao desconhecimento da sequência lógica das leis naturais.

O raciocínio, produto do cérebro, se restringe ao espaço, tempo, matéria, por isso não consegue alcançar com visão plena a evolução da realidade mutável, nem identificar por que tudo está se aproximando dos limites críticos. Precisamos arejar a mente com a intuição desperta para compreender a origem dos erros, e saber como direcionar as transformações em andamento de forma construtiva, pois cada indivíduo e cada povo sempre colhem em conformidade com a espécie semeada.

Imprescindível reduzir impostos para quem produz. Reduzir a taxa de juros. Impedir desvios e desperdício do dinheiro público. Fortalecer a educação. Formar seres humanos de valor. Melhorar as condições gerais de vida, visando construir um Brasil forte e independente. Preservar a natureza e a sustentabilidade. Desenvolver planos para a paternidade responsável. Incentivar a melhor qualidade da programação da TV. Mais leitura, mais vocabulário, para que as novas gerações tenham clareza no pensar e raciocínio lúcido. Que os candidatos e partidos se disponham a isso.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions