A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

31/05/2016 09:19

Temer pode estar perdendo oportunidade histórica

Por Luiz Carlos Borges da Silveira (*)

O presidente Michel Temer tem a oportunidade de enriquecer seu currículo político e encerrar com mérito sua longa carreira de homem público. Pela situação do país em que ele foi chamado constitucionalmente a assumir e pela exiguidade de tempo, a tarefa é árdua, mas pode ser consagradora se a bom termo for conduzida.

Neste início de interinidade, que pode se tornar definitiva, percebe-se alguns equívocos capazes de deslustrar o final da vida pública de Temer e impedi-lo de deixar seu nome consolidado na história republicana do Brasil.

Temer deve ter plena consciência do que é preciso ser feito e da determinação que necessita para fazê-lo. Dar os primeiros passos e sinalizar vontade de mudar e de melhorar a situação é receita primária para conquistar credibilidade e conseguir adesão às medidas, projetos e programas, especialmente quanto às reformas que o país reclama. Precisa passar confiança e esperança na recuperação. A partir disto, a própria sociedade se encarregará de cobrar do Congresso o apoio necessário.

Infelizmente, o presidente não está dando demonstrações convincentes. Começou cedendo a pressões do Congresso e de partidos, inclusive o seu, para formação do gabinete ministerial, sendo compelido a nomear ministros e assessores do primeiro escalão com passado pouco ético, alguns citados, envolvidos e até denunciados por irregularidades na gestão pública e em investigações sobre corrupção.

O presidente tem declarado apoio à Lava Jato, que está passando o Brasil a limpo, porém ao engajar no governo políticos envolvidos ou investigados por essa mesma operação passa a impressão de que o discurso não é consistente. Esses assessores podem colocar Temer em situação constrangedora e ter de ficar se justificando.

Prova disso foi o episódio com o ministro Romero Jucá envolvendo, ainda que indiretamente, o nome do presidente em suposta articulação para enfraquecer a Operação Lava Jato a qual, para a população é um ícone na luta contra a corrupção. Tal fato compromete seriamente a credibilidade do governo, mesmo que proveniente de armadilha preparada por alguém de pouca ou nula credibilidade. O presidente revelou outras fraquezas políticas, como recuar na transformação do Ministério da Cultura em Secretaria e também ao aceitar que parlamentares definissem o nome do líder do governo na Câmara.

Quanto ao Ministério da Cultura, o presidente sucumbiu a pressões corporativas, quando deveria manter a decisão, até porque para tocar a política cultural não há necessidade de um Ministério. Países que desenvolvem políticas e projetos avançados, França e Alemanha, por exemplo, não têm ministério, apenas secretarias especiais. O governo deveria, isto sim, prestigiar o Ministério da Ciência e Tecnologia, de fundamental importância no atual contexto, pois esse é um terreno em que o país precisa avançar muito para sair do atraso.

E sobre a indicação do líder, não se concebe o presidente abdicar de sua prerrogativa, líder do governo é escolha do governo, não dos deputados. É responsabilidade do presidente que indica alguém de sua confiança, com trânsito no governo e bom relacionamento com as bancadas. O presidente acabou aceitando um aliado de Eduardo Cunha, o deputado André Moura (PSC-SE), praticamente imposto pelo grupo denominado “centrão” que é formado por parlamentares principalmente do PP, PR e PSD.

Até o momento, o destaque é a equipe econômica, integrada por experientes e competentes nomes da área, que já mostra sinais positivos, ainda que a economia brasileira seja extremamente problemática e onde resultados não aparecem de imediato.

Entendo que Michel Temer precisa adotar as medidas, ainda que amargas, discutir os projetos com transparência, cultivar o diálogo mas ser inflexível nos pontos mais sensíveis para a sociedade. Contar com apoio popular é ponto decisivo e a população tende a apoiar a partir da percepção de firmeza, de ética e de efetivas mudanças.

(*) Luiz Carlos Borges da Silveira é empresário, médico e professor. Foi ministro da Saúde e deputado federal.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions