A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

14/02/2013 14:46

Temporal no horizonte

Por Ruben Figueiró (*)

As recentes declarações do presidente do Banco Central, da presidente da Petrobras, ambas contraditadas pelo ministro da Fazenda, todas divulgadas pela mídia nacional no decorrer da semana passada, às vésperas dos festejos momísticos, provocaram perplexidade em amplos setores da opinião publica. Jogaram um balde de água fria não só para os carnavalescos, mas igualmente aos que preferiram aos momentos de descanso e da meditação.

Realmente, aquelas declarações de assustar aqueles que acreditavam que a situação econômica do País era aquela proclamada pelo ex-presidente Lula, o qual, tal como um leiloeiro do otimismo, vendia as maravilhas de seu governo, desconsiderando-a dos demais como “ uma herança maldita”. Agora, face a uma realidade nua e crua, nada obstante o esforço da atual presidente na tentativa reconhecida por todas de tapar o buraco negro, na economia, essa sim uma herança maquiavélica, exposta que está à luz solar.

Na era propriamente do ex-presidente, com seus maneirismos e voz rofenha, e ainda sob o impulso da criteriosa política de recuperação das finanças nacionais embasadas pelo venturoso e efetivo Plano Real – que jamais poderá ser olvidado pelo alcance econômico que proporcionou aos brasileiros – lançou-se uma voraz ação e andar antropofágico de gastança prodigas cujos resultados para os cofres públicos já estão à mostra.

Claro que aqueles dispêndios focalizados para a área social foram necessários e são saudados como politica resgatadora de uma divida com a cidadania, mas isso não poderá continuar a ser feito com a retração brutal nos investimentos, como vem ocorrendo . No restante, os brasileiros que pagaram para ver, desolados estão vendo e os mais radicais fecham os olhos...

Os jornais noticiam: o emprego na indústria recuou 1,4% em 2012, os salários tiveram uma queda de 2,3% o mercado de valores, termômetro que mede os humores dos investidores, está confuso diante da desorientação das autoridades de nossas finanças. A dívida da Petrobras, alertada com franqueza pela sua presidente, atitude inabitual pelos seus antecessores que, para agradar a presidência da República atendia tantas vezes absurdos pedidos de socorro ao caixa do governo ou as suas politicas vilipendiosas, isto com sacrifício as atividades vitais e estratégicas da própria empresa. E a ameaça do dragão famélico com a ameaça horripilante de atingir e ultrapassar as previsões do Banco Central de 6,5% do índice inflacionário!

O rosário de problemas que estão a desafiar o governo federal está dedilhando por ai afora, muito além de seus “cinco mistérios ”. Por tudo que se vê, ouve, e deles se medita, há não muito distante, até onde nossa vista alcança, nuvens cumulas nimbus densas estão prestes a desabar, trazendo com elas fortes ventos, turbulências de raios e trovões, como consequência. A realidade clama por precaução e mais eficiência.

(*) Ruben Figueiró é senador da República.

Chacina e colapso nas prisões brasileiras
Nestes poucos dias do Ano da graça de 2017, o Brasil e o Mundo viram estarrecidos o massacre brutal de cerca de pelo menos 134 detentos, dentro das p...
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions