A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

07/10/2013 09:59

Terceirização de TI: o governo como cliente

Por André Nascimento (*)

A terceirização de serviços de TI tem se mostrado uma tendência bastante vantajosa, especialmente para a Administração Pública. O Governo é um dos principais contratantes desses serviços, o que vem contribuindo para o fortalecimento desta prática nos demais setores da economia. Um dos principais benefícios da terceirização dos serviços de TI na Administração Pública diz respeito à possibilidade de transferir as atividades operacionais e permitir o foco nas atividades principais, visto que a TI é ainda é encarada como área de apoio na maior parte das entidades governamentais. Ao terceirizar as atividades de TI, o órgão transfere para uma empresa especializada essas funções, que serão mais bem executadas. O resultado é a melhoria na eficiência dos serviços prestados e também dos processos e atividades internos devido ao melhor suporte existente.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

O aspecto financeiro é, sem dúvida, outro atrativo, graças à possibilidade de redução de custos e previsão de gastos. Em um primeiro momento, a terceirização dos serviços dispensa o processo burocrático e de custo elevado que as regras legais exigem para contratação e manutenção de funcionários públicos. Em um segundo momento, as limitações legais impostas à Administração Pública permitem que o governo seja amplamente beneficiado pela exigência de planos, programas e projetos para a participação em licitações. Assim, são definidos escopo, tempo de execução e valor estimado investido, oferecendo uma previsão de custos oferecendo uma previsão mais assertiva de custos.

Outro aspecto é que os Órgãos Públicos possuem uma forte dependência de suporte de TI por tempo integral. A terceirização diminui os custos gerais de TI, em vez de manter a tempo integral de uma equipe interna de suporte. Isto porque a terceirização de serviços cobra apenas quando os serviços são prestados, reduzindo consideravelmente os custos de TI. Além disso, a empresa terceirizada traz mais competência e especialização na área, já que geralmente, nas equipes públicas, faltam a especialidade e a atualização exigida pelo mercado de TI, algo dificilmente acompanhado pelas estruturas governamentais.

A atuação no Governo, entretanto, tem alguns riscos e desafios, que começam desde o processo de contratação, que tende a ser bastante demorado e que nem sempre prioriza as empresas que têm maior vantagem e capacidade técnica para atender às demandas. Muitas vezes, os aspectos legais “democratizam” excessivamente a concorrência e a contratação falha em selecionar a empresa mais adequada. Outro desafio é a segurança e privacidade da informação. Ocorrências, tais como: roubo de informações, invasões de rede por terceiros, perda de dados etc. são comuns e por isso a relação contratual deve prever os aspectos legais que mitigam essas praticas.

Mas o serviço para o governo tende a ser beneficiado pela continuidade. Devido à regulamentação dos contratos públicos – tanto para iniciá-los quanto para terminá-los – o governo está sempre disposto a fazer contratações de médio e longo prazo, o que tende a beneficiar o serviço pela continuidade com que é realizado. Para isso, a empresa contratada precisa estar atenta às leis, normas e decretos e garantir uma prestação de serviços de qualidade. É preciso praticar preços compatíveis com as exigências estabelecidas nos editais, atender a todas as cláusulas contratuais e trabalhar sempre com variáveis de risco e reservas financeiras, para lidar com eventuais atrasos no repasse de orçamento, morosidade nos processos de aprovação, entre outros fatores. Mas, acima de tudo, é fundamental primar pela excelência e qualidade contínua dos serviços prestados.

Em suma, a terceirização de serviços de TI tem benefícios e riscos que são significativos. A terceirização como uma tendência na Administração Publica está sujeita a continuar, por conta principalmente da redução dos custos e uma economia significativa de tempo nos serviços e suporte de TI. O que os empresários e administradores públicos devem fazer é avaliar o que é mais importante para eles. Por exemplo, se para um Órgão o mais importante é manter o controle interno de todos os processos de negócios do que a economia de tempo e dinheiro na terceirização, então é melhor para ele fazer tudo internamente. Privacidade e segurança são fatores muito importantes, especialmente em algumas linhas de negócios. O desafio para os fornecedores é eliminar os riscos críticos, tais como segurança e privacidade para garantir que os clientes se sintam confortáveis a percebam os benefícios da terceirização.

(*) André Nascimento é diretor da eWave Gov, unidade de negócio da eWave do Brasil especializada no atendimento ao Governo.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Terceirizar é muito melhor. O problema é que no Brasil não dá certo porque sempre existem "cartas marcadas".
uma empresa especializada em 100% dos casos é maz capaz que ociosos e despreparados funcionários públicos. Além disso, caso a empresa não desempenhe um papel satisfatório, contrata-se outra no lugar. A empresa trabalha sempre em seu limite, pois senão perde o cliente. Já funcionário público todo mundo sabe né... além de não ser demitido, faz greve e trabalha a passos de tartaruga.
Seria uma ótima solução para resolver o câncer que é o funcionalismo público e melhorar a qualidade dos serviços. Só que em nosso país não funciona.. porque sempre tem alguma "mutreta"....
 
Mayko Franceschi em 07/10/2013 16:03:23
Ao invés de terceirizar, pode-se ter um departamento ou instituição dedicada à TI, mantendo o "foco nas atividades principais". Assim "o órgão transfere para uma " entidade especializada essas funções.
O "aspecto financeiro" dificilmente será vantajoso quando terceirizado, pois a empresa visará o lucro. Terceirizar TI valerá apenas para pequenas empresas.
Na prática, vemos a terceirização de serviços ao poder publico como uma oportunidade para lavagem de dinheiro.
É válido entender o ponto de vista de quem defende esta modalidade, afinal deve defender seus interesses e própria sobrevivência.
 
Romeu Luitz em 07/10/2013 14:18:29
Tenho que discordar completamente com o empresário que apenas "quer vender seu peixe", já está provado nas instancias dos tribunais de contas que a prática de terceirização das atividades , ou serviços de T.I devem ser realizadas pelas entidades públicas que possuem tais imcubências, um exemplo é o próprio SERPRO, o grande problema da terceiziração de tais atividades é a dificuldade de identificar tais serviços prestados, o governo em geral não possui métodos eficiêntes para tal além da falta de transparência dos contratos que são firmados. "Ao terceirizar as atividades de TI, o órgão transfere para uma empresa especializada essas funções, que serão mais bem executadas.", isso é falácia de empresário.
 
robson torraca em 07/10/2013 13:11:17
Tendo a discordar parcialmente... muitas vezes terceirizar é mais barato, principalmente terceirizar atividades que não são as principais de determinada entidade. Mas terceirizar em geral tem custo mais alto, pois a empresa prestadora de serviços procura lucrar, e este lucro é pago, obviamente, pela contratante do serviço. É como comprar um carro ou alugar um. Se usar muito o serviço, melhor fazer em casa, com funcionário proprio. Se só precisar, de vez em quanto um serviço grande com TI, enquanto no resto do tempo os funcionários ficariam ociosos, melhor terceirizar.
O governo licitando serviços pode acabar sendo melhor, em função das vantagens relacionadas na materia, mas licitação frequentemente envolve corrupção e altos gastos com processos, além de lentidão; não sempre é vantajoso.
 
Marcos da Silva em 07/10/2013 11:49:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions