A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

07/12/2013 09:28

Teremos um Mandela em Mato Grosso do Sul?

Por rido M. Chaves (*)

Morre Nelson Mandela, que passou para a história muito antes de seu falecimento, pela mensagem de superação de ódios e conflitos que sua conduta política marcou. Após décadas de militância contra um regime odiento e cruel que oprimia seu povo, tendo inclusive pego em armas, amargou 27 anos de prisão. Liberto, com carisma único, uniu sua Nação, quando eleito presidente num pleito democrático. Superou magoas pessoais e coletivos como apenas santos homens poderiam fazê-lo.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

Pudera que sua mensagem de vida como promotor de paz e união chegasse em nosso triste Brasil e desalentado MS onde um Estado brasileiro plantou e cultivou um conflito étnico que nos desune e envergonha. Refiro-me, leitor, ao dito “conflito indígena”, onde índios e não-índios se tornaram buchas-de-canhão, peças impotentes num jogo imoral em que a Nação é vitima.

Povos indígenas são vitimas porque perderam seus espaços diante do avanço de outros povos e culturas mais avançadas, inclusive militarmente, e que não eram nômades. Vitimas novamente porque abandonados á própria sorte pelo Estado e governos, disso resultando degradação da família, saúde, alta criminalidade, despreparo para o trabalho digno. Os não-índios são vitimas porque foram trazidos pelo Império e pela Republica, para povoar e guardar fronteiras.

Acreditaram, compraram, pagaram, produziram, criaram uma civilização com povos de todos os quadrantes. São vitimas, digo, porque neste momento são tratados como bandidos por uns e jogados numa guerra “inventada pelo Estado”, numa aparente irresponsabilidade. Aparente porque, além de não apresentar nenhuma solução justa para as partes postas em conflito, a Funai, o Ministério da Justiça, o MPF, permitem que entidades perversas e grupos ideológicos manipulem o imaginário indígena, nele incutindo a idéia de que aqueles que compraram terras autorizados ou do próprio Estado, são bandidos ou coisa pior.

O MPF assina embaixo de um conceito de “retomada”, que acaba instituindo violência do bem e violência do mal , onde invasões, saques, furtos, incêndios parecem ser validados, porque são impunes e não coibidos pelo Estado. Entretanto, se o que se passa envergonha e repugna qual quer brasileiro “normótico”, é motivo de regozijo e sentimento de triunfo para aqueles que acreditam ainda que “o conflito é o motor da história” e que a promoção do ódio seria o grande instrumento da “marcha da história para o socialismo”, expressões que usam lá entre eles. Só se for “marcha à ré”, mas a realidade do fracasso socialista no mundo que dominou, pouco importa.

Vale o sentimento de poder ao manipular almas simples, mentir, promover insegurança jurídica num setor que salva a Nação, poder de expulsar famílias e mentir o que quer e como quer. A grande mentira desses perversos, caro leitor, é difundir para a nação e o mundo que a mortandade de índios entre eles próprios, geralmente devido a cachaça e droga, se deveria a conflitos por terras. Lamentavelmente, entidades religiosas se aliam nessa promoção infamante e impatriótica contra MS.

Como está faltando um Nelson Mandela entre nós, dentre aqueles que, no poder, poderiam selar a paz e solidificar o progresso. Mas como disse o sambista: “quem nasceu prá Messalina, por mais que se arrependa, nunca chega a Madalena!”... Nesse contexto, aos que cumprem a lei e trabalham com dignidade, só cabe resistir.

(*) Valfrido M. Chaves é psicanalista e pós graduado em Politica e Estratégia.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



a comunidade indígena deve ser atendida assim como todos os Brasileiros deste País, a forma como o Governo Federal decidiu fazer é que está totalmente contra todas as regras de civilidade, ordem ou justiça uma vez que continua permitindo invasões indígenas, impedindo reintegrações de posse,e dando uma de "inocente"com relação a indenizações de propriedades. QUEM FICA EM CIMA DO MURO COMO DISSE O MOKA OU É CACO DE VIDRO OU GATO LADRÃO.
 
Miriam Correa em 08/12/2013 17:50:21
Concordo com vc amigo,que explicita com muita propriedade a manipulação dos nossos indígenas. Antes desse processo de manipulação, que interessa a alguns grupos,fazendeiros e indígenas viviam em harmonia. Depois que acabaram com a ordem jurídica, que esta muito clara em nossa constituição , em que invasões e depredações deixaram de ser atos criminosos, é que estamos vivenciando o fim da paz no campo e a insegurança daqueles que trabalham para dar de comer à Nação. . O fazendeiro que sempre enfrentou enormes sacrifícios por falta de infraestrutura adequada(por sinal uma obrigação do governo fornecer),de produtor de repente passou a ser visto como o contraventor. Lamentável essa situação. Realmente,estão ,faltando Mandela e outros líderes que sempre dedicaram sua vida ao bem comum.
 
Rosemary Nunes da Cunha em 08/12/2013 17:49:39
Tachar invasão de terras de retomada e a defesa do direito de propriedade de ato ilícito é, no mínimo, uma desonestidade intelectual muito grande,chega ser maquiavélico....
Isto não é democracia!!
 
gladis alaia em 07/12/2013 11:10:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions