A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

28/06/2014 13:04

TI no varejo: independência e integração

Por Carlênio Castelo Branco (*)

Peculiaridades todos os segmentos de mercado têm. Entretanto, o que mais sente os impactos das variáveis econômicas e sociais, conta com mais competitividade, dinamicidade, velocidade e exigência de bom atendimento é o varejo.

Sempre suscetível às variações mercadológicas, o volume de vendas no varejo responde de maneira relativamente rápida às mudanças na conjuntura macroeconômica e nos indicadores mais diretos de renda dos consumidores. Datas comemorativas, grandes eventos, mudanças climáticas, cultura... Inúmeros são os fatores que interferem na dinâmica do segmento e a garantia de uma operação estável é essencial para sua sobrevivência.

O varejo é um dos segmentos que tem as mais diferentes necessidades do mercado e, por isso, merece atenção especial. Implantar sistemas de gestão em empresas varejistas é um desafio e as companhias de TI têm de incluir todas as peculiaridades do segmento em seus softwares para que as rotinas tenham agilidade e para que as empresas ganhem ainda mais competitividade.

Um bom sistema de gestão permite aos gestores dedicação ao negócio ofertando variedade e colocando os produtos no momento e no lugar que os clientes desejam, sem se distanciar das tendências de comportamento e consumo que exigem decisões cada vez mais velozes e certeiras. Ao gerenciar os processos administrativos com precisão e flexibilidade, a TI pode, ajudar os varejistas a melhor entender o comportamento dos clientes – o que eles compram, quando, como e por quê o fazem, e onde, em que canal – dentro e fora da loja.

O varejo é um ambiente muito rico e há espaço para muitos fornecedores mostrarem seus conhecimentos e contribuírem com uma integração de dados nunca antes vista na história. Big Data já é realidade e nossas experiências tornam-se cada vez mais globais, multicanais e digitais.

A cadeia de suprimentos no setor de varejo está mudando rapidamente aonde a reciprocidade de informações com os parceiros, o compromisso e a confiança conduzem as organizações a pensarem estrategicamente em maximizar o seu retorno por meio da compatibilidade de interesses e monitoramento conjunto das tendências de mercado. Ocorre a quebra das fronteiras organizacionais, onde o fornecedor desenvolve não apenas relações comerciais de compra e venda, mas torna-se agente de ampliação do portfólio de produtos e serviços na cadeia de suprimentos, tornando-se mais dinâmico.

Todas essas peculiaridades do segmento apenas direcionam nossos olhares ainda mais ao cliente. Seja para incrementar a produtividade, agilizar processos ou criar novas oportunidades de negócios, nenhuma tecnologia será plena se não melhorar a experiência de compra, dar conveniência e surpreender e encantar o cliente.

(*) por Carlênio Castelo Branco, CEO da Senior

Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...
Previdência Social: verdades e mentira
Com a reforma da Previdência, e já que acabaram com o Ministério da Previdência, vários ministros dispararam versões sobre o tema, mas como não sabem...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions