A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

16/02/2014 10:28

Transporte Público no Brasil: Agressão, desrespeito, humilhação!

Fábio Trad (*)

Números e estatísticas não podem medir desrespeito e humilhações. Mesmo assim, neste caso, alguns números, ainda que não definam as proporções do drama cotidiano de milhões de pessoas, referem algumas dimensões da caótica situação do transporte público no Brasil.

Os sistemas degradados de transporte público nas nove maiores regiões metropolitanas do País drenam nada menos que 2,5% do Produto Interno Bruto, ao impor a 16 milhões de trabalhadores, tempo médio de uma hora e 22 minutos por dia em condução geralmente de péssima qualidade.

No Rio, segundo a Federação das Indústrias, Firjan, os prejuízos anuais com engarrafamentos chegam a 27 bilhões de reais, dinheiro que daria para construir a linha quatro do Metrô Rio, entre Ipanema e Barra da Tijuca.

No vexatório ranking das dez cidades com trânsito mais caótico do planeta, o Brasil emplaca o terceiro lugar, com o Rio, e o sétimo, com São Paulo.

O placar torna-se ainda mais ameaçador quando a Organização Mundial de Saúde informa que seis milhões de pessoas morrem por ano, vitimas da poluição severamente agravada pelo trânsito caótico.

Todos esses números, e quantos mais se enfileirassem aqui, não dariam conta da degradação do transporte público no Brasil. E, menos ainda, da atrocidade contínua, quotidiana, que o poder público comete contra milhões de trabalhadores brasileiros. Como dissemos, humilhação e desrespeito não se podem quantificar por números.

A deterioração dos transportes públicos no Brasil, há muito tempo deixou de ser um ‘privilégio às avessas’ das grandes regiões metropolitanas, alcançando, em metástase, até mesmo cidades médias.

Muito mais do que os números, as imagens de recentes reportagens expuseram o drama sem fim de milhões de trabalhadoras e trabalhadores submetidos à degradante condição de manada, pela disputa insana de um lugar em uma condução - que só merece tal nome porque, tracionada por improvável motor, leva suas ‘vítimas’ de um a outro ponto. Isso quando não emperra no trajeto.

Não é possível que se perpetue esse trágico espetáculo de barbárie a que são submetidos milhões de trabalhadoras e trabalhadores todos os dias, ao se atirarem, com o risco da própria vida, em busca de uma chance de chegar ao trabalho.

Impor a esses milhões de brasileiros a perversa pena quotidiana de humilhação por uma chance de serem arrastados até o trabalho, e agregar-lhes o castigo de trabalharem todo o dia sob a tensa expectativa da fatídica volta pra casa, constitui uma ignomínia, uma violentação humana e social de que o governo, em todas as instâncias, não tem como se isentar.

A caótica situação do transporte é apenas a parte mais flagrante, desumana e cruel da degradação progressiva dos serviços públicos essenciais.

As dezenas de milhões de usuários-reféns do transporte público esperam que o governo libere, sem demora, o trem da sensatez e do respeito à dignidade individual dos brasileiros.

*Fábio Trad é advogado e deputado federal pelo PMDB

 

Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...
Previdência Social: verdades e mentira
Com a reforma da Previdência, e já que acabaram com o Ministério da Previdência, vários ministros dispararam versões sobre o tema, mas como não sabem...



Parabéns!!
 
gladis alaia em 16/02/2014 17:50:48
Podemos dizer que o nível de evolução de um País se mede tambem pela forma como investe ou não em transporte coletivo? É triste ouvir tantas pessoas em Campo Grande comemorando a compra de uma moto para fugir da lentidão e desconforto dos ônibus coletivos. Ir de ônibus parece coisa de quem é pobre. A frota também não acompanha o calor da cidade, somos cozidos nos ônibus lotados. Os funcionários não sao treinados para bem atender, falta informação, falta habilidade em lidar com o público (não desmerecendo o bom humor de muitos motoristas que tentam fazer o melhor). Enfim... falta excelência e vontade de fazê-la. Que pena!!! TOMARA QUE TENHAMOS O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPORTE E TRANSITO, aprovado na Câmara, ativo em breve. Precisamos de boa vontade, eu também não suporto mais.
 
Elânio Rodrigues em 16/02/2014 11:05:44
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions