A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

22/12/2013 15:39

TV paga, como conhecemos hoje, estará morta até 2025

Mark Sullivan

Olhe para a tela da sua TV. Imagine que você está assistindo à cobertura do Emmy Awards de 2025 e absolutamente nada parece familiar - a menos que você se lembre de um momento crucial da versão 2013 do maior espetáculo de premiação da TV.

Veja Mais
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Um galo para Asclepius

Victory Kinsky e Mia Hyndrix, as mulheres mais faladas de 2025, passam pelo tapete vermelho com uma orquestrada indiferença. Elas estão representando a popular série Harlot, da Amazon Prime. Martin Henry, por sua vez, não pode esconder a sua alegria por ter sido nomeado para Melhor Ator Masculino do reality show Meat House, do YouTube. Executivos da Verizon também estão na cerimônia, alinhados em smokings para ver se Charlotte Wisk vai ganhar um Emmy por seu especial de comédia "O cão de duas cabeças".

Enquanto isso, os telespectadores com memórias longas perguntam uns aos outros: "como chegamos aqui em tão pouco tempo?"

O que possivelmente poderia acontecer entre agora e 2025 para transformar serviços como Netflix e Amazon nos jogadores mais poderosos do mundo na terra da televisão - e as maiores redes atuais em meros coadjuvantes?

Depois de receber 14 indicações ao Emmy em setembro, o Netflix levou para casa apenas um grande prêmio - um de extrema importância, que marca a primeira vez que uma série que talvez nunca apareça na televisão foi premiada com um Emmy.

Como disse o chefe de conteúdo do Netflix, Ted Sarandos: “Estamos levando a próxima grande onda de mudança no meio da TV".

Da Internet ao estrelato

A Internet TV está evoluindo rapidamente - mais que a TV a cabo nos seus melhores dias. Grande parte desse crescimento se deve a séries originais como Orange is the New Black e House of Cards.

Em 1988, quando o Emmy começou a aceitar a candidatura de séries da TV fechada, serviços de TV a cabo ganharam 40 milhões de novos assinantes. Mas nenhuma série desse ramo havia sido premiada até 1999, com a Família Soprano - nesse ponto quase 50 milhões de pessoas tinham TV a cabo em casa.

Agora, voltando à Internet TV. Quando séries foram aceitas no Emmy em 2008, o Netflix tinha cerca de 3 milhões de clientes. Em 2013, House of Cards ganhou o prêmio de melhor direção por David Fincher - ou seja, o que a TV a cabo demorou 11 anos para fazer, o Netflix fez em cinco.

Tradicionalmente, os serviços de streaming de vídeo têm se concentrado principalmente em oferecer conteúdo de Hollywood de alto nível. Mas agora, nessa nova fase, o foco está se deslocando em direção a fornecer conteúdo original. "A fase em que tudo o que fizeram foi alcançar a uma massa crítica de assinantes acabou", diz Albert Lai, diretor de tecnologia da plataforma de vídeo online Brightcove. "Com a troca para uma programação original é quando os vemos começando a agitar as coisas na indústria."

O Netflix tem funcionado como se fosse uma rede de Hollywood há algum tempo. Na sua declaração a investidores, a empresa se refere a si mesma como "rede de filmes e séries de TV." E muitos ficaram chocados quando a empresa comprou duas temporadas de House of Cards por 100 milhões de dólares - e por uma boa razão. "O Netflix superestimou House of Cards. Isso por si só pode ou não ser sustentável", diz o analista de entretenimento digital da IDC Greg Ireland.

Mas Ted Sarandos foi muito claro sobre seu desejo de fazer uma grande entrada como um novo tipo de comprador de conteúdo - e provou isso pagando o preço pedido por talentos de nível do Oscar de atores, produção e direção.

De qualquer forma, 14 indicações ao Emmy e uma vitória dá um brilho de credibilidade e certamente irá incentivar o Netflix e outros provedores de conteúdo a oferecerem mais programas originais no futuro. A própria empresa já anunciou que pretende dobrar seu volume de conteúdo original que irá transmitir no próximo ano.

Com jogadores como Netflix e Amazon em cena, tradicionais meios de produção de séries se tornam menos relevantes.

Números crescentes

Será que as empresas de streaming de conteúdo provaram outra coisa senão que podem superar as redes tradicionais? Há algo sobre a Internet TV que tanto consumidores quanto estabelecimentos de Hollywood preferem em vez da tradicional programação na TV? Os números parecem sugerir que sim.

O Netflix tem 100 milhões de assinantes, 30% deles nos EUA. A Apple vendeu 13 milhões de aparelhos Apple TV. Compare isso com os operadores de TV à cabo. A maior delas, a Comcast, não tem mais de 22 milhões de assinantes. Todas as operadores de TV por assinatura combinadas têm cerca de 95 milhões de assinantes.

O começo do fim da TV programada e linear chegará quando os jogadores de Internet tiverem assinantes demais para os detentores de direitos de conteúdo ignorarem, diz Lai. Quando isso acontecer - e pode acontecer mais rapidamente do que muitas pessoas esperam, os proprietários de conteúdo começarão a quebrar seus acordos de conteúdo exclusivo com as operadoras de TV paga.

Ireland, da IDC, acredita que chegaremos ao ponto em que as pessoas vão ter que escolher entre TV por assinatura e assinar vídeos online. "Você vai ter um monte de consumidores decidindo se Orange is the New Black ou House of Cards supera Game of Thrones e Breaking Bad", diz Ireland . "Eles comprarão um ou outro, mas não ambos. Eles podem decidir que os shows da Netflix são mais importantes, mas depois podem assistir a todos os shows e voltar para a TV à cabo."

Na ausência de seu tradicional monopólio sobre o conteúdo premium da TV, empresas de cabo e de satélite não terão muito mais com que atrair novos assinantes ou manter os já existentes. Os custos de conteúdo são altos, e empresas como a Comcast e Time Warner Cable devem passar esses custos para os clientes para obter lucro. Quando o consumidor pode conseguir muito do mesmo conteúdo na Web, o fim deve ficar bem mais próximo.

Por que a TV online destruirá o cabo

A principal razão é simples: as pessoas querem poder escolher o que assistir e não ficarem presas à uma programação rígida.

Os anunciantes também estão motivados a apoiar o conteúdo por streaming. Ao contrário de radiodifusão e TV a cabo, streaming de vídeo é relativamente fácil de quantificar. Um serviço como o Netflix, por exemplo, pode fornecer aos anunciantes números precisos sobre os tamanhos e demografia do público espectador.

Empresas de streaming de mídia também devem se beneficiar da popularidade selvagem de séries. Na verdade, o conteúdo de TV que mais amamos simplesmente funciona melhor em plataformas de TV streaming.

Pense nisso: o drama moderno é um programa de TV com uma série de episódios vagamente conectados, é um filme de 13 horas dividido em 13 segmentos de uma hora de duração. Esse modelo é perfeito para quem gosta de histórias conectadas e nada facilita melhor esse tipo de visualização que o Netflix.

De acordo com um relatório da Nielsen no mês passado, 88% dos membros da Netflix e 70% dos do Hulu Plus dizem terem assistido a três ou mais episódios do mesmo programa de TV em um único dia.

Os proprietários de conteúdo dão o tom

Migração da TV para a Internet é fundamentalmente uma questão de evolução, não revolução. Os proprietários de conteúdo continuarão a restringir rigorosamente a maneira como o conteúdo de TV pode ser distribuído e consumido, até que isso não faça mais sentido - financeiramente falando.

Os proprietários de conteúdos e seus distribuidores exclusivos (cabo, satélite e telecomunicações) pegaram uma grande fatia dos nossos contracheques mensais para si. Durante a próxima década, como a mudança da distribuição a partir de plataformas tradicionais para plataformas de streaming, os proprietários de conteúdo irão garantir que eles recebam a sua quota usual desse dinheiro.

Se as empresas de cabo e satélite forem forçadas a sair do negócio de compra e distribuição de conteúdo, elas naturalmente voltarão ao negócio de operar redes de banda larga. Eles são, afinal, o serviço postal que entrega de conteúdo via streaming e cobra tanto remetentes (Netflix e outros) quanto destinatários (consumidores) para realizar transmissões de vídeo em tablets, notebooks e TVs na sala de estar.

Quando a TV exibe um fluxo em nossas casas por meio de um tubo de banda larga em vez de um cabo, o serviço pode vir com um "mecanismo de sugestão" em vez de um "guia de programação", e as marcas nos dispositivos podem ser diferentes. Mas vamos certamente pagar cada bocado pelo conteúdo, como fazemos hoje - se não mais.

*Mark Sullivan, da TechHive.com

Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...



A tá...! Não nesse Brasil Capitalista!
 
Eduardo Semir em 22/12/2013 16:36:29
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions