A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

05/09/2016 10:31

Um novo Refis

Por Robson Braga de Andrade (*)

Ainda sentindo as graves consequências da mais profunda e longa recessão da nossa história republicana, as empresas brasileiras lutam para recuperar sua capacidade operacional e financeira. Uma das medidas importantes que o governo deve adotar para ajudar a volta da atividade econômica à normalidade é a instituição de um novo Refis, programa que permite o parcelamento das dívidas tributárias.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Os efeitos da crise econômica se somaram a um problema de caráter estrutural no país: o prazo para o recolhimento tributário é muito curto. Isso leva as empresas a tomarem recursos nos bancos, em linhas de capital de giro, para pagar impostos. No Brasil, indústrias, comércios e serviços precisam contrair dívidas bancárias para não ficarem inadimplentes com o Fisco. É uma situação surreal. Ninguém atrasa impostos porque quer.

Quem não está pagando é porque não tem recursos para fazê-lo, não tem opção. Com a retração do consumo, o faturamento caiu drasticamente, o que provocou sérios problemas de caixa. Se deixar de honrar compromissos fixos, como os salários dos funcionários, a empresa fecha as portas. Esgotadas as negociações com fornecedores, às vezes, ela acaba sendo forçada a postergar o recolhimento dos tributos.

A equipe econômica precisa compreender as adversidades que o setor produtivo enfrenta há mais de dois anos. Se aceitou os argumentos de governadores e concedeu um prazo maior para o pagamento de dívidas com a União, numa renegociação que incluiu até meses de carência, muito mais razão tem para estender esse tipo de benefício às empresas. Sem uma folga, será difícil voltar a crescer e a criar empregos.

A instituição de um novo Refis permitirá que as empresas zerem seus passivos tributários e normalizem os pagamentos mensais. Com a regularização da condição fiscal, poderão produzir mais e participar de licitações. Quem, porventura, não está pagando voltará a recolher Entra-se num círculo virtuoso, em que o governo só tem a ganhar, pois a arrecadação aumentará de maneira natural. Não é verdade, portanto, que o Refis reduza as receitas públicas. Ao contrário, ele favorece seu aumento.

No contexto de cinco ações emergenciais para ajudar o país a sair da crise, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) apresentou ao governo a proposta de um novo Refis, com o pagamento de parcelas calculadas a partir de um percentual sobre a receita bruta do mês anterior. Esse valor poderia variar entre 0,3% e 1,5%, dependendo do porte da empresa. A correção do débito consolidado deveria ser pela Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP). Além disso, é preciso autorizar a liquidação total ou parcial das dívidas a partir da compensação de créditos tributários. O programa deveria ser complementado pela ampliação do prazo de recolhimento dos tributos, tomando-o mais adequado à realidade das finanças das empresas. O esforço não pode se restringir ao âmbito federal.

Não adianta solucionar os débitos com a União sem equacionar as dívidas com os governos estaduais e municipais. Em tempos de crise aguda, há dificuldades para pagar todos os tributos. O ideal, portanto, seria desenhar um grande programa de parcelamento abrangendo as três esferas governamentais.

O setor público precisa adotar medidas firmes que facilitem a recuperação das empresas brasileiras. Um novo Refis, que regularize a vida fiscal de quem cria empregos, será essencial para o país superar a recessão e voltar a crescer.

(*) Robson Braga de Andrade é presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria)

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions