A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

30/10/2014 09:56

Uma inspiração para tempos difíceis

Por Ruy Martins Altenfelder Silva (*)

“Do que a educação necessita

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

para atingir o patamar de
qualidade desejável, é de
ética no trato da coisa pública,
competência na gestão e
olhar vigilante da sociedade”

Numa perniciosa inversão de valores, nos dias atuais o professor – antes uma figura respeitada pela sociedade – passou até a ser agredido por alunos, questionado por pais e não amparado na medida necessária pelos governos. Um dos resultados é o desprezo dos jovens pelo magistério. Uma prova? Entre 2012 e 2013, houve uma queda de 22 mil concluintes nos cursos de licenciatura, segundo o Censo do Ensino Superior. Como consequência, centenas de escolas do ensino básico continuarão sem professores para disciplinas estratégicas, como matemática, física, química e português, entre outras.

Dois recentes editoriais do Estadão colocam o dedo na ferida, ao afirmar que a má qualidade do ensino não se deve à propalada escassez de recursos. Segundo dados do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), de 2007 a 2013 o repasse de verbas saltou de R$ 67 bilhões para R$ 116 bilhões, para pagamento dos professores, compra de equipamentos e manutenção das atividades básicas, como transporte e merenda. Além da má gestão, tais recursos também são alvo de corrupção, pois a Controladoria Geral da União aponta desvios de verbas em 73% dos 180 municípios fiscalizados.

Como o número de alunos não cresce na mesma proporção do repasse de verbas, é razoável inferir que aumentou o gasto por aluno. Só que, como mostram os péssimos indicadores nacionais e internacionais, a qualidade vem subindo, na média geral, a passos de tartaruga. Do que a educação necessita, de verdade, para atingir o patamar de qualidade desejável, é de ética no trato da coisa pública, de competência na gestão e de olhar vigilante da sociedade (até agora quase ausente).

Essas reflexões surgem quando nos debruçamos sobre a biografia do Professor Emérito 2014 – Troféu Guerreiro da Educação – Ruy Mesquita, detalhada nas págs. 4 e 5. Entre outros méritos, José Goldemberg teve gestão produtiva na reitoria da Universidade de São Paulo (USP); à frente dos ministérios da Educação e do Meio Ambiente e da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo; e desempenhou papel destacado na fundação do Instituto de Física, estando hoje alocado no Instituto de Energia e Ambiente, onde ainda atua, aos 86 anos, como orientador de novas gerações de mestres e pesquisadores desses estratégicos ramos da ciência. Como se vê, uma trajetória exemplar para inspirar os professores do Brasil, também homenageados com a outorga do prêmio a José Goldemberg.

(*) Ruy Martins Altenfelder Silva é presidente do Conselho de Administração do CIEE e da Academia Paulista de Letras Jurídicas (APLJ).

 

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions