A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

10/05/2013 15:56

Vaias conscientes: recado dado!!!

Luana Ruiz Silva (*)

Foi publicado, na Folha de São Paulo de 3 de maio de 2013, artigo da ex-senadora Marina Silva intitulado “Vaia ensaiada”, no qual ela comenta o episódio ocorrido em Campo Grande quandoa presidente Dilma foi vaiada por ruralistas em Mato Grosso do Sul que protestavam contra a demarcação de terra indígena no Estado.

Veja Mais
A aviação e suas regras
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos

A ex-senadora vai além, e conclui que o governo não demarcou nenhuma terra indígena em MS, apenas publicou, no início do ano, a identificação (etapa preliminar, distante da homologação) de uma área guarani-kaiowá.

Ex-senadora, aplaudo e compartilho com sua irresignaçãodiante movimentos, vaias e berros que pregam o injusto embate à concretização do direito territorial indígena consagrado pela Constituição Federal. Reconheço que o Estado não pode se omitir diante massacres e atrocidades contra os povos indígenas.

Sou ruralista, filha, neta, bisneta de produtores rurais, passei minha infância na fazenda correndo de pés descalços, me reconheço enquanto pecuarista, com muito honra e dignidade, e dependo do meu trabalho para garantir minha subsistência. Não tenho uma vida mansa, nem fácil, mas lhe admiro pois nada mansa e nada fácil acredito ter sido a vida no Breu Velho, no seringal Bagaço, no Acre.

Assim, prezada Marina Silva, nossas convicções, anseios, sonhos e realidades, minhas e suas, trazem arraigadas as trajetórias que traçamos em nossas vidas. No entanto, a senhora, como legítima representante da sociedade que foi nos mandatos que assumiu, há de buscar informações concretas, conhecimento fático e sabedoria material para que possa, alheia aos juízos de valores íntimos e subjetivos, criticar com legitimidade a luta de cidadãos brasileiros honestos, honrados e dignos como são todos os sul-mato-grossenses e paranaenses que vaiaram a Presidente Dilma em Campo Grande no ultimo dia 29 de abril.

A senhora se equivocou, Maria Osmarina Marina Silva Vaz de Lima, pois as vais não são contra as demarcações de terras indígenas e muito menos contra os cidadãos brasileiros indígenas que merecem, e tem, o respeito da classe produtora deste país.

As vais foram contra a criação, a invenção de supostas terras indígenas que surgem como num passo de mágica diante os abusos, as ilegalidades e as mentiras da Funai. As vais foram, e continuarão sendo, em alto e bom som, contra o CONFISCO de propriedades privadas legalmente e legitimamente TITULADAS pelo Poder Público, COMPRADAS com o fruto do suor dos homens e mulheres do campo, que assim como os seringueiros nos seringais, deram a vida para construir um patrimônio, para proteger a família, para alimentar os filhos, para garantir-lhes boa moradia e educação, e para que pudessem vir a ser doutores, deputados, ministros e, quiçá, senadores da República.

Os produtores rurais que vaiam a política indigenista caótica que se estabeleceu no Brasil, vaiam também o abandono e o descaso com os irmãos indígenas, pois mesmo aqueles que tiveram “suas” terras demarcadas, passam fome e frio, estão doentes do corpo e da alma, enfrentam o descaso e a humilhação de não poderem ser donos das suas vontades, da casa que moram e do chão que pisam.

A senhora que no início de sua carreira política ingressou no Partido Revolucionário Comunista (PRC), organização marxista que se abrigava no Partido dos Trabalhadores, então sob o comando do deputado José Genoíno, se equivocou mais uma vez quando disse que o governo não demarcou nenhuma terra indígena em MS.

O Estado do Mato Grosso do Sul conta com seis áreas reservadas somando 20.254 hectares, quatorze áreas registradas somando 568.077 hectares, sete áreas homologadas somando 32.528 hectares, oito áreas declaradas somando 102.613 hectares, três áreas identificadas somando 62.371 hectares e sete áreas à identificarsendo que três dessas áreas somam 9.635 hectares e as demais ainda não tem área definida. Até aqui são 45 áreas com total de 795.478,0000 hectares.

Temos ainda setenta e duas supostas terras indígenas sem providência e mais trinta e seis supostas terras indígenas (tekoha) em seis bacias (tekohaguasu imaginados pelo CAC do MPF), impactando vinte e sete municípios no sul do estado.

As terras no Mato Grosso do Sul não são terras indígenas, nem nunca foram. A povoação Guaranítica se deu em razão das migrações desses indígenas que vinham de Caaguazú (centro domundo) no Paraguai em busca das “terras sem mal”, tendo a região sul do Mato Grosso do Sul como mero “corredor de passagem” como elucidou Curt Nimuendajú, e como muito bem verificou Genésio Pimentel Barbosa quando chefe do Serviço de Proteção ao Índio- SPI, na década de 20.

Os produtores rurais desta Nação não vão aceitar a falácia de serem ardilosamente apontados como os vilãos da história. Não são. Nunca foram.

Então, quem quer que seja, independentemente dos sofrimentos e percalços que enfrentou, independentemente da altura dos degraus que teve de escalar, e do nível do topo que alcançou, está desautorizado pela ética e pela moral, a defender um discurso maniqueísta equivocado no qual o homem do campo é de todo mal e o indígena é de todo bom em razão das consequências do processo de colonização que permitiu que este chão lusitano se tornasse VERDE E AMARELO.

(*) Luana Ruiz Silva, advogada, produtora rural, Vice-presidente da Comissão de Assuntos Agrários da OAB/MS.

A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...



Que Mato Grosso do Sul NUNCA, NUNCA se torne uma Raposa Serra do Sol!!!!! E a luta branca e limpa dos Produtores depende da UNIÃO da Classe. Nossas mobilizações funcionaram e continuarão funcionando pq A CLASSE PRODUTORA DO BRASIL NÃO VAI DESISTIR!!!!!! Ordem, Paz e JUSTIÇA Já...
 
Luana Ruiz em 13/05/2013 16:13:00
Você articulista, com certeza quer transformar as terras do MS em mais uma Raposa Serra do Sol, onde a orizicultura além da exportação,sustentava as famílias indígenas e dava-lhes uma vida digna. Hoje o Estado de Roraima importa arroz.!!!
E os índios perambulam bêbados pelos arredores de Boa Vista, abandonaram as terras e vivem de esmolas. Indio não sabe e não quer trabalhar. Melhor seria dar-lhes moradia, educação, saúde, alimentação etc...,etc...e tratá-los como tutelados do Estado. Que Mato Grosso do Sul, nunca se torne uma Raposa Serra do Sol !
 
arnobio LUiz em 10/05/2013 20:26:01
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions