A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

29/11/2016 14:31

Com caos na rede pública, demanda por exame cresce 200% na particular

Exame de sangue custa até R$ 59,00 na rede particular; laboratórios também fazem tabela social para pedidos via SUS

Yarima Mecchi
Tubetes também estão em falta na UPA Moreninhas. (Foto: Marcos Ermínio)Tubetes também estão em falta na UPA Moreninhas. (Foto: Marcos Ermínio)

Com a falta de material para a coleta de sangue na rede municipal de saúde, os reflexos recaem sobre laboratórios particulares de Campo Grande, com aumento de até 200% na demanda. Em laboratórios privados, os pacientes são obrigados a gastar entre R$ 45,00 e R$ 59,00 pelo hemograma, sendo possível em alguns casos conseguir via tabela social do SUS (Sistema Único de Saúde), variando entre R$ 20,00 e R$28,00.

Funcionários das UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) relatam que desde outubro os tubetes, material necessário para a coleta de sangue, estão em falta. A supervisora técnica do laboratório MultiLab, Simá Dias Portela, de 50 anos, afirma que a demanda aumentou nas oitos unidades espalhadas pela cidade, mas em uma especifica a procura está ainda maior, chegando a 200%.

"A unidade da Moreninha teve um grande aumento, fica do lado da UPA e os pacientes vão direto lá. Antes eram entre 3 e 4 coletas por dia. Agora chega a 12", relatou. Ela conta que a unidade foi inaugurada há três meses e os pacientes que levam o pedido de exame do SUS entram na tabela social, além de alguns casos específicos.

Veja Mais
Sem exames de sangue, médicos tratam pacientes do SUS ‘no escuro’
Sem material, nem exame de sangue é feito na rede municipal de saúde

Material está em falta na rede municipal de saúde pública. (Foto: Marina Pacheco)Material está em falta na rede municipal de saúde pública. (Foto: Marina Pacheco)

O laboratório já pensa em aumentar o número de funcionários no local. "Vamos reforçar a quantidade da equipe para fazer coleta, se continuar sem na prefeitura vamos ter que reforçar".

No início de novembro, o Campo Grande News noticiou que o Labcen (Laboratório Central do Município) não estava fazendo exames como hemograma – de sangue – por falta de reagentes e tubetes, potes para coleta. De acordo com funcionários que trabalham no local, apenas exame de urina estava sendo coletado e esta realidade continua.

A bioclínica Camila Move, responsável pelo laboratório Labclin, disse que em um dia a demanda aumentou de 15 exames para 33. No local, também há taxa social, em que o exame sai mais barato.

"Isso é um dia comum que antes eram 15 exames e registramos 33. A tabela social é para as pessoas que vem com o pedido do posto".




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions