A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

16/11/2016 21:21

Conselho aponta passagem a R$ 3,56, mas empresas querem R$ 3,68

Estudo será levado ao prefeito Alcides Bernal nesta quinta-feira, sendo ele quem define o valor da tarifa

Nyelder Rodrigues e Anahi Zurutuza
Dados foram analisados pelo Conselho da Agereg e valor será sugerido ao prefeito (Foto: Claudionor Silva/Divulgação)Dados foram analisados pelo Conselho da Agereg e valor será sugerido ao prefeito (Foto: Claudionor Silva/Divulgação)

A tarifa do transporte coletivo na Capital pode sofrer reajuste de até 9,5%, passando de R$ 3,25 para R$ 3,56, conforme sugestão do conselho consultivo da Agereg (Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Campo Grande). Já o Consórcio Guaicurus quer 13,2% de reajuste - subindo para R$ 3,68.

Veja Mais
Com nove voos, Aeroporto de Campo Grande opera normalmente neste sábado
Grupos culturais da UCDB realizam 'Cantata de Natal' no domingo

Os dados estão em estudo realizado por técnicos do setor e apresentado em reunião na noite desta quarta-feira (16), na sede da Agereg - rua Eduardo Santos Pereira, Centro. A análise será levada nesta quinta-feira (17) ao prefeito Alcides Bernal (PP), que é quem tem a palavra final sobre o preço a ser cobrado.

"Será encaminhado ao prefeito e ele é quem decide, via decreto. A Agereg cabe realizar os estudos de acordo com a previsão contratual. Com base nisso, a gente faz um estudo e chegando a uma conclusão, entrega ao prefeito. Há um contrato prevendo reajuste anualmente", frisa a chefe da agência reguladora, Ritva Vieira.

Um dos motivos para precisar reajustar a tarifa, além do natural movimento inflacionário, é a queda do número de usuários do transporte coletivo, que chegou a somar 300 mil/mês, segundo o Consórcio Guaicurus.

"Nunca se viu queda tão grande número dos passageiros, isso representaria 300 mil passageiros/mês de perda", comenta um dos técnicos do consórcio. O índice apresentado foi de -3,67%. Chamado de IPKe, ele é formado pela própria Agereg, com base em números fornecidos pelas empresas.

Segundo o prefeito eleito Marquinhos Trad (PSD), Bernal prometeu a ele, por ora, congelar o valor cobrado em Campo Grande, de R$ 3,25 - a tarifa técnica era de R$ 3,24, mas foi arredondada para facilitar o troco nos guichês. A data base de reajuste definida em contrato é o dia 18 de novembro.

João Rezende apresentou impacto do índice IPKe no valor da passagem, na ótica das empresas (Foto: Claudionor Silva/Divulgação)João Rezende apresentou impacto do índice IPKe no valor da passagem, na ótica das empresas (Foto: Claudionor Silva/Divulgação)

Cálculo e isenções - Para chegar ao preço final, são levados em consideração o preço do diesel (que representa quase 1/3 dos gastos), a folha salarial (também chega à marca de 1/3) e o índice FGV-36 (criado pela Fundação Getúlio Vargas para calcular variações de preços com despesas de carrocerias, chassis e peças automotivas), que representa 21% do total.

Outros fatores envolvidos no cálculo são a inflação INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que compõe 10% do valor, e o IPKe, que se refere ao total de passageiros transportados por quilômetro rodado - neste caso, quanto mais, melhor.

Enquanto o IPKe foi de -3,67% nos últimos 12 meses, até outubro o óleo diesel variou 11,69%, conforme a ANP (Agência Nacional do Petróleo). Já a inflação do INPC foi de 10,08% e o reajuste para os motoristas, definido hoje, foi de 8,5%. O FGV-36 apresentou aumento de 8,06%.

"O índice é tão importante por causa das gratuidades, que são pagas pelos próprios usuários. Caindo o número de passageiros, cai o total de pessoas que vão dividir o valor", comenta o diretor do consórcio, João Rezende Filho, ao explicar que o IPKe, na visão das empresas, tem maior influência do que a prevista em contrato.

"Apesar de ser polêmico, o reajuste é uma coisa importante. O IPKe nunca chamou a atenção como neste ano. Pelo consórcio não teria reajuste, porque aumentos espantam clientes, mas no momento é necessário", completa Rezende. Hoje, Campo Grande conta com 200 mil usuários de transporte coletivo diariamente.

Impostos - Durante as análises do conselho, também foi destacado a importância da isenção do ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) para que a tarifa não tenha que subir ainda mais. 

Conforme o estudo, o valor pode ir a até R$ 3,74 caso não o benefício, que vence no dia 15 de dezembro, não seja renovado. Bernal já sinalizou ao secretariado que deve conceder a isenção por mais um ano ao setor.

"A gente entende que a isenção do ISS é muito importante. Apesar das dificuldades de arrecadação que a prefeitura passa, ela beneficia o usuário e o empresário", comenta Ritva Vieira, que diante de discussão sobre a fuga de usuários do transporte coletivo, admite que em parte ela acontece também por causa da qualidade do serviço. 

Outra questão abordada foi o impacto do ICMS, imposto estadual, sobre o valor do óleo diesel. No estudo, foi também pré-encaminhado subsídio para que o cálculo da tarifa tenha como base as gratuidades oferecidas ao Estado - por exemplo, para estudantes da Rede Estadual, policiais militares -, recebendo isenções específicas em tributos.

Grupos culturais da UCDB realizam 'Cantata de Natal' no domingo
Será realizado no domingo (11) em Campo Grande a Cantata de Natal da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco), que reúne o coral da universidade, os gr...
Projeto é homenageado e forma novos 'doutores palhaços' na Assembleia
O projeto Doutores Palhaço formou 43 voluntários ontem (8) em solenidade na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, que contou também com homen...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions