A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

30/11/2016 18:55

Plano Diretor da Capital é discutido entre OAB e Marquinhos Trad

Nyelder Rodrigues
Prefeito eleito, Marquinhos Trad participou do evento promovido pela OAB-MS (Foto: Divulgação)Prefeito eleito, Marquinhos Trad participou do evento promovido pela OAB-MS (Foto: Divulgação)

O prefeito eleito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), se reuniu com a OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul) na manhã desta quarta-feira (30) para discutir a reestruturação do Plano Diretor da Capital. Marquinhos criticou algumas mudanças realizadas no documento.

Veja Mais
Após oito dias da cirurgia, homem que recebeu rim do irmão recebe alta
Grávida que teve assento negado em ônibus não teve bebê e já foi liberada

O encontro aconteceu na sede da entidade, durante reunião ordinária da CDIURN (Comissão de Direito Imobiliário, Urbanístico, Notarial e Registral). O Plano Diretor, que tem sua condução pela prefeitura contestada por várias entidades, deve ser encaminhado para votação aos vereadores no próximo mês.

O Plano Diretor segue um rito e tem como garantia legal a previsão de que sua elaboração será realizada com base na efetiva participação da sociedade em todas as fases de seu processo. No Estatuto das Cidades, o plano é considerado instrumento básico para orientar a política de desenvolvimento e de ordenamento da expansão urbana de um município.

A Comissão de Direito Imobiliário questiona justamente o sentido contrário à legislação para o qual caminha a revisão do projeto. "O texto do Plano, da forma como está não pode ser aprovado. Não fomos ouvidos pelo Planurb, não conseguimos dialogar", questiona o presidente da Comissão, Alípio Oliveira.

Alípio ainda completa que a ideia é construir um documento de consenso "para que Campo Grande volte ao ritmo de crescimento que já teve um dia. A OAB/MS se manifesta contra a aprovação do Plano Diretor na atual formatação e, se não houver acordo, vai ajuizar a ação", frisa o advogado.

Marquinhos - Em seu discurso, o futuro prefeito de Campo Grande criticou os dispositivos que foram acrescentados ao Plano sem conhecimento da sociedade. O documento possuía, na fase inicial, 56 artigos. Na 4ª fase do processo o texto passou a ter 229 dispositivos.

"A nossa voz não tem ecoado no interesse daqueles que administram a cidade. Se a Capital não evoluiu como deveria, a culpa não é do Plano Diretor e, sim do gestor. É preciso uma intervenção urgente contra a aprovação desse projeto", destaca durante a reunião o prefeito eleito.

Já o presidente da OAB-MS, Mansour Karmouche, alertou que o Plano Diretor, no contexto que se encontra, pode simbolizar um "pacote de maldade" para a população. "É muito periclitante que o plano seja aprovado ainda este ano, no apagar das luzes, no final de um mandato. A atual administração não tem legitimidade para apresentar essa reestruturação", dispara.

Além disso, Karmouche diz que o Marquinhos se comprometeu em fazer uma gestão democrática e é ele "quem vai traduzir a nova realidade para a Capital". Ele também afirma que o ideal neste situação é que houvesse a participação dos novos gestores nesta decisão referente ao Plano Diretor a ser votado.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions