A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

25/01/2012 18:23

Todo mundo sabe que ela vem, mas poucos se preparam para a chuva

Paula Maciulevicius
Chuva alaga centro da cidade. Os 19mm de água que caíram pegou muita gente de surpresa (Foto: Simão Nogueira)Chuva alaga centro da cidade. Os 19mm de água que caíram pegou muita gente de surpresa (Foto: Simão Nogueira)

É a época mais chuvosa e todos sabem, mas mesmo assim a chuva da tarde desta quarta-feira pegou muita gente desprevenida. Na região central, ao contrário de outros bairros, choveu 19 milímetros, segundo informações do meteorologista Natálio Abrahão.

Veja Mais
Leitores registram transtornos causados pela chuva na Capital
Moradores do Cabreúva reclamam de cena antiga: casas invadidas pela água

Com tanta chuva a dificuldade era de atravessar a rua, fosse a Maracaju ou 14 de Julho, a água beirava a calçada e quem não queria molhar as canelas precisou esperar.

“Estou esperando para passar pra lá, preciso entrar no serviço 5h”, dizia o segurança Roberto Carlos Peralta, 41 anos. O problema é que o trabalho fica simplesmente do outro lado da cidade, no distrito Indubrasil.

Questionado se o patrão iria entender a justificativa do possível atraso ele responde “engolir não engole, mas vai fazer o que”, brincou.

Desprevenida, vendedora conseguiu voltar ao trabalho graças ao ambulante. (Foto: Simão Nogueira)Desprevenida, vendedora conseguiu voltar ao trabalho graças ao ambulante. (Foto: Simão Nogueira)

O problema das ruas alagadas tem explicação. Ela “saltava” aos olhos de quem esperava a chuva passar. “Isso aqui é por causa das bocas de lobo, estoura e vaza tudo como dá para ver. Para uma chuva dessas, não há guarda-chuva que aguente”, comentou a administradora Simone Maia, 46 anos.

E a chuva teve que cair justo no horário de almoço de Denise de Souza, 47 anos. A vendedora não podia chegar atrasada na loja em que trabalha, na rua Maracaju. Mas com a água que caía, mal conseguia por o nariz para fora.

“Pegou muita gente desprevenida, inclusive eu e bem no almoço. Eu não podia chegar atrasada. Mas sabe como é né? Estava sem guarda-chuva. E junto com a chuva que aparece do nada, os vendedores ambulantes aparecem também e eu consegui comprar um guarda-chuva”, conta Denise.

Aproveitando para ganhar dinheiro, vendedor tem nos braços a proteção contra a chuva. (Foto: Simão Nogueira)Aproveitando para ganhar dinheiro, vendedor tem nos braços a proteção contra a chuva. (Foto: Simão Nogueira)

Na entrada de uma loja de tecidos, além dos paninhos usados para enxugar a água, um rodo fazia companhia à água da chuva que continuava caindo lá fora. Com a força do vento, a água chegou a entrar no comércio.

“Não chega a alagar, mas chega aqui na calçada. Mas venta e alaga um pouco em questão de minutos. Se chover três, quatro dias, tem que ficar puxando com o rodo, relata a vendedora Adriane Zanandrea, 27 anos.

Só na tarde de hoje o Corpo de Bombeiros atenderam quatro ocorrências em consequência da chuva, envolvendo veículos, queda de árvore, e uma na agência do Bradesco na avenida Coronel Antonino.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions