A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

21/10/2016 20:30

Comércio de som veicular prevê prejuízo depois de mudança na lei

Adriano Fernandes
Instalação de sons automotivos pode ser comprometida depois de resolução aprovada pelo Contran. (Foto: Adriano Fernandes) Instalação de sons automotivos pode ser comprometida depois de resolução aprovada pelo Contran. (Foto: Adriano Fernandes)

O som alto em veículos já consta como infração grave de trânsito no CTB (Código de Trânsito Brasileiro), mas uma resolução aprovada na última quarta-feira (19) e que torna ainda mais especificas as punições desse tipo, já é polêmica entre comerciantes de som automotivo em Campo Grande. Entre eles, o receio é de que as mudanças façam diminuir a procura dos clientes por alterações nos sons automotivos.

Veja Mais
Boliviana cita perseguição e obtém em MS documento para ficar no Brasil
Secretaria de Educação quer ampliar escolas de tempo integral no MS

De acordo com a resolução 624, aprovada pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito), caso o volume do som seja ouvido do lado de fora do veículo, independente da altura, o motorista também pode ser multado, por atrapalhar o sossego público.

Medida que segundo o comerciante Vinicius Keller, de 39 anos, só favorece quem multa. “É mais um recurso de um sistema que é uma máquina de multas. Quer dizer que o motorista paga o imposto do carro, o imposto que é incidido sobre o som que ele manda instalar, mas ao mesmo tempo não pode ter pleno uso disso. Com essa mudança o motorista fica receoso até mesmo de ir buscar uma mudança no som de seu veículo e claro, isso prejudica o lojista”, se queixa.

Antenado com as mudanças que a nova lei pode causar o comerciante, que também é campeão nacional de campeonatos de som automotivo, conta que já incentiva funcionários e clientes a assinarem petição pública online que é contra a resolução e já tem quase 9 mil assinaturas.

Os comerciantes já teme uma queda na procura mas também no faturamento que pode chegar a R$ 30 mil em um único veículo. (Foto: Adriano Fernandes) Os comerciantes já teme uma queda na procura mas também no faturamento que pode chegar a R$ 30 mil em um único veículo. (Foto: Adriano Fernandes)

Na Comando Audio Som, sua loja na Avenida das Bandeiras ele conta que instala sons em pelo menos 5 veículos por dia e já atendeu clientes que pagaram até R$ 30 mil por alterações no som. Ele teme que essa procura diminua.

“Cerca de 31% do que o cliente paga para instalar um som é de imposto e agora, ele não pode nem sequer ouvi-lo na altura em que quiser de dentro do carro, sem ser multado. Como que um motorista vai poder questionar que estava ouvindo som de acordo com o permitido, sendo que o agente pode multá-lo só de ter visto ele passar no trânsito? Como ele vai provar que o som não estava alto?”, questiona.

Entre os seus clientes, o sentimento também é de frustração, como conta o enfermeiro Emerson Geovane Benites, de 47 anos. Só em sua camionete Emerson já investiu cerca de R$ 7 mil em melhorias.

“A altura dos decibéis já é monitorada, já pagamos um imposto sobre as modificações para ter um som de qualidade, mas essa mudança tenta impedir o usuário até mesmo de ouvir o seu som da forma como convém. E bom censo de não exagerar no volume em via pública eu tenho”, comenta.

Na avenida Ernesto Geisel o empresário Roberto Alves das Silva, de 40, tem há oito anos a Jet Som. Além da queda nas vendas e instalações eles contam que a medida põe em “cheque” até mesmo o perfil dos motoristas que são apaixonados por som.

“Som automotivo é uma espécie de esporte, de vício. A partir do momento em que o consumidor faz uma primeira instalação ele esta sempre querendo inovações. Essa mudança na lei pode fazer com que eles até repensem se devem ou não fazer melhorias, já que podem até ser multados dependendo da forma como ouvem músicas”, comenta Roberto.

Na Comando Auto Som são instalados sons em ao menos 5 veículos por dia. (Foto: Adriano Fernandes) Na Comando Auto Som são instalados sons em ao menos 5 veículos por dia. (Foto: Adriano Fernandes)
A instalação deste modelo de som automotivo custa em média R$ 1 mil. (Foto: Adriano Fernandes) A instalação deste modelo de som automotivo custa em média R$ 1 mil. (Foto: Adriano Fernandes)

Segundo ele, a resolução compromete todo um mercado e não só quem instala os equipamentos. “Para mim instalar um som eu consumo a madeira para construir uma boa estrutura traseira, dos tapetes, de fiação. Ou seja, se a procura diminuir, todo um mercado se abala”, conta.

Mercado esse que estimula o próprio consumidor a buscar melhorias no veículos desde que eles são tirados da concessionária. “Quando o consumidor compra um veículo, o carro já vem com toda uma multimídia que permite com que ele busque melhorias para deixar o som ainda mais potente e de qualidade. Todo mundo tem um robby e som é um deles”, conclui.

Resolução – A norma 624 aprovada pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito) determina a autuação do condutor que for pego com som automotivo audível pelo lado externo do veículo, com volume ou frequência que perturbe o sossego público, em vias terrestres de circulação. São exceções da medida ruídos produzidos por buzinas, alarmes, sinalizadores de marcha a ré, sirenes pelo motor e demais componentes obrigatórios do próprio veículo.

Antes da resolução o CTB (Código Brasileiro de Trânsito) estabelecia um limite aceitável de até 80 decibéis a uma distância de 7 metros, e de 98 decibéis, a apenas 1 metro. Até então, conforme estabelecido pelo órgão, às multas dependiam de um equipamento chamado decibilímetro.

Mas com a nova resolução, a autuação agora pode ser feita pelo agente, mesmo sem o aparelho.
Caso haja o flagrante, o agente de trânsito deve apenas registrar como ocorreu o fato no campo de observações do auto de infração.

A infração é considerada grave e ao motorista aplica-se penalidade de cinco pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação). O valor da multa, é por enquanto é de R$ 127,69 mas passará a custas R$ 195,23 a partir de 1° de novembro.




Esqueci de dizer, às vezes a polícia apreende o aparelho de som e libera o veículo. Isso é errado, o carro também deveria ser apreendido como instrumento usado para cometer crime ambiental. Afinal, sem o veículo, o sujeito não iria carregar todo o sistema de som com uma bateria nas costas, logo o crime foi cometido com o uso, tanto da aparelhagem (emissor da energia), quanto do veículo (modo de transporte utilizado para propagar a energia).
 
Guilherme Arakaki em 23/10/2016 00:57:35
Já que cada pessoa tem um ponto de vista, o mais certo na democracia que muitos falam que vivemos não seria fazer uma votação pedido uma aprovação para ter um lugar especifico para ser usado esse tipo de equipamento. A tem aqueles que vão falar no autódromo de campo grande pode. há há pode nada porque quando menos espera chega o pessoal da fiscalização falando que não pode escutar o som alto lá por conta da rodovia. E tem mais detalhes que e só para quem vai lá que sabe.
E quantos pais de família que a cada dia que passa vão ficando sem seus clientes, e certo isso, ou o certo e sair e roubar por ai, sabemos que e lei mais tem tantas leis nesse nosso Brasil que só serve para quem tem dinheiro, porque para trabalhadores de verdade só serve para ser prejudicados.
 
CABO em 22/10/2016 21:44:28
Sou Músico , tenho 6000 Watts de som em minha configuração.
Sou profissional e contratam meu show e som para algo alguma ou alguém, por causa do meu repertório de bom gosto e músicas selecionadas de 8 a 80 que só cabem ao ambiente para qual fui contratado...para as pessoas que estão ali para ouvir e só !!!
Agora....
O individuo descompensado mentalmente chega com o carro de 5 mil reais e um som de dez mil...abre a tampa da mala e se acha no direito de que todos devem ouvir suas porcarias em volume alto com desrespeito ao próximo, em gosto, à lei do silêncio e achando que tá causando com perturbação da ordem e sem autorização ?
Multa e cadeia é pouco...Educação se aprende em casa e respeito também !
AI...vem as empresas que vendem som e diz, que irão á falencia...rs..rs...rs..
 
Ale Faccini em 22/10/2016 16:37:53
Eu não sei o que passa na cabeça de quem vende e de quem usa esses sons automotivos. Uma coisa é utilizar um sistema que permita aproveitar o som dentro do carro, outra é fazer um trio elétrico particular.
E a linha de pensamento desse sujeito é tão absurda que se for pensar como ele, o simples fato de comprar uma caminhonete me dá o direito de subir na calçada e adentrar nas praças, afinal esse tipo de veículo é caro e para se andar em qualquer terreno. Se comprar um carro esporte, pode varar sinal e desrespeitar o limite de velocidade, afinal é caro, cheio de impostos e feito para correr.
O estupro se justificaria com a compra de camisinha; o roubo, latrocínio, assassinato (tentado ou consumado) se justificariam com a compra de arma, e assim vai.
 
Guilherme Arakaki em 22/10/2016 16:11:11
Certíssimo o Contran vai acabar com essa desordem isso nunca rendeu nada para ninguém mesmo quem se importa com campeonato de som, o que isso a agrega a sociedade, que bem isso faz além de proporcionar encontros que todos sabem bem o que rola em campeonatos de som to rindo horas aqui com os coitadinhos que nao sabem fazer outra coisa da vida além de perturbar as pessoas
 
ANONIMO em 22/10/2016 10:18:28
Tão reclamando de o que? O fato de eu pagar imposto na hora de comprar cerveja também nao me da liberdade de beber em excesso e vomitar na porta de casa de todo mundo. O fato de se paga imposto sobre o valor do som não da ninguem o direito de incomodar os outros. Gosto de som automotivo e tem um bom conjunto no meu carro, mas a liberdade de um acaba onde começa a liberdade do outro. Ninguem deve ser obrigado a perder o sono por causa do som dos outros, então instalar som potentissimo no carro é uma coisa. Ouvi-lo num volume que incomoda a vizinhança é outra. Já passou da hora a policia fechar a cerca contra a bagunça. Só para dar um exemplo: as vezes o som nos altos da Afonso Pena pode ser ouvido no Caranda Bosque II. Quase 2 km distante. Se isso nao é excesso...
 
Marc Boncz em 21/10/2016 23:33:50
ninguem é obrigado a gostar e escutar o seu tipo de som e musica! conversa fiada que atinge um mercado ! se reinvente pois quem deveria pagar a multa é o empresario que vende esse som!
 
Magnum357 em 21/10/2016 21:35:18
foi pouco!ninguem é obrigado a escutar esse lixo de som com estilos q até fazem apologia ao crime!
 
Magnum357 em 21/10/2016 21:31:09
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions