A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017

13/11/2013 17:58

Governo amplia jornada e planeja contratar 1,2 mil professores

Zana Zaidan
Medida foi negociada entre representantes dos professores e o governador André Puccinelli (Foto: Divulgação)Medida foi negociada entre representantes dos professores e o governador André Puccinelli (Foto: Divulgação)

A Secretaria Estadual de Educação começa a cumprir o acordo com os professores da rede estadual de ensino e vai ampliar, já no início do ano letivo de 2014, a “hora-atividade”. Para atender à mudança, o governo do Estado vai contratar, de imediato, 1,2 mil temporários, explica o presidente da Fetems - entidade que representa os professores – Roberto Botarelli. A regulamentação das atribuições foi publicada no Diário Oficial do Estado no dia 11 de novembro.

Veja Mais
Governo adia negociação com professores para calcular impacto no orçamento
Inscrições abertas para mestrados nas áreas de Zootecnia e Educação na UEMS

A hora-atividade é o tempo reservado para os docentes planejarem as aulas ou corrigirem provas. A cada 1 hora trabalhada, um terço equivale à hora-atividade. O tempo será remunerado e pode ser usado dentro ou fora das escolas.

Concurso - Conforme Botarelli, a contratação é emergencial, até que sejam convocados os professores aprovados no último concurso, realizado no dia 28 de fevereiro de 2013. São 1.280 docentes a serem convocados e, até que todas as vagas sejam preenchidas, ficam os temporários.

As medidas foram negociadas em acordo firmado com a categoria, durante reunião com o governador André Puccinelli (PMDB), sobre o plano de carreira do ano que vem.

“Algumas vagas, como para professores de matemática, não serão preenchidas, mesmo com a convocação, por falta de profissionais da área. Para que os contratados não permaneçam, será feito um novo concurso, a ser homologado no primeiro semestre. Se tudo ocorrer dento do prazo previsto, a convocação deste novo certame será em agosto”, explica.

Impacto – A alteração no plano de carreira vai custar para os cofres públicos do Estado cerca de R$ 2 milhões por mês, valor estimado pelo governador à Botarelli. O reajuste salarial dos professores ainda não foi definido – Puccinelli pede que a Fetems aguarde uma definição sobre o reajuste do Piso Nacional, cujo projeto tramita no Congresso Nacional.

Os professores pedem que o piso atual, de R$ 1.810, 05 - corresponde à carga horária de 40 horas - seja referente a 20 horas. Ou seja, os profissionais que trabalham nas escolas teriam os salários dobrados, equivalentes a R$ 3.620,10.

A legislação federal determina que nenhum professor receba menos que R$ 1.567, atualmente. No Estado, o salário pago é de R$ 243,05 a mais do que a lei estabelece.

Inscrições abertas para mestrados nas áreas de Zootecnia e Educação na UEMS
A UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), divulgou os editais de abertura para os mestrados Stricto Sensu em zootecnica, na unidade de Aq...
Sest Senat abre inscrições para cursos gratuitos para caminhoneiros
O Sest Senat Campo Grande abriu inscrições para dois cursos gratuitos voltados para motoristas. Para se inscrever é necessário ir até a unidade da Ca...
SAD divulga lista de convocados em cargo de técnico em nível superior
Foi publicado nesta terça-feira (17) a lista dos aprovados na análise curricular para o processo seletivo da SAD (Secretaria de Administração e Desbu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions