A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

26/06/2014 16:57

Justiça suspende concurso da Sefaz até que denúncias sejam investigadas

Caroline Maldonado e Marta Ferreira
 Prova para fiscal de rendas ocorreu no dia 25 de maio (Foto: Cleber Gelio) Prova para fiscal de rendas ocorreu no dia 25 de maio (Foto: Cleber Gelio)

Foi suspenso pela Justiça o concurso público para fiscal de rendas e agente tributário da Sefaz (Secretaria Estadual de Fazenda) de Mato Grosso do Sul. A liminar determinando a suspensão foi concedida hoje (26) pelo juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande. A decisão foi proferida na ação popular que denuncia fraude na aplicação das provas e pede investigação do caso.

De acordo com o juiz, o concurso permanecerá suspenso até que tudo seja esclarecido e seja dada a sentença. Também tramita na Justiça uma ação civil pública, iniciada pelo MPE (Ministério Público Estadual) e assumida, recentemente, pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). No processo é questionada a ausência de publicação dos nomes das pessoas que compõem a banca examinadora, o vazamento de questões antes da realização das provas. Também há suspeita de reaproveitamento das provas elaboradas anteriormente. A ação destaca ainda que não houve licitação para contratação da empresa Fapec (Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura) para a organização do concurso.

Veja Mais
Grupo de candidatos pede que concurso polêmico seja mantido
Em nova ação contra concurso, juiz dá prazo até 6ª para Governo se manifestar

Em sua decisão, o juiz destacou que o concurso é alvo de insistentes "acusações de irregularidades, que se somam e se sucedem a cada etapa". “Não é demais lembrar que este mesmo concurso público já foi suspenso anteriormente por ato da própria administração diante de situações ditas como insuperáveis e que somente vieram à tona quando se questionou a transparência e a possibilidade de impedimentos entre componentes da banca e candidatos”, afirmou em sua decisão.

“Registre-se que haverá gigantesco prejuízo aos candidatos aprovados, caso se permita a finalização do concurso com suas nomeações e apenas na sentença, daqui a oito ou dez meses, venha a ser reconhecida a nulidade do certame. Estas pessoas já terão se desligado de seus atuais empregos, poderão ter reduzida sua disposição ao estudo e, do dia para a noite, nesta hipótese de nulidade, terão suas nomeações anuladas sem qualquer aviso prévio ou indenização”, complementou.

“O Estado esperou vários anos desde o último concurso para decidir fazer um novo. Alguns meses a mais de espera não causarão prejuízo maior do que aquele que possa existir pelo tempo já decorrido desde o último concurso”, finalizou o juiz.

Como a decisão é liminar, cabe recurso por parte da Procuradoria Geral do Estado, que representa o Governo na ação. A reportagem entrou em contato com o procurador-geral, Rafael Coldibelli, e a informação prestada é que ele estava fora, em reunião na Governadoria.

A assessoria de imprensa da Fapec informou que somente amanhã o secretário executivo da instituição, Reinaldo Fagundes, poderá conceder entrevista sobre o assunto, pois está retornando hoje de viagem. 

Em nova ação contra concurso, juiz dá prazo até 6ª para Governo se manifestar
Em nova ação, que pede o cancelamento do concurso para preencher 60 vagas de fiscal de renda e agente tributário da Sefaz (Secretaria de Fazenda de M...
Juiz mantém prova de concurso da Sefaz e pede manifestação do Governo em 72h
O juiz David de Oliveira Gomes Filho, em processo da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, determinou que ...



Ufat! Espero que seja REALMENTE apurado!
p.s. Nem tudo está perdido, seria um acinte esse assunto ser superado! Quando existem evidências de fraude!
 
JESSICA MACHADO GONÇALVES em 27/06/2014 09:57:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions