A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Janeiro de 2017

09/04/2015 16:11

Procurador do MPT diz que nova lei da terceirização desprotege trabalhador

Priscilla Peres
Projeto foi aprovado ontem pelos deputados. (Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados)Projeto foi aprovado ontem pelos deputados. (Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados)

Foi aprovado na Câmara dos Deputados ontem (8), o texto-base do Projeto de Lei 4330/04, que regulamenta a terceirização para qualquer função, em empresas públicas ou privadas. Para o procurador do MPT/MS (Ministério Público do Trabalho), Hiran Sebastião Meneghelli Filho, se aprovada, a lei vai desproteger o trabalhador e proteger os empresários.

O procurador explica que a lei permite a terceirização em qualquer setor ou função, diferente de como é feito hoje. "A terceirização nasceu da lógica de ser feita por quem é especialista, ou seja, se eu tenho uma empresa e não tenho funcionários capacitados para determinado serviço, eu posso terceirizar", diz.

O problema, segundo ele, é que a pratica começou a ser usada de forma irregular, deixando de visar a qualidade e buscando apenas economizar. "Se a lei for aprovada, o trabalhador vai passar a assumir o risco do negócio, deixando de ter respaldo da empresa. A lei prevê algumas normas, de precaução e segurança econômica para a grande empresa", afirma.

O procurador Hiran ainda questiona a responsabilidade sobre os direitos dos trabalhadores, pois se a terceirizada não cumpri-los, ele só pode acionar a grande empresa depois de esgotar todas as alternativas. "Na lei também consta que as terceirizadas podem terceirizar seus funcionários e não impõe limites a isso. Só que nesse caso a responsabilidade é solidária de uma empresa a outra".

Proposta - Emendas ainda serão votadas na Câmara e a proposta vai ser enviada para o Senado e a sanção presidencial, antes de ser aprovada. Na votação de ontem, foram 324 votos a favor do texto, 137 contra e duas abstenções.

A lei regulamenta os contratos de terceirização no setor privado e para as empresas públicas, de economia mista, suas subsidiárias e controladas na União, nos estados. O modelo só não se aplica à administração pública direta, autárquica e fundacional.

O relator, deputado Arthur Oliveira Maia (SD-BA), disse que o texto segue “uma linha média capaz de atender os trabalhadores, os empresários e a economia brasileira”, destacando que muito da precarização do trabalho terceirizado decorre da falta de uma regulamentação.

Procurador do MPT diz que nova lei da terceirização desprotege trabalhador
UEMS recebe inscrições para processo seletivo de docentes até dia 27
Com vagas abertas em processo seletivo para contratação de docentes, a UEMS (Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul), recebe inscrições até o di...
Inscrições abertas para 21 cursos gratuitos de capacitação
Pessoas com Ensino Médio completo e interessadas em se especializar para entrar no mercado de trabalho, podem se inscrever para participar dos 21 cur...
Inscrições abertas para 140 vagas em quatro cursos gratuitos de capacitação
Estão abertas as inscrições para quatro cursos gratuitos de qualificação profissional, oferecidos pelo Senac. São 140 vagas disponíveis e os interess...



A aprovação dessa lei na câmara dos deputados é um bom motivo para os trabalhadores irem para as ruas se posicionar contra esse descalabro que é a terceirização.
É uma ótima oportunidade para os trabalhadores se posicionar contra os deputados Geraldo Resende, Tereza Cristina, Marum, Dagoberto e Mandetta que votaram a favor da terceirização.
É um despropósito esses deputados se elegerem com o voto dos trabalhadores e agora votam contra os interesses do trabalhador.
Cadê as Centrais para mobilizar e cobrar uma explicação desses parlamentares?
 
Critico em 10/04/2015 09:30:17
A terceirização é um bom motivo para os trabalhadores irem para as ruas para se posicionar contra esse atentado contra os direitos de quem trabalha e que só serve para aumentar os lucros das empresas.
Seria também um bom motivo para uma mobilização contra os deputados Geraldo Rezende, Tereza Cristina, Mandetta, Dagoberto e Marum que votaram a favor da terceirização.
Uma afronta desses deputados que se elegeram com votos de trabalhadores e agora aprovam leis que vão frontalmente contra os interesses do trabalhador.
 
Critico em 10/04/2015 09:18:35
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions