A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

10/04/2015 10:58

Sindicato rebate procurador e defende proposta da terceirização

Liana Feitosa

Com a aprovação do texto-base do PL (Projeto de Lei) 4330/04, que regulamenta a terceirização em empresas públicas ou privadas, Daniel Felício, presidente do Seac-MS (Sindicato da Empresas de Asseio e Conservação do Estado de Mato Grosso do Sul), alega que o PL assegura os direitos do trabalhador terceirizado, ao contrário do que outras frentes defendem.

Veja Mais
Procurador do MPT diz que nova lei da terceirização desprotege trabalhador
Termina hoje inscrição de processo seletivo da UFMS para professor substituto

"Dos 25 artigos do projeto, 18 resguardam de forma clara e contundente os direitos dos trabalhadores", garante Felício. "Além disso, o PL cria um ambiente que reduz a precariedade no trabalho, rompendo a trajetória de informalidade no núcleo familiar e permitindo a conciliação com a qualificação, fatores que beneficiam a inclusão social e a redução de desigualdades de forma mais harmônica", defende.

Segundo ele, se aprovada, a lei dará garantia dupla ao trabalhador terceirizado, já que obrigará a empresa prestadora de serviço a criar um seguro. "Caso quebre, ela precisará garantir, por seguro, o pagamento dos empregados. Além disso, se ela pagar, a empresa que contratou a terceirizada fica obrigada a pagar o trabalhador", ressalta.

Vantagens - A lei é a primeira no Brasil que pretende regulamentar e garantir aos trabalhadores terceirizados benefícios atualmente concedidos apenas a empregados próprios das empresas, como acesso a restaurante, atendimento ambulatorial e serviço de transporte.

No Brasil, são mais de 12 milhões de trabalhadores terceirizados. Hoje, cerca de 30% deles vivem na informalidade, segundo o presidente do Seac-MS. "Esse colaborador é considerado de segunda categoria para as empresas que contratam, mas a lei quer mudar isso, e haverá fiscalização para que isso seja realidade", afirma.

Restrições - Entre as vantagens do projeto apontadas por Felício estão justamente esses mecanismos de fiscalização. "O PL cria mecanismos de fiscalização com relação à entrada de uma empresa prestadora de serviços no mercado. Ou seja, a lei quer criar regras para que não seja possível que qualquer negócio entre no mercado", explica.

Para isso, a lei exigirá que os empreendimentos sejam especializados. "As empresas precisarão ter capital social específico, comprovar sua capacidade técnica e seu desempenho por atividade", detalha.

"Essas empresas vão precisar especificar quais equipamentos e pessoal especializado tem para desempenhar o serviço, dando garantias à empresa que quer contratá-la. Com isso, você minimiza a presença das famosas empresas picaretas porque existirão regras para fazer parte do negócio", completa.

É por isso que, segundo o representante, existem frentes que são contra as regras propostas, pois a lei vai "diminuir a demanda", ou seja, tirar de circulação empresas desestruturadas. "Essa lei está amparada pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), ainda mais pelas convenções coletivas existentes, que também são consideradas", pontua.

Consumo - Para Felício, o PL também contribuirá para alavancar o consumo. "Ao dar segurança jurídica às empresas contratantes, ele vai criar um ambiente econômico mais maduro e previsível, que resultará na geração de mais postos de trabalho", analisa.

"Se o trabalhador ainda tem dúvidas sobre os benefícios do projeto, é importante fazer uma análise detalhada da proposta e perceber suas vantagens", sugere o presidente. O projeto de lei pode ser conferido, na íntegra, no seguinte link: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=267841.

Termina hoje inscrição de processo seletivo da UFMS para professor substituto
Terminam hoje as inscrições de processo seletivo da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) para 12 vagas. As oportunidades são para profes...
Inscrições para seleção de professores do IFMS segue até o dia 11
Profissionais interessados em participar do processo seletivo do IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul), podem se inscrever até o próximo dia...
Prefeito autoriza realização de concurso público para Procuradoria Geral
O prefeito Alcides Bernal (PP) autorizou a realização de concurso público para a PGM (Procuradoria Geral do Município). De acordo com a publicação do...



Vamos e venhamos.
Esse senhor fala sob o ponto de vista das empresas.
Não há dúvidas de que para o trabalhador essa lei é nociva.
Com a palavra as Centrais que representam o trabalhador.
 
Critico em 10/04/2015 11:10:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions