A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

19/01/2011 12:07

Senhas aumentam, mas trabalhador continua enfrentando fila pelo seguro- desemprego

Ricardo Campos Jr.

Órgãos esperam melhora no sistema implantado há 2 meses

Volume maior de trabalhadores se concentra na sede da Secretaria Regional do Trabalho e Emprego (Foto: João Garrigó)Volume maior de trabalhadores se concentra na sede da Secretaria Regional do Trabalho e Emprego (Foto: João Garrigó)

O sistema usado pelos órgãos públicos que cadastram trabalhadores para o seguro desemprego foi implantado há dois meses. Mesmo faltando ajustes, a quantidade de senhas aumentou. Em alguns desses locais o atendimento foi organizado para reduzir a espera, em outros, a população continua a se aglomerar e enfrentar longas horas na fila.

No dia 29 de novembro do ano passado, o Campo Grande News esteve na SRTE (Superintendência Regional do Trabalho), órgão ligado ao ministério do Trabalho que fica na Rua de Maio. Quase 1 hora antes do expediente, a fila para uma das 50 senhas do período matutino e 50 do vespertino chegava quase à avenida Mato Grosso.

Quem madrugou nesta quarta-feira no local teve uma surpresa: um aumento de 20 senhas, 10 em cada período. Os números foram distribuídos meia hora antes do normal. O atendimento para a manhã foi escalonado em poucos minutos após horas de espera.

O carpinteiro Joarildo Rosa Benites, 33 anos, chegou às 4 horas da madrugada e foi o 39º a ser atendido. “Está sendo cada dia mais difícil. Tem que ficar acordando cedo, enfrentando a chuva”.

A professora Célia Santos, 35 anos, chegou pouco depois de Joarildo. A fila estava na metade da quadra e ela pegou a senha de número 44. “Eu acho uma humilhação chegar 4 horas da manhã. Eu liguei e a moça que me atendeu disse que eu tinha que chegar muito cedo. Se tem muita gente, porque não atender até mais tarde?”, reclama.

A cozinheira Oliva Gomes Miranda Neto, 52 anos, conta enfrenta a fila do seguro desemprego pela quarta vez para uma única solicitação. “Cada dia faltava um documento. Você passa dias enfrentando filas”.

Explicação - O superintendente regional do trabalho e emprego José Carlos Tinarelli, 53 anos, fala que a melhora no atendimento virá com a melhora do sistema e o aumento no número se senhas é reflexo disso.

Ainda assim, são apenas 4 servidores para atuar no cadastro do seguro desemprego. “Aqui dentro a coisa é difícil”, justifica.

A professora Célia Santos chegou às 4 horas e pegou a fila já na metade da quadra da Rua 13 de Maio em direção à avenida Mato Grosso. (Foto: João Garrigó)A professora Célia Santos chegou às 4 horas e pegou a fila já na metade da quadra da Rua 13 de Maio em direção à avenida Mato Grosso. (Foto: João Garrigó)

Disparidade - O Campo Grande News também esteve na Funtrab (Fundação Social do Trabalho) em novembro passado. A ordem do atendimento era com senhas distribuídas às 7 horas. Após a distribuição, sobravam vagas no período matutino.

Atualmente o agendamento é feito preferencialmente por telefone, segundo informações obtidas nesta manhã no local. As pessoas que estavam na sala de espera buscavam outros serviços. Quem desejava fazer o cadastro chegava na hora marcada.

O diretor geral da Funtrab Cícero Ávila relata que a quantidade de atendimentos aumentou para 120 por dia. A meta é chegar a 240. “O sistema ainda está um pouco lento. É um processo que vai de 3 a 6 meses. O sistema não é de uma empresa de Campo Grande. É a Dataprev de Brasília”, explica.

A redução nas filas e espera foi um objetivo já alcançado. “Eu não acho justo o trabalhador tenha que acordar 2 horas da manhã para ficar na fila”, disse Cícero.

O próprio trabalhador pode contribuir de casa para ser atendido rapidamente. Antes de solicitar o seguro, os atendentes da Funtrab e da Funsat buscam no sistema alguma vaga de emprego que se enquadre no perfil profissional do interessado. Para isso, é necessário fazer o cadastro no sistema de emprego, processo que demora, em média, 15 minutos.

Por meio do site da fundação o trabalhador pode preencher os dados antes de ir ao local e economizar tempo.

Comodidade - Conforme apurado pelo Campo Grande News, o serviço de busca de vaga, não é feito na SRTE durante a solicitação do seguro desemprego. Muitas vezes, os trabalhadores preferem enfrentar filas no local por causa da facilidade em receber o dinheiro ao invés de procurar uma vaga no mercado de trabalho.

Práticos - Os postos de atendimento que concentram diversos serviços, localizados em frente a alguns terminais de ônibus da Capital, devem retomar o cadastro para seguro desemprego em breve, de acordo com o diretor da Funtrab.

“Meta é fazer uma reformulação para melhorar a capacidade de atendimento. Melhorar a estrutura de informática e colocar mais atendentes. Os práticos já começaram a reestruturação. É de 2 a 3 meses para que eles fiquem prontos”, diz Cícero.

Documentação - Veja a lista dos documentos necessários para solicitar o seguro. Para agendar atendimento na Funtrab basta ligar no 0800 647 0013.

Práticos estão sem atendimento para seguro desemprego
Apesar de serem uma das alternativas para realizar o cadastro para seguro desemprego, os práticos estão com atendimento suspenso e sem previsão de re...
Trabalhador madruga na fila para pedir seguro desemprego
As senhas são limitadas e dezenas de pessoas madrugam na frente dos órgãos que realizam cadastro para receber o seguro desemprego em Campo Grande, em...
Governo publica gabarito preliminar do concurso para procurador
Divulgado o gabarito preliminar da prova objetiva do Concurso Público para Procurador do Estado. A lista está no Diário Oficial do Estado desta terça...



Isso é um absurdo,pois eu precisei e foi um transtorno ter que estar lá 6 horas da manhã pra tentar pegar uma senha...Agora tem gente chegando meia noite, que falta de respeito com a população!!
 
Gabriel Ribeiro de Carvalho em 20/01/2011 09:04:02
É exatamente isso: muitos desempregados estão sobrecarregando a delegacia do Trabalho, quando têm também a Funtrab e a Funsat para pedir o seguro. Talvez constrangidos de ter que recusar uma proposta de emprego (serviço incluído nas duas fundações, porque afinal, imagina-se que é isso que o trabalhador desempregado quer, voltar a trabalhar), para não deixar de receber as próximas parcelas do seguro.
 
Edelberto Moreira Lins em 19/01/2011 12:29:50
Como já era previsto, o Governo Federal, está cada vez mais restringindo os direitos ao trabalhador. Com essa nova lei, o Trabalhador vai ter que aceitar o que vier, ou pega ou perde, se pegar perde, e se não pegar perde do mesmo jeito. Daqui uns dias, vão tirar também o FGTS e o 13º . Duvidam???
 
Edward B em 19/01/2011 03:04:47
É pelo visto a Constituição Federal foi esquecida de lado, aonde estão os fundamentos da cidadania e da dignidade da pessoa humana e os princípios da eficiência, moralidade, interesse público...Brasil!!!!!!....meu Brasil...brasileiro......éh...só o samba funciona.
 
Pedro Fernandes em 19/01/2011 02:26:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions