A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

28/05/2015 11:10

Criança indígena de 1 ano morre com quadro de desnutrição e desidratação

Viviane Oliveira

Criança indígena da etnia Kaiowá, de um ano e um mês, morreu no Hospital Regional de Amambai, distante 360 quilômetros de Campo Grande, com quadro grave de desnutrição, desidratação e diarreia. O menino pesava 4,9 quilos com mais de um ano de vida.

Veja Mais
Comércio de Ponta Porã funcionará em horário especial neste fim de ano
MPF entra com ação para garantir pesca e extração à comunidade ribeirinha

De acordo com o site Dourados Agora, o bebê deu entrada no último dia 18, às 20h20, ficou no balão de oxigênio, mas não resistiu. A criança já ficou internada por outras vezes na unidade de saúde. No dia 20 de novembro do ano passado, o bebê, que na época tinha 8 meses, foi tratado de fraturas depois que caiu do carrinho.

No dia 10 de abril deste ano, a criança deu entrada no hospital com lesão por assaduras. A mãe não esperou o término dos atendimento médico e fugiu da unidade, lavando o filho. Conforme o site, a mulher não tinha paradeiro certo dentro das aldeias da região de Amambai. 

Conforme o Conselho Local de Saúde Indígena, houve negligência da família e da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena. As equipes de Saúde deveriam ter detectado a doença do menino e tomado providências em relação ao quadro, segundo o conselho em entrevista ao site.

Revolta - No ano passado, a comunidade indígena de Amambai, formada por 13 mil índios, protestou contra o sucateamento do polo regional da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), com sede em Amambai. Além da falta de medicamentos, a comunidade denunciou que profissionais de saúde trabalham com equipamentos obsoletos e são obrigados a usarem viaturas e transportar pacientes em ambulâncias sucateadas, entre outros problemas administrativos. 

Em nota ao Dourados Agora, a assessoria de imprensa da Sesai informou que a morte da criança é um caso isolada. Conforme o órgão, a criança não ficou sem assistência das equipes de Saúde e que a mãe fez a retirada dela do hospital sem receber alta.

A Sesai informou ainda que a família mudou de aldeia por 5 vezes, o que dificultou a localização. As equipes também enfrentavam resistência da mãe e que este é o segundo filho do casal que morre por desnutrição por falta de cuidados da família. O órgão afirma que um dos grandes avanços da Secretaria foi a redução de desnutrição em Mato Grosso do Sul. Em 2007 centenas de crianças indígenas morreram por desnutrição nas aldeias do Estado.

Comércio de Ponta Porã funcionará em horário especial neste fim de ano
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...
MPF entra com ação para garantir pesca e extração à comunidade ribeirinha
Foi ajuizada ação civil pública pelo MPF (Ministério Público Federal) para garantir o direito a pesca de subsistência e extrativismo sustentável da c...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions