A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2017

10/07/2013 14:59

Acadêmicos da UFMS afirmam que instituição está descumprindo ordem judicial

Helton Verão

Acadêmicos da unidade da UFMS (Universidade Federal de Mato Grssso do Sul) em Nova Andradina afirmam que a instituição está descumprindo uma ordem judicial que determina manutenção da graduação em História/Licenciatura.

Os estudantes alegam que a falta de estrutura e de docentes para o curso tem se agravado depois que a Justiça determinou a continuidade da graduação. Além da ausência de professores, eles relatam que os laboratórios de pesquisa estão saturados e têm carência de outros recursos técnicos e financeiros para a continuidade dos estudos.

Após o risco de a graduação ser extinta do quadro de cursos ofertado no campus do município ter sido afastado por uma liminar, a falta de professores e recursos para pesquisa volta a preocupar a comunidade acadêmica.

A expectativa dos alunos é que a justiça determine a imediata contratação de pelo menos mais seis docentes e que a atual direção cumpra integralmente o que foi determinado na liminar expedida pela Justiça Federal em novembro de 2011.

Segundo o advogado dos estudantes e de alguns professores, Ilson Cherubim sócio do Escritório Nascimento & Cherubim Advogados Associados, de Nova Andradina, a reitoria da UFMS e a diretoria do campus local estão descumprindo a lei e a ordem judicial ao não proporcionar condições para que a licenciatura seja mantida.

O pró-reitor da UFMS, Henrique Mongelli, chegou a afirmar em ofício que “como não há definição sobre a suspensão das vagas da oferta do curso de História/CPNA, que encontra-se na Justiça, não haverá contratação de professores até que haja definição sobre o tema’’.

Incerteza - Como medida emergencial, dois professores substitutos foram contratados para amenizar a demanda do campus. No entanto, os estudantes continuam sem garantia de que poderão concluir os estudos no prazo estimado e com a formação esperada.

Sem todas as disciplinas ministradas, a reposição de aulas já se tornou uma realidade corrente. A possibilidade de aulas durante o período de férias para os estudantes do primeiro semestre já foi levantada na unidade.

Em novembro de 2011, a 1ª Vara Federal de Dourados decidiu que a UFMS deveria manter a oferta de 50 vagas para o curso de História do campus de Nova Andradina através do SISU. A decisão especificou que os réus tomassem ‘’as providências necessárias à manutenção da oferta’’.

A liminar levou em consideração, dentre outros argumentos, a falta de diálogo da reitoria com o campus e organizações do Vale do Ivinhema, protestos e abaixo-assinados organizados pela comunidade local, os índices positivos de avaliação do curso e a procura pela graduação. A decisão comparou ainda outros 11 cursos oferecidos pela universidade em diversos municípios e que apresentaram procura menor do que História-Licenciatura desde que o mesmo também foi implantado em Nova Andradina.

Em consulta processual no site da Justiça Federal é possível verificar a última movimentação do processo efetuada no dia 20 de junho. O advogado Ilson Cherubim explicou que, a partir desta data, o prazo concedido para a UFMS se manifestar sobre o assunto foi de 72 horas.




Advogados como Cherubim revelam a importância da advocacia comprometida com as causas mais importantes da sociedade atual. Parabéns ao Advogado Ilson Cherubim pelo empenho em defender uma educação de qualidade em um Estado carente de educação de qualidade. A luta é deveria ser de todos e não de apenas um advogado.
 
Godofredo Alberto em 11/07/2013 00:25:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions