A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

17/04/2015 22:19

Ação da Pastoral da Criança nas aldeias de Dourados reduz mortalidade infantil

Daniel Machado
O número de crianças nascidas com baixo peso chegou a zero, assim como a porcentagem de desnutrição, e todas elas foram vacinadas conforme a idade. (Foto: Divulgação)O número de crianças nascidas com baixo peso chegou a zero, assim como a porcentagem de desnutrição, e todas elas foram vacinadas conforme a idade. (Foto: Divulgação)

 

Veja Mais
Ônibus colide em carro, arranca duas árvores e só para ao bater em muro
Dois homens são presos por suspeita de estupro de adolescentes

Em 2005, ao visitar um grupo indígena no município de Dourados, no Mato Grosso do Sul, Zilda Arns, na época à frente da Pastoral da Criança, se deparou com estatísticas alarmantes: seis óbitos de crianças por desnutrição.

"Ela visitou duas aldeias – Bororó e Jaguapiru – e constatou que lá existiam mais de 500 crianças e, dentre essas, 120 receberam atenção especial porque estavam em risco de desnutrição ou desnutridas", conta Vânia Lúcia Leite, assessora nacional da Pastoral da Criança e que acompanhou a coordenadora.

Na época, a equipe permanente era composta por quatro médicos, um nutricionista, quatro enfermeiros e 33 agentes de saúde.

Após a visita, a equipe ganhou mais dez médicos, cinco nutricionistas, dez enfermeiros e outros 33 agentes de saúde. "Além disso, enviaram veículos para o transporte de equipes médicas e, com essa medida foi ampliada avaliação", lembra a assessora.

Hoje os números das aldeias de Bororó e Jaguapiru são bem diferentes. Das 90 famílias cadastradas, 100% foram visitadas em 2014. O número de crianças nascidas com baixo peso chegou a zero, assim como a porcentagem de desnutrição, e todas elas foram vacinadas conforme a idade.

Há nove anos atuando na Pastoral da Criança, e quatro anos à frente dessas comunidades indígenas, a voluntária Regina Vieira de Almeida aponta o que acredita ser o diferencial: "A Pastoral influenciou a abertura do pensamento nas questões de direitos e de saúde, sem tirar a cultura deles".

Além destas, Regina coordena ainda outras duas comunidades indígenas. Para ela, o principal ponto é aprender a conviver com as diferenças da cultura deles e a do homem branco.

Ela conta que questões como prazos são diferentes. "As coisas acontecem no tempo deles". Mas destaca que a dedicação dos líderes é admirável: apesar de alguns deles não saberem escrever e não poderem preencher o Caderno do Líder, por exemplo, eles sabem "nome por nome de cada criança. É um trabalho muito bem feito", aponta.

Mortalidade infantil - Ao participar destes espaços, a intenção era acompanhar de perto a situação daquela população e poder incidir de maneira real nos números que mostravam um comprometimento da infância indígena.

Entre as crianças acompanhadas pela Pastoral da Criança, o índice de mortes a cada mil nascidos vivos era de 34,2 em 2000, e passou para 10,4, em 2014.

Entretanto, os dados nacionais demonstravam na época, e demonstram ainda hoje, um número muito maior de mortalidade infantil entre a população indígena: segundo dados do IBGE/Pnad/2009 esse número chega a 41,9 por mil nascidos vivos.

O censo de 2010, entre toda a população nacional, apontou que a média brasileira era de 15,6 a cada mil crianças nascidas vivas.

O alto número de crianças indígenas que morrem ainda traz outro dado importante: a desnutrição é uma das principais razões de morte – causa esta considerava como evitável.

Desde o surgimento da Pastoral da Criança, em 1983, a considerável queda no número de mortes entre crianças se dá pelo cuidado da saúde infantil através de ações preventivas e de nutrição.

Entre os índiozinhos acompanhados, em 2014, a média de desnutridos foi de 2,3%, entre os mais de 11 mil cadastrados, e a taxa de crianças nascidas com baixo peso foi de 3,3%.

"Os focos de desnutrição nas aldeias coincidem com o abandono da amamentação exclusiva, que entre os índios ocorre normalmente a partir do primeiro ano. A baixa disponibilidade de alimentação adequada e água potável para a criança aumentam os índices de diarreia", aponta Boufleur.

A média mensal de crianças com diarreias em 2014 foi de 6,9%, sendo que 93,5% delas tomaram o soro caseiro, uma das principais campanhas da Pastoral da Criança contra a desidratação.

Abertura - Desde o início das ações da Pastoral da Criança nas comunidades, uma das questões percebidas foram os problemas sociais enfrentados pela população local.

Em 2005, ao realizar uma viagem para algumas aldeias de Dourados, Mato Grosso do Sul, Dra. Zilda percebeu algumas questões, como alcoolismo e drogas, relacionando isso ao alto número de desnutrição das crianças,

"Há famílias dependentes de álcool, que têm crianças menores, e acabam as negligenciando", relembra a assessora nacional da Pastoral da Criança, Vânia Lúcia Leite.

Ela, que acompanhou a médica nas visitas, lembra que estes são problemas que não competem à atenção básica, "estão mais para a ausência de outras ações políticas, como a questão da renda, do emprego, da educação".

Na época, um levantamento foi feito e indicou que as crianças mortas por desnutrição tinham, em quase todos os casos, famílias sem nenhuma escolaridade.

Para Regina Vieira de Almeida, que coordena a Pastoral da Criança em três comunidades indígenas na região de Dourados, a abertura dos índios para a ação demonstram a aprovação deles ao trabalho realizado.

"Entra na aldeia quem eles gostam e deixam entrar", conta. Ela, que não tem origem indígena, coordena o serviço voluntário nas três comunidades e deve ter uma nova comunidade indígena com acompanhamento ainda em 2015 – um pedido das famílias e das agentes de saúde locais que reconhecem a carência da região.

"Costumo dizer que a aldeia é um mundo a parte. Por isso o trabalho desenvolvido lá também tem que ser", afirma.

Apesar de ser o mesmo material utilizado em todo o Brasil, a metodologia da Pastoral da Criança nas comunidades indígenas é diferenciada.

A ideia é atingir a missão da instituição de "promover vida plena a todas as crianças", mas respeitando a cultura local. Por isso, o incentivo para que as líderes sejam indígenas, como acontece com os agentes de saúde da região de Dourados – lá, a maior parte dos agentes de saúde são líderes da Pastoral e são de origem indígena.

Desde que a Pastoral da Criança passou a cadastrar de maneira especial o acompanhamento das comunidades indígenas, no ano 2000, este grupo tem demonstrado um crescimento tanto no número de famílias atendidas – consequentemente crianças e gestantes –, e visto números, como nascimento com baixo peso e mortalidade de crianças, cair.

Em todo o Brasil, mais de 7.500 famílias foram acompanhadas durante o ano de 2014; este número 15 anos antes não chegava a 4.300 famílias.

Da mesma forma, o atendimento às crianças cresceu de 6,6 mil para mais de 11 mil no mesmo período. A dedicação vem desde o período que Dra. Zilda Arns estava à frente da Pastoral da Criança.

Ela coordenou de 2000 a 2006 a Comissão Intersetorial de Saúde Indígena (CISI), que faz parte do Conselho Nacional de Saúde.

"Nossa estratégia de trabalho inclui o conhecimento da realidade nas aldeias, contatos com o Ministério da Saúde e organizações que acompanham os indígenas, como o Conselho Indigenista Missionário [CIMI], consentimento e apoio dos caciques, seus conselhos e da Fundação Nacional do Índio [FUNAI]", explica o gestor de relações institucionais da Pastoral da Criança, Clóvis Boufleur.

Atualmente ele é integrante do Conselho Nacional de Saúde e coordenador adjunto da CISI. "A Pastoral influenciou, sem tirar a cultura deles".

Com informações da Assessoria de Comunicação da Pastoral da Criança.

Em 2005, quando Zilda Arns visitou as aldeias indígenas, se deparou com o número de seis óbitos de crianças por desnutrição. (Foto: Divulgação)Em 2005, quando Zilda Arns visitou as aldeias indígenas, se deparou com o número de seis óbitos de crianças por desnutrição. (Foto: Divulgação)
Dois homens são presos por suspeita de estupro de adolescentes
Dois homens foram presos por estupro de vulnerável em Laguna Carapã, 287 km de Campo Grande. Eles têm 28 e 24 anos e teriam tido relação sexual com a...
Dupla armada invade madeireira e rouba dinheiro do pagamento de funcionários
Dois homens armados invadiram uma madeireira e roubaram R$ 15 mil por volta das 15h30 de ontem (9) no Distrito Industrial de Dourados - distante 233 ...
Homem tem carro roubado por assaltantes armados na MS- 289
Assaltantes armados renderam o condutor de um veículo modelo Vectra e roubaram o carro por volta das 23h desta sexta-feira (9) na MS-289, em Amambai ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions