A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Janeiro de 2017

18/07/2014 11:19

Ação fecha laticínio, frigorífico, açougue e apreende leite e carne

Marta Ferreira
Locais vistoriados não tinham condições mínimas de higiene. (Foto: Divulgação/Decon)Locais vistoriados não tinham condições mínimas de higiene. (Foto: Divulgação/Decon)

Ações realizadas em três municípios da região sul, Ponta Porã, Bela Vista e Antônio João, na semana passada, por fiscais agropecuários do Mapa (Ministério da Agricultura e Pecuária ) e da Decon (Delegacia do Consumidor) fecharam um laticínio, um frigorífico, um açougues e apreenderam mais de dois mil litros de leite sem inspeção sanitária, 1,7 tonelada de carne imprópria para consumo e mais 1,2 tonelada de produtos suínos.

O laticínio fechado fica em Ponta Porã, e não obedecia as condições mínimas de sanidade. Em Bela Vista, em cumprimento a determinação do Ministério Público Estadual, foi feita fiscalização a um frigorífico, onde foram constatadas, segundo a polícia divulgou, diversas irregularidades, estruturais, sanitárias e até ambientais. Foi determinada a interdição temporária das atividades do estabelecimento até que o proprietário regularize as inadequações ou até a Vigilância Sanitária local estabeleça condições mínimas para o funcionamento. No local, foi encontrada uma tonelada de carne em condições inadequadas de consumo, além de 715 kg de carne bovina que já estavam no açougue à venda.

Em Antônio João, um açougue foi interditado devido às más condições de higiene e de estrutura do comércio. O proprietário do local produzia charque e lingüiça sem inspeção sanitária e em condições precárias de higiene, bem como comercializava carne bovina e suína oriunda de abate clandestino. O local não tinha autorização para funcionamento. Lá, foi apreendida 1,2 tonelada de produtos impróprios para consumo.

Conforme foi divulgado hoje, os produtos apreendidos foram destruídos, no aterro sanitário local.

Alerta - As ações, segundo material divulgado à imprensa, foram feitas para orientação dos comerciantes, e demonstram, ainda, a prática usual de abate clandestino, mesmo em localidades que possuem abatedouro, além do descumprimento das normas sanitárias vigentes. O desrespeito configura crime e é visto, ainda, como concorrência desleal.

“O consumo de tais produtos pode acarretar diversas doenças para o ser humano, como brucelose, tuberculose, cisticercose entre outras, e ocasionando transtornos gástricos tais como diarréia, vômitos, podendo levar a óbito”, alerta a polícia.

Os responsáveis pelos estabelecimentos vão responder procedimento administrativo junto à Vigilância Sanitária Municipal e à Iagro (Agência de Defensa Sanitária Animal). Devem, ainda, responder a inquérito policial, por crime contra as relações de consumo, cuja pena pode variar de 2 a 5 anos.

Vizinhos acionam a polícia depois que mulher é agredida por esposo violento
Mulher de 29 anos teve de ser encaminhada a uma unidade de saúde devido as agressões do marido, 37, que a feriu no rosto durante uma discussão esta t...
Jovem é preso em flagrante depois de ter incendiado a casa da mãe
Jovem de 19 anos foi preso depois de ter incendiado a casa da própria mãe, 43, esta tarde (21) no Jardim Brasilândia em Dourados, cidade a 233 quilôm...
Homem é preso ao ser flagrado transportando 191 quilos de maconha
Hellington Sant Ana Mota, de 33 anos foi preso acusado de tráfico de drogas por transportar 191 quilos de maconha no porta-malas de um carro. O flagr...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions