A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

27/05/2014 22:01

Acordo prevê desocupação de aterro e conversa entre índios e prefeita

Alan Diógenes
Com a ocupação dos índios, caminhões não entravam no aterro sanitário e lixo acumulou pelas ruas da cidade. (Foto: Divulgação)Com a ocupação dos índios, caminhões não entravam no aterro sanitário e lixo acumulou pelas ruas da cidade. (Foto: Divulgação)

Um grupo indígena de nove aldeias da região de Miranda, a 205 quilômetros de Campo Grande, decidiu desocupar, nesta quarta-feira (27), o aterro sanitário da cidade que havia sido invadido em forma de protesto. Eles ocuparam o local para reivindicar políticas públicas da prefeita Marlene Bossay (PMDB), que segundo eles, não queria ouvir os pedidos de melhorias para as comunidades.

Veja Mais
Com aterro sanitário fechado há uma semana, Miranda acumula lixo pela cidade
MPF denuncia 8 por irregularidades na implantação de aterro sanitário

De acordo com o advogado da classe indígena, Luiz Henrique Eloy, a decisão foi tomada durante uma audiência de reconciliação entre índios e a prefeita promovida na 4ª Vara da Justiça Federal, em Campo Grande, na tarde de hoje. Os indígenas só decidiram deixar o aterro, por que o juiz Pedro Pereira determinou que o MPF (Ministério Público Federal) faça um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com a prefeita, para que a mesma receba os índios em seu gabinete para ouvi-los sobre o que querem de obras nas comunidades. O MPF vai fiscalizar os atos da prefeita, que tem 90 dias para atender as reivindicações.

Segundo o advogado Luiz Henrique, os indígenas saíram satisfeitos da reunião. “Eles já estavam cansados de não serem ouvidos pela prefeitura, mas classificaram a reunião desta tarde como positiva, por que conseguiram o dialogo com ela, que se comprometeu dizendo que vai atender aos pedidos das comunidades. Apesar de terem conseguido o que queriam infelizmente de modo judicial, eles estão feliz com o que ouviram”, destacou.

Conforme Luiz, os índios querem que seja feita a conclusão de uma ponte em uma das comunidades, pedem iluminação pública adequada e um atendimento de qualidade na educação dos jovens.

Caso - Desde a última terça-feira (20), o aterro sanitário de Miranda está bloqueado por um grupo indígena de nove aldeias. Os Terena fecharam a entrada do local e, desde então, nenhum caminhão consegue entrar para despejar o lixo recolhido. Com a situação, o lixo de toda a cidade não foi recolhido, o que gerou uma grande sujeira nas ruas. A prefeita Marlene Bossay agiu de forma radical e pediu a reintegração de posse, o que deixou o conflito com os indígenas ainda maior.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions