A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

07/12/2014 15:04

Acusado de financiar vereador é solto após pagar R$ 100 mil em fiança

Priscilla Peres
Rinaldo é acusado de envolvimento na farra das diárias.(Foto: Divulgação/Rio Pardo News)Rinaldo é acusado de envolvimento na farra das diárias.(Foto: Divulgação/Rio Pardo News)

Três dias após ser preso por suposto envolvimento na "farra das diárias", o empresário Rinaldo Nunes pagou fiança de R$ 100 mil e foi liberado. O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) investiga danos de R$ 3,5 milhões ao patrimônio público de Ribas do Rio Pardo - distante 103 km de Campo Grande.

Veja Mais
3ª ação do Gaeco prende empresário influente que financiou vereador
Advogado diz que escândalo já foi esquecido para tentar liberar vereador

De acordo com o site Rio Pardo News, o Juiz de Direito em Substituição, Marcelo Andrade Campo da Silva, ajuizou em R$ 100 mil o depósito da fiança a ser paga pelo investigado. Foram postas várias condições para a liberdade provisória, entre elas o comparecimento mensal em juízo para justificar suas atividades; participação em todos os atos processuais, além de estar proibido de frequentar a Câmara de Vereadores e a residência dos demais envolvidos.

Ainda de acordo com a determinação judicial, Rinaldo Nunes também terá de se recolher em casa no período noturno (das 19h às 6h), bem como nos dias de folga (domingos e feriados). O juiz também proibiu que o mesmo se ausente da Comarca por mais de sete dias sem comunicação ao juízo, e de se ausentar do país enquanto durar a ação penal.

Conforme informações apuradas pelo Campo Grande News, Rinaldo financiou em 2012 a campanha do ex-presidente da Casa de Leis, Adalberto Alexandre Domingues (PRTB), o Betinho, que foi afastado do cargo e preso. Rinaldo, que era o braço direito do ex-vereador, é dono de postos de combustíveis na cidade e de uma carvoaria. O empresário deve ser transferido ainda hoje para a sede do Gaeco, na Capital. Na semana passada, além de Betinho também foi preso em Campo Grande, o contador do poder legislativo na cidade. O nome dele não foi divulgado.

De acordo com a investigação do Ministério Público Estadual, os vereadores faziam saques de dinheiro em um supermercado do município, pagavam pensão alimentícia com dinheiro público, forjavam relatórios de viagens e ensinavam os colegas a seguir com os esquemas fraudulentos. O ministério fez uma relação de crimes cometidos por cada um dos acusados. O grupo também contratava empresas sem licitação ou por procedimentos licitatórios que não passavam de farsa, para beneficiar empresas de familiares e de amigos dos agentes públicos.

Fora do cargo – Além de Betinho, foram afastados do cargo a vereadora Lucineide Friosi (PSC), os vereadores Adalberto Alexandre Domingues, o Betinho, presidente da Câmara, Antonino Ângelo da Silva, vice-presidente, Célia Regina Ribeiro, Cláudio Roberto Siqueira Lins, Diony Erick Lima, Fabiano Duarte de Souza e Justino Machado Nogueira. Os servidores Gil Nei Paes da Silva, assessor e pregoeiro da Câmara; Cacildo Camargo, diretor da Casa; Marcos Gomes da Silva Junior, presidente da comissão de licitação; Natanael Godoy Neto, procurador jurídico e Walter Antônio, contador do legislativo municipal.

No último dia 25, foram empossados oitos suplentes em substituição aos vereadores afastados pela Justiça.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions