A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

24/06/2015 11:03

Após oito anos, índios voltam a ocupar fazenda na fronteira com Paraguai

Cimi denuncia que índios foram recebidos a tiros; ruralistas acusam invasores de afugentar funcionários e evitar retirada do gado

Helio de Freitas, de Dourados

Índios guarani-kaiowá do acampamento Kurusu Ambá voltaram a ocupar a fazenda Madama, localizada entre os municípios de Coronel Sapucaia e Amambai, na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai. Pelo menos 60 pessoas entraram na fazenda oito anos após outra invasão, ocorrida em maio de 2007.

Veja Mais
Índios vivem em condição de miséria, em Coronel Sapucaia
Comunidade indígena sofre ameaças após morte de líderes

De acordo com o Cimi (Conselho Indigenista Missionário), o braço da igreja católica que defende os povos indígenas brasileiros, a ocupação começou na madrugada de segunda-feira (22). Até a sede da fazenda foi ocupada pelos índios que há oito anos moravam em um acampamento a 5 km da propriedade.

Ao site A Gazeta News, o Sindicato Rural de Amambai informou que três funcionários da fazenda e seus familiares, inclusive crianças, foram expulsos das casas e tiveram de se refugiar no mato. Conforme o sindicato, existem 3.500 cabeças de gado na fazenda Madama. As casas da sede teriam sido invadidas e reviradas.

Já o Cimi divulgou em seu site que os índios foram recebidos a tiros durante a “retomada”. O órgão denuncia que desde 2007, pelo menos dez lideranças do acampamento teriam sido assassinadas. Kurusu Ambá fica em uma área cercada por lavouras de soja e os índios reivindicam a demarcação como território tradicional.

De helicóptero – Na tarde de ontem, o procurador da República em Ponta Porã, Ricardo Pael Ardenghi, foi à área ocupada para conversar com os índios. Segundo o Cimi, ele chegou ao local em um helicóptero da PRF (Polícia Rodoviária Federal).

O Campo Grande News procurou o MPF (Ministério Público Federal) para falar sobre o caso. As primeiras ligações não foram atendidas, mas por volta de meio dia um representante do órgão entrou em contato com a equipe de reportagem e afirmou que o MPF está acompanhando o caso.

O Conselho Indigenista Missionário informou que, na presença do procurador, foi estabelecido um acordo para permitir a retirada do gado e evitar possíveis ataques contra os índios.

 

*Matéria editada às 11h48

Comunidade indígena sofre ameaças após morte de líderes
Indígenas da comunidade Kurussu Ambá, de Ponta Porã, denunciaram ao MPF (Ministério Público Federal) que estão sendo ameaçados por "pistoleiros". Ao ...
Índios devem deixar área de conflito na região Sul
Índios guarani-kaiowá serão obrigados a deixar até dia 27 deste mês a fazenda que ocupam em Coronel Sapucaia, município distante 394 quilômetros de C...
Cimi culpa Funasa por morte de índia em área de conflito
A omissão da Funasa (Fundação Nacional de Saúde) em prestar atendimento à índia Tatirrara, de 2 anos, é citada pelo Cimi (Conselho Indigenista Missio...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions