A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

11/05/2012 15:29

Após visitar fazendas, procuradores negam violência por parte de índios

Francisco Júnior
Procurador Wilson Rocha Assis esteve na área invadida. (Foto: Lívia Gaertner, Diário Online)Procurador Wilson Rocha Assis esteve na área invadida. (Foto: Lívia Gaertner, Diário Online)

Procuradores federais estiveram ontem (10) em três fazendas invadidas por índios da etnia Kadiwéu desde o dia 27 de abril, na região de Porto Murtinho. Os procuradores Emerson Kalif Siqueira, de Campo Grande, e Wilson Rocha Assis, de Corumbá, informaram, por meio de nota, que no local não ocorreu “qualquer ato de violência da comunidade indígena contra produtores rurais e trabalhadores”.

Veja Mais
Fazendeiros esperam para próxima semana julgamento sobre despejo de índios
Funai promete negociar desocupação de fazendas por índios kadiwéus

Na nota, os membros do MPF (Ministério Público Federal) reafirmam o compromisso de permitir a vacinação, contra a febre aftosa, do rebanho criado dentro dos limites do local. Os procuradores testemunharam a retirada pacífica e consensual de pertences e animais das fazendas, sem registro de qualquer ocorrência de abate de animais.

Os donos das fazendas invadidas alegam estar preocupados com a vacinação do rebanho nas áreas, já que este mês é o início do período de imunização do gado.

O MPF acusa, ainda, os produtores de terem divulgados fotos antigas como sendo da ocupação de agora. “Não é necessário ser um especialista na questão indígena para constatar a total desconexão com a realidade. Os indígenas ali retratados não são da etnia kadiwéu e se referem a fato acontecido há vários anos atrás em outra região do Estado de Mato Grosso do Sul”.

Índios kadiwéus em uma das fazendas invadidas. (Divulgação)Índios kadiwéus em uma das fazendas invadidas. (Divulgação)

De acordo com a nota, a área ocupada pelos índios já foi demarcada, homologada e registrada em cartório de imóveis em nome da União, com 538.536 hectares. O processo demarcatório foi finalizado pelo governo federal em 1984.

No mesmo ano, os proprietários que se encontravam dentro dos limites da terra indígena ajuizaram ação, que em 1987 foi encaminhada ao STF (Supremo Tribunal Federal), onde está até hoje sem ser julgada.

Estão em litígio 155 mil hectares, que estão registrados em nome da União, mas são ocupados por particulares. Todas as áreas estão no âmbito dos limites territoriais do município de Porto Murtinho.

Para o MPF, a Constituição Federal de 1988 é clara ao definir que são nulos os títulos que confrontam posse de terras indígenas. "A excessiva e inexplicável demora na definição da situação jurídica tornou-se motivo de descontentamento para os indígenas, que se veem privados de usufruir de parte da área que lhes foi destinada pela nação brasileira, como reconhecimento por sua participação decisiva na Guerra do Paraguai, no século 19.

Nesta semana, a juíza substituta da 1ª Vara da Justiça Federal de Corumbá, Monique Marchioli Leite, negou liminar de reintegração de posse a três fazendeiros que tiveram fazendas invadidas. A magistrada justificou a decisão relatando que não irá conceder liminar em causas "que envolvam interesse de silvícolas ou do patrimônio indígena, sem audiência ouvir todas as partes envolvidas". Para isso, uma audiência está marcada para a próxima quinta-feira (17).

Fazendeiros esperam para próxima semana julgamento sobre despejo de índios
Até esta 5ª, advogados já haviam entrado com três pedidos de reintegração de posse e ainda mais cinco serão pedidos nesta sextaA defesa de nove prod...
Funai promete negociar desocupação de fazendas por índios kadiwéus
Funai se comprometeu a enviar agentes para região com a tarefa de conversar com os índios para que eles desocupem a área pacificamenteO resultado da...
André cobra envio de forças federais para atuar em área invadida por índios
O governador ressaltaque o clima de tensão é extremamente preocupante e eleva o risco de os conflitos resultarem em mortesO governador André Puccine...



Chegado num "dialogo democratico",nosso governador pediu socorro ao Min da Justiça para mandar soldados da tropa federal afim de, na base da violencia, acabar com a "baderna" dos indios com seus financiadores politicos.Competente equipe de tv foi lá e jogou agua fria ao massacre da midia do André, digo, na midia da capital contra os kadiwéus.E agora? Simples: devolvam as terras dos indios
 
samuel gomes-campo grande em 11/05/2012 09:01:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions