A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

31/08/2015 10:10

Aulas em escola indígena estão suspensas, mas transporte escolar voltou hoje

Priscilla Peres e Antônio Marques, enviado especial a Antônio João
Aulas estão suspensas em escola indígena. (Foto: Marcos Ermínio)Aulas estão suspensas em escola indígena. (Foto: Marcos Ermínio)
Transporte escolar voltou a normalidade hoje. (Foto: Marcos Ermínio)Transporte escolar voltou a normalidade hoje. (Foto: Marcos Ermínio)

As aulas na escola indígena Tupã'i localizada no distrito de Campestre em Antônio João - distante 279 km de Campo Grande, estão suspensas há uma semana devido as ocupações em fazendas. Acontece que os professores são indígenas e estão nas fazendas retomadas. Também não há previsão de retorno para essa semana.

Veja Mais
OAB encaminha grupo para acompanhar conflito entre indígenas e produtores
Índios relatam momento de terror durante confronto com fazendeiros

No local o clima que antes era tenso com a saída dos moradores, agora é tranquilo e os atendimentos na unidade de saúde acontecem normalmente. O secretário de Educação, Eudimar Camilo Dauzacqer, explica que na escola indígena estudam 487 alunos do ensino infantil ao ensino fundamental e uma turma de EJA (Educação de Jovens e Adultos).

As aulas foram suspensas no dia 22, com a ida de muitos indígenas para as fazendas ocupadas. "Só dois professores nesta escola não são índios. Quando eles retornarem para a escola, nós vamos sentar e conversar sobre o calendário de reposição das aulas ", explica Eudimar.

Ainda de acordo com o secretário, a procuradoria federal já está ciente da situação. Apesar das aulas suspensas, o transporte de alunos do Ensino Médio para a cidade é realizado normalmente. Três ônibus levam 150 estudantes, brancos e índios, para as aulas em uma escola urbana.

Houve uma suspensão de três dias, de quarta a sexta da semana passada, por conta dos conflitos, mas hoje os ônibus voltaram a ter livre acesso as fazenda e transportar os alunos normalmente.

Nesta manhã, a situação é calma no distrito de Campestre e há atendimento normal na unidade de saúde administrada pela Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena). Lá, o agente de saúde Leandro Gonçalves, 22, diz que são 150 famílias indígenas que moram no distrito, com média de oito pessoas por família.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions