A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

15/07/2014 15:00

Autoridades de segurança e comerciantes pedem Força Nacional em Ponta Porã

Caroline Maldonado
Autoridades se reuniram pra discutir uma solução (Foto: Divulgação/ACEPP) Autoridades se reuniram pra discutir uma solução (Foto: Divulgação/ACEPP)

Autoridades de segurança e empresários de Ponta Porã, na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai, a 323 quilômetros de Campo Grande, querem que a Força Nacional de Segurança atue no perímetro urbano da cidade, para conter a violência que, segundo os dados oficiais, diminuiu. O assunto motivou reunião realizada na segunda-feira na cidade, com representantes da Polícia Civil, Polícia Militar e do empresariado na cidade.  

Moradores e comerciantes reclamam do elevado número de assaltos. “Ponta Porã está às moscas. O bandido faz o roubo de manhã, deixa o bilhete dizendo que volta e realmente volta à tarde. Essa é nossa situação. Tem comércio que já foi assaltado quatro vezes em uma semana”, reclama o presidente da ACEPP (Associação Comercial e Empresarial de Ponta Porã), Eduardo Gauna. A reunião ocorre vinte dias após o dono de um bar, Wagner Barbosa Medina, de 34 anos, ser executado dentro do estabelecimento

O secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Wantuir Francisco Jacini, afirma que o sistema da Polícia Civil registrou queda no número de ocorrências nos últimos seis meses, em comparação com o último semestre de 2013. Ele não detalhou números. “O que estamos constatando é uma diminuição na criminalidade, pode ser que as pessoas não estejam registrando as ocorrências na delegacia, aí não sai na estatística”, afirmou o secretário.

O secretário disse que vai encaminhar a solicitação do retorno da Força Nacional de Segurança à cidade ao Governo Federal. “A Força estava envolvida em ações relativas à Copa do Mundo e nesta semana haverá um evento em Brasília que reunirá representantes de vários países, mas acredito que em seguida eles voltam a atuar no município”, informou.

O tenente-coronel da Polícia Militar de Ponta Porã, Hélio Gauto Rios, confirma a preocupação com a criminalidade e acredita que o retorno da Força irá coibir ações criminosas. “É importante o retorno da Força na cidade toda, porque quanto mais gente tiver abordando na rua, a população vê a Polícia andando e se sente mais segura e por outro lado aos delinquentes se preocupam”.

Também participaram da reunião, o presidente da Câmara Municipal, Agnaldo Miudinho; o Cônsul do Paraguai no Brasil, Pedro Martinez; o delegado da Polícia Civil, Marcius Cordeiro; o Capitão Alan da Força Nacional e o Comandante da Polícia Nacional em Pedro Juan Caballero, Mario Ortellado.

Falta de pessoal – Segundo o presidente da ACEPP, é conhecida em toda a cidade a falta de efetivo, tanto na Polícia Civil quanto Militar. “Estamos à deriva, pois a Polícia Militar está incapacitada por falta de pessoal. Há 15 pessoas pra fazer o policiamento da cidade inteira, incluindo os presídios. Isso é o que os próprios policiais informaram na reunião”, disse.

O secretário reconheceu a falta de pessoal e lembrou que aprovados em concursos da Polícia Militar e Civil estão em fase de formação. “A previsão é que estes concursados assumam os cargos ainda neste ano”, afirmou Jacini.

O funcionário público Armando Gomes Rodrigues esteve na reunião, pois na madrugada de sábado (12) teve o veículo, que usa para trabalhar no transporte escolar junto à família, roubado e conseguiu registrar o boletim de ocorrência apenas cinco horas após o roubo. Armando conta que acordou, às 4h, com o barulho do carro funcionando e correu até a Polícia Civil para pedir ajuda, mas a delegacia estava fechada. Enquanto se dirigia ao quartel, ele fez ligou para o 190, mas ninguém atendeu. No batalhão da Polícia Militar, também não havia policiais. Armando conta que permaneceu cerca de 15 minutos lá, inclusive circulou nos corredores. “Estava tudo aberto e não tinha ninguém. Nós gritamos, chamamos, batemos nas portas e nada”, afirma.

Armando disse que continuou ligando no 190 e foi atendido depois de uma hora. “Me passaram o telefone da Polícia Civil, então eu liguei e a pessoa que me atendeu disse que eu só podia registrar a ocorrência das 8h as 18h”, disse. Na esperança de deter o ladrão para que o carro não fosse levado para o Paraguai, a funcionário público foi até a delegacia do país vizinho, mas não pôde formalizar a ocorrência sem o boletim emitido pela Polícia do Brasil. Ao voltar para casa, Armando viu que os bandidos abandonaram um outro veículo antes de roubar o dele. “Somente às 7h recolheram o carro que estava aqui e eu fiz a ocorrência às 8h”.

Segundo Armando, a Polícia informou que naquele dia havia apenas dois policiais militares, que estavam acompanhando presos internados no hospital. “A gente fica à merce, porque nós não podemos correr atrás de bandido. Eu pensei que podia correr na Polícia e daria tempo de recuperar o carro ou pelo menos impedir que ultrapassasse a fronteira, pois eu moro a três quadras da Polícia Civil e a um quilometro da linha internaciuonal”, lamentou.

Apuração no HR conclui que não houve 'falha ética' em mortes no local
Uma investigação interna realizada pela direção do HR (Hospital Regional) de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande para apurar a mo...
Carreta da Justiça oferecerá serviços a partir do próximo dia 13
Carreta da Justiça, programa do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) que oferece serviços do judiciário de forma gratuita, chegará ao mun...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions