A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

30/09/2014 17:07

Bebê que engoliu pedra de crack recebe alta do hospital e é entregue a avô

Liana Feitosa
Conselheiro Davis acompanha desde ontem o caso. (Foto: Expressão MS)Conselheiro Davis acompanha desde ontem o caso. (Foto: Expressão MS)

O avô do bebê de nove meses que foi internado no domingo (28), com a suspeita de overdose devido à ingestão de uma pedra de crack, já está com a criança. O bebê, que recebeu alta hoje, foi entregue ao familiar por decisão do Conselho Tutelar de Três Lagoas, a 338 km de Campo Grande, onde ocorreu a situação.

Veja Mais
Bebê de nove meses está internado depois de engolir pedra de crack
Hoje é dia de Imaculada Conceição, padroeira de Dourados e do Paraguai

Segundo o conselheiro tutelar Davis Martinelli, foram feitos levantamentos acerca da idoneidade do avô. "Fizemos análise junto ao MP (Ministério Público), à polícia e outros órgãos e foi verificado que ele era o único familiar com condições para ficar com a criança", explica.

"Além de ter uma vida estável e ser funcionário público, não foi encontrado nenhum problema contra o nome do familiar", afirma. Além disso, outros membros da família foram analisados, mas todos apresentaram problemas com drogas ou bebida alcoólica.

Antes disso, a guarda da criança permaneceria com a mãe, mas o conselho recebeu denúncias de que a mãe é usuária de drogas e, por isso, não pode oferecer condições adequadas de vida à criança. As denúncias estão sendo apuradas.

A decisão quanto à guarda foi reforçada após o conselho intimar a mulher para prestar depoimento e acabou mudando a versão da história de como o filho teria ingerido a pedra de crack. Na segundo relato, disse que o irmão dela, ex-usuário de drogas, esteve na casa dela com amigos e, durante a visita, usaram o entorpecente. Por isso, a criança pode ter entrado em contato com a droga.

Decisão - De acordo com Martinelli, o órgão tem autonomia para entregar ao novo responsável um documento que confere poder de guarda sobre a criança. Por isso, a guarda fica em poder do avô do bebê até que o juiz decida quem terá a guarda permanente. "Entregamos um termo de compromisso ao avô e esse documento será válido até que o juiz determine a guarda permanente", explica o conselheiro.

O avô, que também mora em Três Lagoas, será acompanhado pelo MP, pela EMPA (Equipe Multidisciplinar de Prevenção ao Acolhimento) e outros órgãos de proteção à criança.

Jovem de 26 anos morre após fazer aborto em clínica clandestina
Uma jovem de 26 anos morreu depois de fazer um aborto em uma clínica de Porto Murtinho, distante 431 km de Campo Grande na terça-feira (6). A mãe da ...
Segurança reage a assalto, troca tiros com bandidos e é atingido de raspão
Ao reagir durante assalto anunciado por três homens, o segurança Aldair José de Oliveira, 30, ficou ferido ao ser atingido por um tiro. O caso aconte...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions