A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

19/10/2015 21:35

Chacina com 100 tiros de fuzil tem cinco mortos e três feridos na fronteira

Flávio Paes
Corpos dos que morreram no local retirados para necrópsia Corpos dos que morreram no local retirados para necrópsia

Morreu, há cerca de 30 minutos, no hospital para onde foi levado, Denis Gustavo, a quinta vítima da execução registrada por volta das 17h desta segunda-feira em Paranhos, a 466 quilômetros de Campo Grande, na rua Marechal Deodoro em frente da Padaria Bahamas. Além dele morreram na chacina, Bruno Vieira, Arnaldo Alderete Peralta (que seria de nacionalidade paraguaia), Rodrigo Silva e Mohamed Neto, conhecido pelo apelido de Jarrão.

Veja Mais
Bandido mata quatro e fere dois com tiros de fuzil no centro da cidade
Justiça determina instalação de rede de esgoto em Nova Alvorada do Sul

Estão feridos em estado grave Anderson Betton, que já passou por uma cirurgia no hospital em Amambai; Diego Alderete (irmão de Arnaldo) perdeu uma perna e foi levado de avião para a ser atendido fora da cidade. Há um terceiro ferido, Emerson Lopes, cliente da padaria, que levou um tiro de raspão e está fora de perigo, segundo o site Internacional News.

Segundo informação obtida pelo Campo Grande News junto ao DOF (Departamento de Operações de Fronteira), que deslocou equipes para Paranhos para conduzir as investigações, apenas uma das vítimas, entre os cinco mortos, seria o alvo dos atiradores que, a bordo de uma caminhonete de cor preta, provavelmente modelo Hillux, teriam feito pelo menos 100 disparos de fuzil.

Este homem (de quem a polícia prefere não revelar a identidade) era um dos líderes do tráfico de drogas na cidade que faz fronteira seca com Ypehú, no lado Paraguai. Ele teria como negócio de fachada um lava-jato que fica justamente ao lado da padaria onde estava para tomar um lanche.

Neste momento os atiradores passaram em frente do estabelecimento, fizeram os disparos e acabaram atingindo todos que estavam por lá. Tudo levar a crer que a chacina é mais um episódio na guerra dos traficantes pelo controle do tráfico de drogas na fronteira. Estes confrontos resultaram em várias mortes nas últimas duas semanas em Ponta Porã e Pedro Juan Caballero.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions