A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

15/07/2015 15:21

Chuva atinge 90 milímetros em duas semanas e castiga bairros sem asfalto

Helio de Freitas, de Dourados
Na rua Buriti, no bairro Estrela Tovi, chuva interrompeu obras de asfalto e moradores sofrem com a lama (Foto: Eliel Oliveira)Na rua Buriti, no bairro Estrela Tovi, chuva interrompeu obras de asfalto e moradores sofrem com a lama (Foto: Eliel Oliveira)

O volume de chuva deste mês em Dourados, a 233 km de Campo Grande, já é o dobro da média histórica de julho. De acordo com a estação agrometeorológica da Embrapa Agropecuária Oeste, do dia 1º até esta terça-feira (14), a precipitação acumulada era de 85,8 milímetros, o que equivale a 85,8 litros de água por metro quadrado. Em média, julho tem menos de 50 milímetros de chuva.

Veja Mais
Alerta de tornado espalha medo, mas MS teve apenas chegada de frente fria
Temporal chega à cidade e moradores registram queda de granizo à noite

Nesta quarta-feira (15) a quantidade de chuva já é de 4,8 mm. Chove sem parar na segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul desde ontem à tarde de ontem, mas não há registro de danos à população.

Bairros sem asfalto – Os maiores transtornos ocorrem nos bairros sem asfalto. Com 210 mil habitantes, Dourados tem pelo menos metade de seus bairros ainda com ruas de terra. Dois desses bairros são o Estrela Tovi e Parque do Lago II, na região oeste da cidade, onde as ruas ainda sem pavimentação estão tomadas pela lama e os moradores reclamam.

Nos últimos dois anos a prefeitura anunciou investimentos de quase R$ 80 milhões para asfalto, mas todas as obras iniciadas nos últimos meses estão paralisadas por causa das chuvas. O Estrela Tovi e o Parque do Lago II estão entre os bairros onde as obras foram iniciadas, mas estão paradas há vários dias.

As previsões do Ceptec/INPE indicam que a chuva deve continuar na região de Dourados até sexta-feira (17). O agrometeorologista da Embrapa, Ricardo Fietz, informou que a tendência é de chuvas acima da média também em agosto e setembro.

Segundo ele, a região centro-sul do Brasil está sob efeito do fenômeno El Niño, que ocorre no oceano Pacífico e influencia no clima. “As águas do Pacífico estão meio grau mais quentes, o que provoca inverno com temperaturas mais amenas e mais chuva em nossa região. Quando ocorre o contrário, ou seja, a água do Pacífico fica mais fria, sofremos os efeitos do La Niña, com invernos mais secos e mais frios”, explicou.

No Parque do Lago II, Rua Fradique Ferreira também estava com obra de asfalto, mas chuva interrompeu serviços há vários dias (Foto: Eliel Oliveira)No Parque do Lago II, Rua Fradique Ferreira também estava com obra de asfalto, mas chuva interrompeu serviços há vários dias (Foto: Eliel Oliveira)



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions