A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

24/03/2011 18:14

Cigcoe envia 50 policiais para controlar situação em Água Clara

Jorge Almoas

Um grupamento de 50 policiais do Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais) foi enviado no final da tarde de hoje para controlar a situação instalada em Água Clara, município localizado a 198 quilômetros de Campo Grande.

Trabalhadores do consórcio que vai construir a usina São Domingos, no Rio Verde, incendiaram alojamentos e veículos nesta tarde.

O reforço do Cigcoe irá se somar aos 30 policiais militares de Ribas do Rio Pardo, Água Clara e Três Lagoas, que estão no local.

Não houve feridos no episódio. Há relatos de trabalhadores que não receberam o pagamento e não conseguiram a demissão. A empresa teria retido o dinheiro e os documentos, e obrigado os trabalhadores a dormirem em locais inadequados e comer comida estragada.

O Campo Grande News tentou contato com a empresa, mas não obteve retorno.

Não há feridos em alojamentos de usina incendiado por trabalhadores
Não há feridos no canteiro de obras da usina hidrelétrica São Domingos, no município de Água Clara, onde trabalhadores incendiaram dois alojamentos n...
Trabalhadores incendeiam alojamento em obras de hidrelétrica em Água Clara
Trabalhadores que atuam na construção da Usina Hidrelética São Domingos, no município de Água Clara, incendiaram os alojamentos e veículos nesta tard...
Empresa não paga salário e mantém funcionários “presos” em Água Clara
Trabalhadores de uma empresa que faz parte do consórcio para construção da Usina São Domingos em Água Clara denunciam que não receberam o salário e, ...



Sou técnico em segurança do trabalho, eu pedir o desligamento da empresa, alguns dias antes do motim, por motivos particulares, embora era notório algum descontentamento de alguns colaboradores, eu percebia que a situação não era vantajosa permanecer no consórcio, uma pelo difícil acesso e uma grande falta de comunicação com a família, a operadora vivo, quando chovia ou fazia um mau tempo o serviço era indisponível ou seja a comunicação não existia.Outro fator de grande desconforto era na hora das refeições, o local não tinha a capacidade para atender os colaboradores, gerando descontentamento, chegando a ficar na fila de espera até meia hora p/ almoçar ou jantar.No espaço de apenas uma hora de almoço.O fator de atraso de pagamento na minha situação numca ocorreu, seria injusto em comentar sobre essa ocorrência grave.Particulamente eu vivenciei durante estes quatro meses que ali permanecir , solicito que á proxima gestão administrativa tenha uma visão mais humana em tratar com seres humanos e a sensibilidade de receber os irmãos de todas as regiões do brasil, principalmente a do nordeste, sem discriminação e sem preconceitos. Obrigado.
 
weverson ferreira de castro em 05/04/2011 08:46:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions