A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

27/05/2014 18:21

Com aterro sanitário fechado há uma semana, Miranda acumula lixo pela cidade

Mariana Lopes e Lidiane Kober
O volume do lixo é tão grande que chega a estar espalhado pelas ruas da cidadeO volume do lixo é tão grande que chega a estar espalhado pelas ruas da cidade
O lixo da população de Miranda não tem onde ser despejadoO lixo da população de Miranda não tem onde ser despejado

Desde a última terça-feira (20), o aterro sanitário de Miranda está bloqueado por um grupo indígena de nove aldeias da região. Os Terena fecharam a entrada do local e, desdeo então, nenhum caminhão consegue entrar para despejar o lixo recolhido no município.

Segundo o comerciante Nelson Manoel de Andrade, 59 anos, há resíduo acumulado nas lixeiras e até espalhados pelas ruas. “Eu tenho padaria e não sei mais onde vou colocar o lixo daqui, esto com vários tambores e várias caixas cheias, a cidade toda está um caos”, relata o comerciante.

Nelson diz que não há alternativa para se desfazer do lixo acumulado. “Despejar em qualquer lugar não pode, porque agride o meio ambiente e corro até o risco de levar uma multa. A esperança é que o problema seja solucionado logo”, ressalta o proprietário da padaria, que fica no Centro da cidade.

O comerciante ainda conta que a prefeita de Miranda, Marlene Bossay (PMDB), deu uma entrevista à rádio local, na qual ela falou sobre a situação da cidade e, segundo Nelson, afirmou que o gabinete dela sempre esteve aberto aos índios, indicando que o ato dos terena seria infundado e incoerente.

Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura de Miranda, a chefe do executivo mandou representantes até o lixão da cidade para tentar um acordo com os índios. Ainda com informação oficial, a prefeita não foi pessoalmente até o aterro sanitário para conversar com os manifestantes, como foi solicitado por eles, porque “o local não é adequado para a autoridade máxima do município”, conforme destacou o assessor de imprensa.

Na semana passada, Marlene Bossay divulgou à imprensa que recebeu um grupo de indígenas de aldeias da região que são contra a manifestação no aterro sanitário da cidade. Contudo, a reunião com os índios, segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, foi somente para demonstrar solidariedade à prefeita pela situação na qual se encontra o município.

A coleta do lixo é de total responsabilidade da Prefeitura de Miranda. De acordo com assessoria de imprensa, houve uma tentativa de contato com prefeituras de municípios vizinhos para negociar a possibilidade de despejar o lixo acumulado em um aterro sanitário de cidades próximas, mas nenhuma Prefeitura concordou com a proposta.

 

Representantes indígenas estiveram na audiência na tarde de hoje  (Foto: Cleber Gellio)Representantes indígenas estiveram na audiência na tarde de hoje (Foto: Cleber Gellio)
A prefeita de Miranda, Marlene Bossay, entrou na Justiça com pedido de reintegração de posse (Foto: Cleber Gellio)A prefeita de Miranda, Marlene Bossay, entrou na Justiça com pedido de reintegração de posse (Foto: Cleber Gellio)

Audiência – Na tarde de hoje, a prefeita de Miranda e representantes do grupo de indígenas que fechou o lixão da cidade participam de uma audiência na 4ª Vara da Justiça Federal, em Campo Grande, para definir a situação do município.

A prefeita Marlene Bossay entrou na Justiça com um pedido de reintegração de posse, já que a área do aterro sanitário pertence ao município. “Também quero saber o motiva da manifestação, pois tenho bom relacionamento com os índios, meu gabinete sempre esteve aberto a eles, e durante a manifestação, mandei três recados convidando-os para irem à Prefeitura que eu iria recebê-los”, garantiu Marlene.

Em sua defesa, a prefeita levou uma foto na qual ela estava posada ao lado do cacique Branco, um dos líderes do movimento que interdita o lixão de Miranda. “Foi no Dia do Índio, quando teve um ato de homenagem dentro do meu gabinete dela, todos foram recebidos e eu ouvi as reivindicações deles. O que está acontecendo é uma minoria de dissidentes e nem sei o motivo dessa ocupação”, afirmou a prefeita.

Por outro lado, o cacique Branco, da aldeia Babaçu, acusou a peemedebista de usar foto como pretexto para passar uma imagem distorcida de que “está tudo está bem”. “Realmente, fomos recebidos no gabinete, mas desde que ela assumiu a Prefeitura, nenhuma reivindicação nossa foi atendida, por isso decidimos invadir o lixão, que é uma a área que está em discussão por ser nossa”, ressalta Branco.

Sobre os representantes enviados ao aterro sanitário em no me da Prefeitura, o cacique foi enfático. “Não aceitamos recado, ela teria que ter ido lá pessoalmente falar com a gente”, pontua o líder indígena. Os manifestantes reivindicam melhorias na infraestrutura, saúde e educação das comunidades indígenas da região.

Indígenas de Miranda bloqueiam entrada de lixão como forma de protesto
Aproximadamente 120 indígenas de oito aldeias e duas áreas de retomada de Miranda, a 201 quilômetros de Campo Grande, bloquearam, nesta terça-feira (...
Homem é preso ao ser flagrado transportando 191 quilos de maconha
Hellington Sant Ana Mota, de 33 anos foi preso acusado de tráfico de drogas por transportar 191 quilos de maconha no porta-malas de um carro. O flagr...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions