A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

21/07/2014 16:26

Com greve, 6 escolas fecham e 3.507 alunos ficam sem aula

Caroline Maldonado e Viviane Oliveira
Seis escolas fecharam as portas hoje  (Foto: Ademir Almeida/Dourados News)Seis escolas fecharam as portas hoje (Foto: Ademir Almeida/Dourados News)

Seis escolas da rede municipal de ensino amanheceram fechadas hoje (21), em Dourados, a 233 quilômetros de Campo Grande. Os funcionários aderiram à greve deflagrada na semana passada pelo Simted (Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação) e 3.507 alunos estão sem aulas.

Veja Mais
Poucos professores aderem a greve e maioria das escolas funciona normalmente
Professores reafirmam greve em Dourados e orientam alunos a faltar

Às 18h30, os trabalhadores participação de sessão na Câmara Municipal que prevê a votação do reajuste de 8,31% para professores e de 6,15% para funcionários administrativos a partir de julho, mas retroativo a abril.

A secretária municipal de Educação, Mariniza Mizoguchi, disse que estabelecido o reajuste que será votado hoje, não haverá mais negociação com o Simted, pois não há como atender a reivindicação da categoria, de pagamento do piso salarial nacional por 20h. “Isso significa dobrar o salário. É isso que eles querem e não faremos, pois na administração do prefeito Murilo já houve aumento salarial de 49%”.

O presidente do Simted, João Vanderley Azevedo, afirmou que a categoria continuará com a paralisação, pois o reajuste não é a principal reivindicação e sim o piso de 20h e a inserção do pessoal de administrativo no plano de carreira. “Nós vamos participar hoje desta sessão para mostrar a nossa indignação com essa decisão, porque é algo que está desde abril para ser votado e agora votarão em regime de urgência, isso é estranho”, disse.

Quanto a inserção do pessoal de administrativo no plano de carreira, que é uma das reivindicações do Simted, a secretaria disse que em 2008 os funcionários que optaram pela inserção no planos foram atendidos e isso não será feito agora. “Nós não temos com obrigar os trabalhadores administrativos a entrar no plano da educação. Quem quis optou e, naquela época, a adesão foi pequena”, lembrou.

Para a secretária, o movimento grevista é político. “Eles estão fazendo isso porque está tendo reeleição no sindicato, então estão usando as reivindicações para se promover”, disse. Segundo Mariniza, dos 4.100 funcionários, 60 aderiram a greve.

Segundo a Mariniza, estão fechadas as escolas municipais Joaquim Murtinho, no Centro; Elza farias, no bairro Cachoeirinha; Avani Cargninelutti Sehlauer, no Jardim Flórida II; Aurora Pedrozo, no bairro Parque Alvorada; Januário Pereira de Aráujo e Efantina Quadros, ambas no Jardim Itália. No total a rede tem 27 mil alunos. 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions