A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

05/01/2015 11:10

Congestionamento chega a 4 km e MST deve liberar rodovias às 12h

Viviane Oliveira
Quatro trechos de três rodovias estão bloqueados desde as primeiras horas do dia. (Foto: Direto das Ruas) Quatro trechos de três rodovias estão bloqueados desde as primeiras horas do dia. (Foto: Direto das Ruas)

O bloqueio de três rodovias federais de Mato Grosso do Sul por sem-terra está provocando congestionamento de até 4 quilômetros nesta segunda-feira (5), de acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal). A liderança do movimento informou que os trechos interditados serão liberados ao meio-dia.

Veja Mais
No 1º ato contra Dilma, MST bloqueia 3 rodovias e cobra reforma agrária
Grupo de sem-terra bloqueia trecho da BR-267 entre Nova Andradina e Campo Grande

Ainda conforme a PRF, no quilômetro 104 da BR-163 o trânsito está sendo desviado por Amambai/Iguatemi e Eldorado e não há congestionamento no local. Ainda na BR-163, em Nova Alvorada do Sul, no quilômetro 409, as duas pistas estão interditadas o congestionamento passa dos 4 quilômetros.

Em Nova Andradina, no quilômetro 140 da BR-267, o congestionamento é de 2 quilômetros e os condutores são orientados para desviar por Santa Rita do Pardo, rodovia Estadual asfaltada,mas com poucos recursos de apoio.

Já em Terenos, no quilômetro 409 da BR-262, o congestionamento está bem acima dos 2 quilômetros. A PRF orienta os motoristas que estiverem saindo de viagem com passagem por esses trechos que adiem a saída ou façam paradas em pontos de apoio antes do bloqueio.

Interdição - Segundo o MST (Movimento dos Sem Terra), a ação faz parte da jornada de luta do movimento que começou dia 1º com a posse de Dilma. Eles querem que 120 mil famílias sejam assentadas no Brasil todo até o fim do mandato da presidente.

No Estado, os militantes reivindicam ainda a liberação imediata das áreas vistoriadas pelo Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), andamento nas vistorias que estão paralisadas e a reestruturação do Incra, tanto física quanto humana. “Os encaminhamentos acabam sendo prejudicados por falta de funcionários no órgão”, reclama Marina Ricardo Nunes, dirigente nacional do MST, que representa Mato Grosso do Sul.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions