A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

27/06/2012 08:05

Denunciado por corrupção, promotor é removido de Corumbá por Conselho

Aline dos Santos

Segundo o relator, a transferência não é punição, mas medida de caráter administrativo motivado por interesse público

O CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) determinou a imediata remoção compulsória do promotor José Arturo Iunes Bobadilha Garcia. Lotado em Corumbá, ele será transferido para Coxim.

Ontem, foi julgado recurso da defesa do promotor e o conselheiro Jarbas Soares determinou o cumprimento da remoção. A conduta do promotor começou a ser analisada após o MPE (Ministério Público Estadual) receber denúncias de que ele teria praticado crimes de corrupção passiva e prevaricação, entre os anos de 2006 e 2007.

Em abril, o plenário já havia julgado e negado provimento a embargos de declaração do promotor contra a remoção. Na ocasião, os conselheiros entenderam que ele tentou rediscutir fatos já deliberados e superados em dezembro de 2011.

Segundo o relator, a transferência não é punição, mas medida de caráter administrativo motivado por interesse público. O conselheiro também reconheceu que houve erro na publicação do acórdão, já que,diferentemente do que foi publicado no diário oficial, a decisão não foi unânime, e sim por maioria.

O processo administrativo sobre a remoção compulsória do promotor José foi avocado pelo CNMP em 2009. Na época, a maior parte dos membros do Conselho Superior do MP/MS estava impedida de atuar no caso.

O pedido de remoção foi feito em razão de “ações penais oferecidas contra o requerido, relacionamento pessoal com pessoas de índole duvidosa, ingerência no trabalho da polícia federal e comprometimento da atuação funcional em virtude da efetiva participação na vida social da comarca, inclusive na esfera política”, explica o voto do então relator do processo, conselheiro Cláudio Barros, posteriormente substituído pelo conselheiro Jarbas Soares.

Houve denúncia dos crimes à Justiça, que foram rejeitadas, não resultando em processo. A remoção é uma medida administrativa. Para concretizá-la, basta a publicação de uma portaria do MPE.

Conselho mantém transferência de promotor após denúncia de corrupção
A remoção de Corumbá para Coxim foi determinada em janeiroO Conselho Nacional do Ministério Público manteve ontem a remoção compulsória do promotor ...
Escritor douradense lança na terça livro sobre 40 anos de carreira
Será lançado na próxima terça-feira (6) em Dourados - cidade localizada a 233 km de Campo Grande - o livro "A Felicidade pela Literatura: Ensaio entr...



Enquanto o brasil não mudar,dar educação ao povo......respeito ao cidadão e ter rito sumario em julgamento como no paraguay,haverá muitas pequenas autoridades com excesso de autoridade,vcs precisam ver em cidades pequenas do interior como é que funciona....a população fica com medo de determinadas "otoridades"...
 
LUIS VIEIRA em 27/06/2012 12:00:00
Legal!
ganhou um prêmio
 
Emersom Floriano em 27/06/2012 10:39:09
Roubou tem ser preso não removido, vai roubar em outro lugar e depois vai para onde... etá Brasillllll,,, dale corrupção
 
luiz carlos em 27/06/2012 09:32:36
BRAZIL, O PAÍS DO FAZ DE CONTA!
 
Carlos Renato Lopes em 27/06/2012 07:27:17
se este país fosse sério, o que inexorávelmente não é, o resultado dessas condutas (Corrupção e Prevaricação), uma vez comprovadas, seria outra para este fiscal da LEI, ou seja, a exoneração dos quadros do Ministério Público...
 
Marcelo Mendes em 27/06/2012 02:12:44
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions