A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

03/07/2014 21:26

Consultoria faz estudo de impacto ambiental para instalar fábrica no Estado

Alan Diógenes

A consultoria finlandesa Pöyry apresentou nesta quinta-feira (3), em audiência pública, o EIA (Estudo de Impacto Ambiental) e o Rima (Relatório de Impacto Ambiental) para instalação de uma nova fábrica de celulose em Ribas do Rio Pardo, a 100 quilômetros de Campo Grande. O empreendimento será erguido pela CRPE (Celulose Rio Pardense e Energia) Holding, que tem como acionista um fundo de investimento em participações, o MCL, do qual é cotista o empresário Mário Celso Lopes, ex-sócio da J&F Investimentos na Eldorado Brasil Celulose.

Veja Mais
Duas pessoas ficam feridas após veículo capotar em estrada vicinal
Traficante solta algemas e tenta fugir após ser apreendido com 115 kg de maconha

De acordo com informações do site Valor Econômico, a consultoria informou que a fábrica terá capacidade instalada para 2,2 milhões de toneladas de celulose por ano. O investimento no projeto está estimado em R$ 8 bilhões e, no fim do ano passado, a Sudeco (Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste) aprovou uma linha de financiamento de R$ 730 milhões ao projeto.

No início deste ano, a J&F, dona da JBS, entrou na Justiça com o objetivo de impedir a instalação da fábrica, uma vez que, ao vender sua fatia de 25% na Eldorado, em 2012, Mário Celso Lopes assinou um contrato que continha cláusula de não concorrência por dez anos. Procurada, a J&F informou que não vai se pronunciar sobre o assunto. O empresário, por sua vez, não deu retorno aos pedidos de entrevista.

A J&F detém, diretamente, 47,2% da Eldorado. Outros 16,39% estão com a MJ Participações, controlada pela J&F. O FIP Florestal, que tem entre seus cotistas os fundos de pensão Petros (Petrobras) e Funcef (Caixa Econômica), detém 34,45%. O FIP Olímpia, apresentado como fundo de investimento com cotas detidas pela administração da companhia, tem 1,96%.

A Eldorado, que iniciou a operação de sua primeira fábrica em novembro de 2012, planeja dar início neste mês à terraplenagem para expansão da unidade de Três Lagoas, que pode começar a produzir em 2017. A companhia já recebeu do Imasul a licença de instalação que permite elevar a capacidade instalada de 1,5 milhão de toneladas por ano para 4 milhões de toneladas anuais. A nova linha receberá investimento estimado em R$ 8 bilhões e terá capacidade de produção de 2 milhões de toneladas por ano. Com aportes marginais, poderá alcançar 2,3 milhões de toneladas anuais.

A Fibria, maior produtora mundial de celulose de eucalipto, também pode dar a largada para seu projeto de expansão em Três Lagoas proximamente. A expectativa é a de que os planos sejam submetidos ao conselho de administração ainda neste mês




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions