A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

24/05/2013 15:23

Corregedoria apura conduta de delegado da PF contra o CIMI

Viviane Oliveira
Delegado da PF, Alcídio, chegando na fazenda Buriti, em Sidrolândia. (Foto: Vanderlei Aparecido)Delegado da PF, Alcídio, chegando na fazenda Buriti, em Sidrolândia. (Foto: Vanderlei Aparecido)

A corregedoria da Polícia Federal vai analisar a conduta de um delegado da corporação, que aprendeu sem ordem judicial os equipamentos de um fotógrafo do CIMI (Conselho Indigenista Missionário). O jornalista cobria no último sábado (18) a ordem de reintegração de posse em fazenda ocupada por índios terena, em Sidrolândia, distante 71 quilômetros de Campo Grande.

Veja Mais
Após o protesto da Famasul, agora CIMI aciona Corregedoria contra a PF
Famasul questiona “prisão” de fazendeiro e "tolerância" da PF

A Polícia Federal vai apurar o comportamento do delegado Alcídio de Souza Araújo, que aparece em um vídeo, postado pelo Campo Grande News no dia 20, onde o delegado apreende o gravador e o computador do jornalista Ruy Sposati, do Cimi, órgão da igreja católica que atua na causa indígena há 42 anos.

O jornalista estava em Sidrolândia, onde acompanhava a negociação entre policiais federais e índios terena, que ocupam a fazenda Buriti há duas semanas. A propriedade é do ex-deputado estadual Ricardo Bacha. Sposati diz que foi fichado e obrigado a entregar os equipamentos.

O CIMI entrou com pedido de mandado de segurança para ter os equipamentos de volta. A Polícia Federal apreendeu 1 computador e 1 gravador.

A assessoria de imprensa da Polícia Federal, disse que vai pedir autorização judicial para acessar o conteúdo e a liberação do material provavelmente não será nos próximos dias.

Veja o vídeo:




O delegado não tá errado não, precisa sim ver quem incita, alicia, organiza essas presepada, tem é que aprofundar na questão, igreja REZA.
 
geraldo cançado em 25/05/2013 07:04:42
É um absurdo a policia federal dizer que vai pedir autorização judicial para analisar o material apreendido.
Esse material, conforme todo mundo viu, foi apreendido de forma ilegal e arbitrária pelo delegado, dessa forma, o papel mais decente desse órgão é devolver esse material, na presença de toda a imprensa, e pedir mil e uma desculpas pela ignorância (desconhecimento do que é o CIMI) do delegado enviado ao local.
 
Marcelo Fernandes em 24/05/2013 20:30:45
é...não resolveu o problema da ocupação...só criou um tumulto.
 
marcel dos santos nobre em 24/05/2013 18:25:33
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions