A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2017

15/10/2014 12:14

Corumbá tem o maior índice de mulheres com mamografia em atraso

Luciana Brazil

Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande, é o município com o maior índice de atraso em exames de mamografia e papanicolau, de acordo com dados da Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores de Mato Grosso do Sul). Entre as beneficiárias do plano de saúde na cidade, 1.871 estão com os exames vencidos.

Veja Mais
PM recorre a 'mata-leão' para algemar invasor de conveniência
Duas pessoas são assassinadas em barraco perto de assentamento

Segundo a diretora de Assistência à Saúde da Cassems, Maria Auxiliadora Budib, 535 mulheres deveriam ter feito a mamografia neste ano e 1.336 realizado o papanicolau. O exame que detecta o câncer de mama deve ser feito a cada dois anos e o que constata o câncer no colo de útero precisa ser feito a cada um ano.

Um ônibus projetado para executar consultas médicas especializadas e exames para detecção precoce de câncer de pele, mamas e colo uterino percorre bairros da Capital e cidades do interior, em uma parceria entre Cassems e Rede Feminina (Hospital do Câncer Alfredo Abraão). Criado para prevenir e combater o câncer, o ônibus é mantido pela empresa Previne. 

"Para tentar amenizar esse dado, o ônibus tem feito mensalmente uma chamada de atenção em Corumbá, tentando levar as mulheres para fazer o exame", explicou a Maria Auxiliadora.

Mesmo com índices bem menores do que Corumbá, Ponta Porã ocupa a segunda posição no ranking da Cassems. Em Campo Grande, o índice de atraso acomete, aproximadamente, 30% das beneficiárias, segundo Maria Auxiliadora.

A presidente da Rede Feminina da Combate ao Câncer, Cleuza Vasconcelos, alerta que, por ano, são cerca de 500 novos casos de câncer de mama e colo de útero em Mato Grosso do Sul, sendo 300 na Capital e 200 no interior, conforme levantamento da Rede Feminina.

Já dados do Inca (Instituto Nacional de Câncer) apontam que esse número pode ser pior. Conforme o instituto, só na Capital, em 2014, estavam previstos surgir 1.290 casos de câncer. Só de mama, a tendência era de 770 novas vítimas em todo o Estado.

De junho até o início deste mês, 407 mulheres que passaram pela mastectomia (retirada do seio) foram à Rede em busca de sutiãs especiais para disfarçar a falta do seio.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions